Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2007

Lordy I

Tava na sacada, fumando um cigarrinho, quando vi o cachorro cofap da vizinha brincando com um outro da rua. Então, no mesmo instante, me veio a memória a lembrança do Lordy, meu cachorro da infância.
Quando pequena nós moravamos numa casa de madeira, velha (que adorava e onde tive a infância mais maravilhosa que uma criança pode ter e é por isso e pela casa aconchegante da minha avó, em Cruz Alta, que gosto tanto de casas de madeira), pintada com tinta óleo pinhão. Lá, cada um de nós, filhos, tínhamos um cão. Minha irmã tinha o Bob. Um cachorro grandalhão creme, sem raça definida - aliás, todos eram sem definição, hehehe. Meu irmão tinha o Rusty. Um cão pequeno até, preto, e eu o Lordy. Um cachorro meigo e brincalhão, caramelho com pêlos branco no peito, e peludo. Lindo!
O Lordy era uma figura. Todas as crianças da rua amavam ele. Minha mania de festa, comemorar, reunir os amigos vem desde essa época. Toda semana eu pedia dinheiro para o meu pai, alegando que era aniversário do Lordy e …
Ele! O Pãrci.

João e o toureiro

Essa história deveria ser para gente grande. Porque aquela com o pé de feijão todos conhecem. Já não me agrada mais, hehehe. Cresci! (eu acho). Mas a do João com a do toureiro... Ah, quanta diferença.
Ele contou nesta sexta-feira. Nós fomos ao Piccoli, aceitando um convite da Estela Maris. Linda pessoa! E foi bom demais. Dei muitas risadas com as histórias do J. Vieira, das piadas do Neuder, das brincadeiras eróticas com o Ervilha. Às vezes, depois de uma semana puxada (graças a Deus, a minha preta velha querida e a mim mesmo), nada melhor do que uma cerveja gelada e boas risadas para descontrair.
No meio de tudo isso, claro, nem tudo é perfeito, teve detalhes que me desagradaram, mas que sei - com certeza - que depois de alguns minutos, vai passar. Ainda tento controlar meu ciúmes, ser indiferente e destinar um tratamento igual ao meu amor como se fosse qualquer outra pessoa. Mas não vou mentir para mim, não dá. É além das minhas forças e da minha vontade. Então, vou tentar deixar de o…

Antes idiota, que infeliz

Uma vez Renato Russo disse com uma sabedoria ímpar: 'Digam o que disserem, o mal do século é a solidão'. Pretensiosamente digo que assino embaixo sem dúvida alguma. Parem pra notar, os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias.
Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas e saem sozinhas. Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos. Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos 'personal dance', incrível. E não é só isso não, se fosse, era resolvido fácil, alguém duvída? Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e recebercarinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão 'apenas' dormirem abraçados, sabe essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma e…

Umbigo

O poderoso foco da sedução

"Depressão cutânea localizada no centro do abdome, formada a partir da cicatriz do corte do cordão umbilical". Você acredita? Pois, essa é a definição do Dicionário Houaiss para aquela 'coisinha' bonita e sedutora chamada umbigo! (Fonte: Terra)
* * *
Por isso que, agora, o meu tem um lindo piercing se balançando junto com o barrigão, hehehe. E deu para perceber né: tô nem aí, tô nem aí!

A Relaxada

Hoje fui a Caçador. Como os horários são restritos e meu compromisso era apenas às 13h30, fui no último horário da manhã: 10h40. Depois de uma sonequinha das boas, acordei com o rapaz anunciando o primeiro e último ponto antes da rodoviária da cidade do Oeste. Optei por arriscar e descer na Rodoviária mesmo.
Lá chegando, uma hora depois, liguei para a Relaxada e, por coincidência ela trabalha na Claro, ali perto, o restaurante onde almoça também era perto e o meu compromisso ficava a poucas quadras dali. Amei isso, hehehe.
Fazia mais de uma ano que não via a relaxada. Aliás, desde que ela se mudou lá de casa, antigo Casarão das Noivas. Ela foi para sua terra, perto de mim 40 km e não nos vimos mais até então. Foi bom. Bom não, foi muito bom. Colocamos os assuntos em pauta e mandamos ver, entre uma garfada e outra, uma passada e outra.
Por fim, ela ainda foi se despedir de mim quando embarquei de volta para Videira, às 15h15. Reforçamos a idéia de fazer um churras neste sábado. Acho que …

Nós e os outdoor's

MíDIA Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007 11:19
Porto-alegrense não considera outdoor poluição visual
Uma pesquisa encomendada pela Central de Outdoor/Seccional Rio Grande do Sul, composta pelas empresas de mídia exterior RSBC Ativa e Grupo LZ, revelou que a maioria da população de Porto Alegre não considera poluição visual a utilização de propaganda em outdoor. A pesquisa foi realizada em julho deste ano.
Para avaliar o tipo de poluição mais grave da cidade, os pesquisadores do Instituto Methodus apontaram cinco itens (poluição do Guaíba, do ar, das ruas, sonora e visual). A poluição do Guaíba com 78% ocupa a primeira posição, seguida pela poluição do ar, com 74,9%. Em último está a poluição visual, com 31,2% de indicações. Dos entrevistados, 87,9% não associam o outdoor à poluição visual. Para o diretor da Central de Outdoor/Seccional RS, Dannie Dubin, a pesquisa dará embasamento para os debates sobre o tema, “facilitando o discernimento com dados concretos e não suposições”.
* * *
E…

Entrevista de emprego

Edu, que não tinha orelhas (o que lhe causava um horrível complexo), era dono de uma empresa e precisava contratar um novo gerente. Selecionou três currículos e marcou as entrevistas. O primeiro cara era ótimo. Conhecia tudo que precisava e era muito interessado. Ao final da entrevista Edu lhe perguntou:
- Você percebeu alguma coisa diferente em mim?
E o cara respondeu de imediato:
- Sim, não pude evitar de reparar que o Sr. não tem orelhas.
Edu não gostou daquela franqueza e mandou-o embora. O Segundo entrevistado era uma mulher, e era bem melhor que o primeiro cara. Ao final, entusiasmado, Edu fez a pergunta fatal:
- Você percebeu alguma coisa diferente em mim?
E ela:
- Bem, você não tem orelhas.
Novamente Edu se zangou e mandou-a embora.O terceiro e último entrevistado também era muito bom. Jovem, inteligente, boa pinta, parecendo ser melhor homem de negócios que os dois primeiros juntos. Edu estava tão ansioso, que foi logo fazendo a pergunta de sempre:
- Você percebeu alguma coisa diferen…

Era uma vez...

... um mímico francês, chamado Marcel Marceau.

300

Pensei que toda saudade houvesse chegado e ido embora ontem. Mas hoje ela voltou à tona. No final da tarde...


O Jornal A Coluna comemorou 300 edições no Pesque Pague do Piccoli, e o Fernando a sua centésima edição. Então, várias pessoas foram convidadas, além dos staff, claro (acho que se escreve assim), para confraternizar o trabalho do grupo. Para ficar melhor, só tivesse feito um solão durante o dia todo, mesmo assim, tava tudo nota 300, hehehe.


Eles fizeram mudanças no designer e no tamanho do jornal. Ficou diferente, bacana a proposta. A capa tinha marca d'água e acho esse recurso massa.


Então, depois de muito lero lero, comes e bebes, lembrei que a pouco tempo fazia parte da equipe. A lembrança foi retrocedendo para o período em que cheguei aqui em Videira. Foi para trabalhar no Jornal A Coluna que vim para cá. Troquei a cidade grande pela cidade pequena, por um motivo pessoal, que já contei aqui, mas confesso que o desafio em trabalhar num impresso tb me atraiu.


Não tinha noção…

A Semana

Essa semana foi assim: dia e noite quase que ao mesmo tempo. Passou rápido e foi intensa. Gostei, embora não estivesse mais tão acostumada com o ritmo. Aliás, esse ritmo ainda não me havia sido apresentado até então. E a tendência é ficar ainda mais corrido, já que tem a revista para sair e o tempo tá findando.

Então, jornal, revista, mais propostas de assessorias. Não tenho perfil multifacetário, mas nos últimos dias, principalmente nesta sexta 21, bati meu record. Nunca escrevi, revisei e editei tanto na minha vida como esta semana. Mirava a cama e dizia, só mais um pouquinho... Já vou querida. O Sha, baldeado, estava na sua posição mais estranha: com as quatros patas para cima, com o corpo em formato de S, sobre o tapete. Apagado.

Também fiz o que mais gosto (outra coisa que também gosto muito, hehehe) por esses dias, além de escrever. Entrevistar. Adoro ir apurar informações. Depois falar com a fonte. Ter uma conversa informal, despretensiosa, sem rabiscos. Gosto também de encontrar…

Colo

Hoje, no início da noite me bateu uma saudade... Queria então estar em casa e ter aquela conversinha de filha com mãe. Ouvir os conselhos, sentir o carinho da Dona Odete.
Ou então ficar me deliciando com a sabedoria malandra do velho Araújo. Resumindo em poucas palavras, sob aquele sorriso meigo, as verdades da vida.
Por pouco não saio correndo, arrumo a mochila, e entro no ônibus. Mas pedi aos céus para não desmorecer. Para que me dessem mais um dia para enfrentar a saudade de frente.
Acendi mais um cigarro, beberiquei o licor, enxuguei as lágrimas e fui cuidar da vida. Da minha vida, claro. Mesmo que desnecessário, já que tem tantos fazendo isso por mim...

Tanta Saudade

Ana Carolina & Seu Jorge - Chico Buarque e Djavan

Era tanta saudade
É, pra matar
Eu fiquei até doente
Eu fiquei até doente, menina
Se eu não mato a saudade
É, deixa estar
Saudade mata a gente
Saudade mata a gente, menina
Quis saber o que é o desejo
De onde ele vem
Fui até o centro da terra
E é mais além
Procurei uma saída
O amor não tem
Estava ficando louco
Louco, louco de querer bem
Yeah, tum tum tum, tumtumtumtum, yeah...
Mas restou a saudade
É, pra ficar
Ai, eu encarei de frente
Ai, eu encarei de frente, menina
Se eu ficar na saudade
E deixar
Saudade engole a gente
Saudade engole a gente, menina
Quis saber o que é o desejo
De onde ele vem
Fui até o centro da terra
E é mais além
Procurei uma saída
O amor não tem
Estava ficando louco
Louco, louco de querer bem
Quis chegar até o limite
De uma paixão
Baldear o oceano
Com a minha mão
Encontrar o sal da vida
E a solidão
Esgotar o apetite
Todo o apetite do coração
Tum tum tum, tumtumtumtum, yeah...
Ai, amor, miragem minha, minha linha do horizonte, é
monte atrás de monte, é
mo…

Sex And The City

Essa série mostra dúvidas tão reais que às vezes me assombro com a semelhança. Hoje não peguei o início do programa a ponto de saber o título, mas o tema foi interessante. Medo. Em que momento das nossas vidas perdemos a coragem de nos arriscar, ao ponto de deixarmos de termos uma alternativa para a felicidade ou a diversão? Eu, embora os recentes 33 anos, sou uma criança grande. Uma guria-mulher como costumo dizer. Mesmo assim, em alguns momentos perco a coragem e jogo fora algumas boas chances de manter minha felicidade e a diversão em alta. Por nada! Por que o medo é nada, além de receios e dúvidas. Mesmo assim vivo contradições psicológicas diariamente, entre meu lado audacioso de guria e meus receios de mulher. Mas o problema está na confusão de conceitos. E hoje, vendo tevê eu percebi isso. Não preciso ser irresponsável quando ou enquanto arrisco, embora a linha divisória seja muito frágil. Não preciso deixar de tentar por receio do desconhecido ou por incertezas e até certezas.…

Drão

(Gilberto Gil)



Drão o amor da gente é como um grão
Uma semente de ilusão
Tem que morrer pra germinar plantar nalgum lugar
Ressuscitar no chão nossa semeadura
Quem poderá fazer aquele amor morrer!
Nossa caminhadura
Dura caminhada pela estrada escura



Drão não pense na separação
Não despedace o coração
O verdadeiro amor é vão, estende-se, infinito
Imenso monolito, nossa arquitetura
Quem poderá fazer aquele amor morrer!
Nossa caminha dura
Cama de tatame pela vida afora

Drão os meninos são todos sãos
Os pecados são todos meus
Deus sabe a minha confissão, não há o que perdoar
Por isso mesmo é que há de haver mais compaixão
Quem poderá fazer aquele amor morrer
Se o amor é como um grão!
Morre nasce, trigo, vive morre, pão
Drão

curtíssimas...

@ parei de contar os cigarros na quarta-feira e já comprei três maços até então.

# ando confusa. n sei o que digo. n sei o que faço. "oh céus, oh vida..."

% mesmo assim, ando bem e feliz. portanto, morra de inveja cascacú sem coragem.

$ n. ainda n enriquei, mas eu chego lá.

$$ engraçado... eu devo pq que tem de gente que me deve dinheiro nessa cidade... ô povo fazido...

* quem canta os males espantam. foi o que fiz. soltei a voz nesse final de semana. bom dimais!

§ eu tenho a corrente do bem, que me cerca de bons fluídos nesta cidade. obrigado gurias!

§§ sem nomes. a corrente do mal tb lê o meu blog, hehehe. pior. tem integrante que até envia espiã para me sondar. ah cascacú, volta pro buntantã vai. tuas amigas te esperam. hehe

& e sim. tudo vai bem com bardhal, hehe.

+ beijo no coração de todos (ou na bunda e até segunda).

mãe, eu sabia! a culpa é do CD38

Ele é decisivo na perda de peso
Pesquisas com ratos apontam que ausência do gene CD38 pode ser responsável por manter silhueta enxuta, mesmo com a ingestão de alimentos calóricos

CD38. O gene que há quatro anos tem as suas atividades exploradas por pesquisadores da Clínica Mayo e da Escola de Medicina de Harvard, nos EUA, pode ser responsável por manter uma silhueta enxuta, apesar da ingestão de alimentos com altas taxas de gordura.
O gene mostrou exercer função reguladora no peso corporal e na obesidade de camundongos analisados em laboratório. Segundo os autores do estudo, na ausência do CD38 os animais que consumiram calorias em excesso não ganharam peso. Com o gene presente, os camundongos submetidos à mesma dieta se tornaram obesos.
“A deficiência do gene CD38 promoveu uma barreira contra o aumento de peso em camundongos submetidos à dieta rica em gorduras”, disse o anestesiologista brasileiro Eduardo Chini, co-autor do estudo. A atuação nos seres humanos ainda precisa ser comprovada…

Galvão Bueno faz a 'Dança do Siri' para o programa 'Pânico na TV'

Depois de quase um mês de perseguição, os integrantes do Pânico, Vesgo e Silvio, conseguiram que o narrador atendesse o pedido de fazer a Dança do Siri. O encontro foi em em Monza, onde Galvão estava trabalhando na corrida de Fórmula 1. A coreografia feita por Galvão, no entanto, não foi completa, ele dançou só com as mãos. A cena deve ir ao ar neste domingo na Rede TV!.
Os humoristas do Pânico, Vesgo e Silvio, passaram a perseguir o narrador global assim que terminaram os Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro. Tudo porque a equipe masculina brasileira, campeã de basquetee, fez a Dança do Siri para comemorar a medalha de ouro. Vendo a cena dos jogadores dançando, Galvão Bueno deu o crédito: "'Olha a Dança do Siri, aí! É a dança do siri!". Desde então, o Pânico na TV lançou a campanha "Dança Galvão".

Curtas da manhã de quinta-feira

caminhada. a cada dia acordo mais cedo. então, nada melhor do que sair mais cedo para caminhar. hoje fui às 7h15. e pasmem: ninguém me incomodou, hehehe. nos fones de ouvido - O Rappa. Voltei uma hora e meia depois, cheia de disposição. Mas, mesmo com todo o movimento urbano, metade da cidade ainda dorme...

cigarros. ontem fumei quatro cigarros. dois sob falsa vontade, pela manhã, e dois à noite, sem vontade nenhuma, mas sob a força do hábito. hoje, um pela manhã, às 9h30. Agora só resta um na carteira...

expectativas. o otimismo rege a minha vida nessa semana. creio que tudo vai bem e irá se desenvolver melhor ainda. basta eu querer e eu quero. pode crê.

shazan. cada vez que olho para o rosto redondo e peludo do meu baby, penso: que bicho lindo, meigo, encapetado, amoroso, pidão, conversador, comilão, cagão, mijão e maniático. se fosse gente, não seria tão parecido comigo, hehehe.

Intro 05 (O Rappa). "eu tenho os pés no chão, porque sou de virgem. mas a cabeça, gosto que avôe. heheh…

"um raro prazer"

Sábado 8 Eu tinha 27 cigarros. A sobra do feriado e mais uma carteira para garantir o findi Domingo 9 Eu fumei alguns, mas menos que 20 e mais que dez Segunda 10 Fumei cerca de seis cigarros e o primeiro foi somene depois das 14h30. Embora a vontade e o hábito da nicotina do café da manhã, hehehe Hoje - 11 Até agora, três cigarros fumados sem vontade. Que merda de hábito... Importante Não compro cigarros desde sábado à tarde. Creio que já seja uma vitória. Antes, quando ficava com 12 cigarros na carteira, no meio da tarde, já ficava agoniada: "vai faltar"...

seu Caramujo

sim. mais um virginiano em festa. meu pai! êta vontade de estar ao teu lado velhinho... 72 anos.
o seu Caramujo, como era chamado pela gurizada da rua, era muito chato. o pai implicava com todos na rua. queria tudo certinho, com respeito, no silêncio. impossível, hehehe. era um bando de adolescentes ruindosos, briguentos, arteiros, namoradores, barulhentos.
eu era alguns anos mais nova, não pertencia ao grupo, mas, mesmo se fosse ao contrário nem poderia, afinal, era filha do seu Caramujo, hehehe. mas meus irmãos e eu aproveitamos o possível. fazíamos festas nas ruas adjascentes a nossa, assim ficávamos longe dos olhos do velho.
mas o tempo passa, a vida muda, coisas acontecem com todo mundo. a gurizada cresceu e muitos, hoje, são profissionais liberais, como advogados e jornalista (hehehe), empresários, donas de casa, ex-presidiários, investigadores, seguranças, cabo-eleitorais (hehe, tem até isso), amantes. e o mais interessante, todos abaixam a cabeça para o seu Caramujo agora. há a…

Ally McBeal

Ally McBeal é um seriado americano de tv, produzido pelo canal FOX, produzido por David E. Kelley, no qual conta as aventuras de uma advogada (Ally Mc Beall) e seu desejo de encontrar um parceiro ideal para se casar e de se dar bem na vida, emocionalmente e profissionalmente (sim, quem não quer?).
Toda a trama se desenrola num escritorio de advogacia, em Chicago, onde Ally e o resto de seus colegas excêntricos trabalham e vivem situações bastante irreais. Um destaque do seriado é sua trilha sonora composta de músicas principalmente de Vonda Shepard, com participações de vários grandes nomes, como Barry White (em várias participações), Sting, Elton John, Al Green, Mariah Carey, Whitney Houston, Anastacia, Bon Jovi (atuando em muitos episódios), Tina Turner, Barry Manilow, entre outros.
____
Esse é o motivo pelo qual gosto tanto deste seriado... Na época, eu não saia de casa em dia de exibição. Me lembro que era nas terça-feiras, às 20 ou 21h. Ninguém via mais nada na tevê lá de casa. Era …

velhos hábitos

às vezes a gente mantém hábitos ruins, como fumar, e descarta outros bons, como ler na praça central da cidade. quando eu cheguei aqui, há quase 20 meses, um dos hábitos semanais era ler e tomar chimas na Praça Nereu Ramos. não sabia que o comércio tinha o Dia D, então fazia das minhas tardes de verão no sábado, momentos de leitura ao ar livre. hábito que trouxe de Porto Alegre, onde sentava no Parque da Redenção, bem no meio de um dos gramados, encostada no tronco de uma árvore, sobre uma manta, e munida do livro do momento. lá se ia a tarde inteira. fiquei feliz em ter uma praça perto de casa. então descia com os "equipamentos", escolhia uma banco a sombra, olhava em volta, curtindo as pessoas (era muito engraçado a cara de curiosidade de todos comigo) e começava a ler. o barulho dos carros, as conversas, o movimento leve da cidade me ajudava a me concetrar na leitura, que era quebrado com alguma pessoa mais corajosa em puxar assunto ou com uma cantada bem desatualizada. mas…

De cara nova

Pronto! Há muito queria mudar o layout do meu diário eletrônico. Depois de poucas opções e na esperança de não perder as características, achei este. Que me parece mais carvão do que cor de rosa, mas me deixou contente.
Espero que gostem. Ainda volta colocar alguns elementos, mas aos poucos vou atualizando ele. Talvez adicione novos e esqueça outros. Vamos ver.
Porém, como sempre: entre e fique a vontade.

Livro põe mulheres negras na História

Por Rafael Sampaio - Pnud

Até há pouco tempo, elas eram quase sempre invisíveis para a maioria dapopulação e pouco conhecidas pela História do Brasil. Vítimas de duplopreconceito, tanto de gênero quanto racial, as mulheres negras tornaram-setema de um livro com 496 páginas e mais de 950 imagens, que esquadrinha ahistória dessas pessoas, desde a Colônia até a época atual. Intitulada Mulheres Negras do Brasil, a obra foi escrita por SchumaSchumaher, coordenadora da Rede de Desenvolvimento Humano, e pelohistoriador Érico Vital Brasil. Parteiras, mães-de-santo, professoras, atrizes, cantoras, engenheiras,diplomatas e até misses são personagens do livro. Algumas vezes, a procurade dados era difícil, e foi necessário usar métodos "pouco ortodoxos",revela Vital Brasil. Por exemplo: para encontrar a família da primeiraengenheira negra do país, a paranaense Enedina Marques, os autoresrecorreram à lista telefônica. "Nem a associação de engenheiros do Paranátem registros da sua exi…

Meus pais

Minha mãe acorda cedo, mesmo não precisando, mesmo merecendo descanso. Ela dorme tarde também. Gosta de assistir tevê na sala e sempre tira aquela "madorna" durante a programação.
No aniversário dos seus filhos e irmãs, ela faz questão de ser a primeira a felicitar. E sempre é. Afinal, mesmo sendo aniversário, ninguém, mas ninguém em sã consciência vai ligar para a sua casa antes das 8h da manhã para dar feliz aniversário, além de seus próprios pais. Eu já sabia que isso aconteceria comigo. Ao deitar ontem, depoias da Quinta Laranja, pensei: terei três horas de sono. No máximo quatro, até a mãe ligar. Então corri para a cama logo com meu tapa zóio e cai no sono.
Dito e feito. Menos de quatro horas depois o celular toca. Era ela, me felicitando, desejando o que todas as mães (ou pelo menos as amorosas) querem para seus filhos: felicidades, mas pense no sentido amplo que a palavra compreende...
Então, nasceu o primeiro sorriso dessa nova idade. Do primeiro dia dos meus 33 anos. E…

Independência ou Morte

Ainda bem que Dom Pedro 1 proclamou a independência do Brasil. Se não, eu mesma faria. Hehehe. Mas como é da vida, morte para os maus agoros, ao recalque das pessoas, suas invejas, ao calote, a insensibilidade, a guerra, a fome, a miséria, ao rancor, mágoas, tristezas... Ih, uma infinidade de coisas. Precisaria de mais 33 anos para listar tudo.
Bom. Ontem a Silvitcha me brindou com happy hour (tardio) e fomos ao Gula's Bar (meu clube, hehehe). Pizza, ceva e paqueras. Nada melhor do que isso, se não fosse o sono que tenho por estar acordando cedo. Mesmo assim, valeu! Menos pelo Kiki. O músico que antecedeu o karaokê. Que horror. Ninguém merecia ouvir tanta música mal executada como ontem. Sai fora Kiki. Vai cantar em outro freguesia. Rudi??? Chama o Rafael Maurício. O cara é bem melhor. Não que as pessoas cantem melhor no karaokê, mas pelo menos não se dizem profissionais, hehehe.
Hoje, claro, depois de um dia calorento em Fraiburgo, cheguei em casa e me deparo com a ausência oficial…
Dona Fifi veio visitar o povo da rua. Tá um calor infernal desde as 8h da manhã. Quanto mais rezo, mais assombração me aparece. E tô definindo tudo já, ou pelo menos quase tudo, hehehe. E sim, eu sou uma mulher feliz. Vou reclamar do que então?

Fado

Estou baixando Infinito Particular da internet. Da Marisa Monte. Lindo CD. Como todos os álbuns dela. Tudo bem que sou fã e qualquer merda que ela faça eu ouvirei, aplaudirei e assistirei. Se é que é possível ela fazer merda musical. Bom, entre tantas músicas com seu nome, tinha um fado. Lindo por sinal. Me emocionei e pus a baixar, imaginando a Marisa cantando fado. Mas, devido ao idioma não pude identificar se o fado é executado pela nossa Marisa, já que a "deles" é com Z. Tudo bem, me ponho a escutar esta belezura todas as manhãs, quando saio a caminhar pela cidade. Isso me fez lembrar da cobertura do Casarão das Noivas. Lá, eu acordava cedo, e antes da minha vizinha, coloca o som a tocar música portuguesa - Madredeus -, em volume audível em todo o andar (que durante um bom tempo morou só eu, depois que o guri da agropecuária se mudou). Como se fosse um Lounge, me colocava a ouvir o CD enquanto me arrumava para ir trabalhar. Quando não era ele, então, gostava de ouvir tang…

Ser ou não ser?

Meu drama não é um drama. E de longe posso comparar minha vida a uma tragédia shakespeareana. Ainda bem! Mas esta fala de Hamlet é a representação exata de minhas dúvidas. Que também não são existenciais, mas profissionais.
Ser ou não ser, eis a questão! Tenho tempo, mas não quero disperdiça-lo. Tenho desejos, mas não estão claros. Tenho sonhos, mas estão difíceis realizá-los. Enfim, tenho uma vida inteira, mas não quero perdê-la. E um passo em falso e tudo já era. Pro buraco novamente, o ostracismo do vil metal. Sendo regida pela lei da sobrevivência.
Ah, William... O teatro pouco saberia o que é drama sem a tua existência. E a vida pouco divertida seria se não houvessem obstáculos, incertezas, contradições. Mas só isso já estaria de bom tamanho. Maldade e provalecimento poderiam ficar de fora da realidade.
______
A caminhada matutina rendeu pouco hoje. Aliás, só me trouxe incertezas. Já vi que sair depois das 8h é tempo perdido. Literalmente. O exercício físico não desenvolve, porque te…

A cidade

Hoje pela manhã sai cedo. Tá, melhor dizendo: acordei cedo. Corrigindo de novo: sai da cama cedo. Às 7h. Sei que tem pessoas que acordam e saem de suas camas bem mais cedo do que eu, mas esta não é a minha rotina. Então, abri os olhinhos e dei a primeira virada. No rádio tocava a sessão sertaneja de sempre. Virei para o outro lado e cochilei. Na terceira virada senti um peso saindo sobre as minhas pernas e pisando levemente sobre o meu quadril, até que o pequeno ser se aninhou na minha lateral, se apoiou no meu braço e começou a ronronar.Foi nesse momento que decidi levantar. Escovei os dentes, lavei o rosto, fiz xixi, troquei o pijama por uma blusa, o abrigo e o meu all star rosa e fui para a cozinha. Preparei o chimarrão, peguei o primeiro cigarro do dia e fui para a sacada. Depois de algumas cuias e de, corajosamente, espantar um inseto feio da porta da sacada, fui por roupas para lavar e arrumar a cama. Em seguida peguei meu MP3 e desci para caminhar, a fim de ordenar os pensamento…

Muito meigo...

A loucura...
A loucura resolveu convidar os amigos para tomarem um café em sua casa. Todos os convidados foram. Após tomarem o café, a loucura propôs:

-Vamos brincar de esconde-econde?
- O que é isso? Perguntou a curiosidade.
- Esconde-esconde é uma brincadeira que eu conto até cem e vou procurar, o primeiro a ser encontrado será o próximo a contar.
Todos aceitaram, menos o medo e a preguiça.
-1,2,3... A loucura começou a contar.
A pressa escondeu-se primeiro, em qualquer lugar.A timidez, tímida como sempre, escondeu-se na capa da árvore.A alegria correu para o meio do jardim, já a tristeza começou a chorar pois não achava um local apropriado para se esconder.
A inveja acompanhou o triunfo e escondeu-se perto dele, debaixo de uma pedra.A loucura continuava a contar e os seus amigos iam-se escondendo.O desespero ficou desesperado ao ver a loucura que já estava no noventa e nove, cem... Gritou a loucura:
-Vou começar a procurar!
O primeiro a aparecer foi a curiosidade já que não aguentava mais qu…

Meu pãrci

Deus é brasileiro é um filme nacional de Cacá Diegues, produzido em 2003. E é uma comédia boa demais!!! Eu vi no cinema, depois em DVD e já vi até na tevê. E nas três oportunidades eu me matei de tanto rir. Como Deus, estava o charmoséeeerrrriiiimooo Antônio Fagundes. O cara é um puta ator na minha opinião, além de ser bonito pacas. Bom, ele faz Deus que decidi tirar férias e vem ao Brasil procurar seu substituto, mas tem dificuldades para encontrar o cara. Já no início do caminho, ele encontra Taoca (Wagner Moura), que tá muito engraçado no filme. O cara é o maior trambiqueiro do Nordeste, mas serve de cicerone do Homi que tá procurando seu sucessor. Taoca, com seu sotaque nordestino, explica para Deus porque usa brincos na face. "O que é isso aí na sua sombrancelha?"- Isso? É meu pãrci."É o quê?"- Meu pãrci. Nunca ouviu falar não?Pois então. Neste aniversário, como faço todos os anos, vou me dar um presente. Desta vez baratinho, até porque estou pobre de marré ma…

Curtas do sábado

# Dizer não, quando se ama, é tão ou mais difícil do que tomar qualquer outra decisão em relação as coisas do coração. Mas, chega uma hora que se o outro não pensa, nós mesmos temos que pensar em nós. Dizem que dói só no início, que depois a gente esquece... Tomará.

@ Qualquer prazer me diverte. Até cozinhar para amigos. Eu preferiria muito mais sair e sentar a bunda num boteco, comer coisas gordurentas e tomar bebidas alcóolicas. Mas em casa tb é bom e tava sentindo falta disso mesmo. Então, espero que comam tudo.

$ Hoje é o primeiro dia do mês de aniversário Elaine. Ontem, por duas vezes, me confirmaram uma suspeita que tenho há tempos. E fiquei triste em saber o que já poderia esperar. Mas tudo bem. Sempre tenho pessoas que amo no meu aniversário e que amam tb. N tem prova maior, n há prestígio melhor.

% Na festinha dos Comunicadores, ontem, em homenagem ao Moacir, que tava de aniversário em agosto, fui laranja e voltei bagaço. Gostei! Aliás, sempre gosto. E o melhor de tudo, vou sent…