Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2008
amo vocês!
FELIZ NATAL!
Queridos, do fundo do meu coração:
Uma noite de Paz, União na família, Amor verdadeiro e, claro, muito Riso Solto!!!
AMO VOCÊ!

P.S.: sim visitas aos blogs amigos e postagens sem fotos por causa da internet linha discada. volto na próxima semana. ho ho ho.

Seios fartos e são meus!

Sempre gostei de decotes. Mas usava muito pouco. Na verdade, decotes para mim era só para momentos especiais, quando queria impressionar alguém, causar inveja ou simplesmente me exibir ou refrescar-me do calor. Em Videira não, o decote é algo comum. As gringas adoram mostrar o colo e o fazem freqüentemente, sem constrangimento. Porém, elas adoram constranger as outras mulheres.
Neste sábado (20) eu fui ao centro fazer as poucas compras que teria que executar antes do Natal na cidade e do embarque. Coloquei um vestido bem fresco, de algodão que tenho. Ele tem um decote bem avantajado e não tenho vergonha de usá-lo, sempre me senti a vontade, porque as pessoas que convivem comigo não se envergonham de mim, creio eu. Depois, tava um dia quente dos diabos e ele era a pedida certa para me refestelar pelas ruas principais da província.
Porém, a cada passo que dava tinha um par de olhos femininos a me observar e cochichar com a mulher ao lado. O mal estar delas era tanto que imediatamente a co…

Curtas de Dezembro

Charme
Nem preciso de baile funk, eu sou puro charme naturalmente... Sim, sim, meu “Walter ego” está de volta, mas não fui que o despertou. Mesmo a bela adormecida tendo sido “beijada”, literalmente, por príncipes pop’s, abri os olhinhos de volta para a vida. Não importa a estirpe, como diz a minha mãe, o biótipo ou classe social, alguém, além de seus pais e a si mesmo, sempre sabe o valor de nossa pessoa. Ai ai, que felicidade!

(E Silvitcha Peggy Sue, eu sei do teu passado e ele te condena. Nem se atreva a fazer comments me tirando... Ah, e Rou, tu também sua pop enrustida e emergente – hahahaha. Eu adoro Montevidéu!!!)

Carta adotada
E não é que quase esqueci da boneca grande e da caixa de bombons da Diana? Por pouco não venho a Porto Alegre e deixo a criança sem o mimo. E sim, comprei com prazer a bonecona. Por mim daria uma mais vistosa e incrementada, mas minhas posses não permitiram. Eu, que adoro chocolate, tive que economizar nos bombons da guria. Presenteei-a com uma caixa de bis…

Inglês para a vida

Já percebo o inglês incluso no meu vocabulário. Talvez esteja até deixando de odiá-lo. Isso é bom, pois dessa forma o aprendizado fica mais fácil. Se tiver prazer em estudar está língua, terei prazer em praticá-la, estudá-la. Bom, pelo menos já estou planejando uma viagem de estudos para 2010. New York or New Orleans... Quem saberá? Talvez o Canadá... Não sei ainda.
O que sei é que a cara de pau aqui, aluna fantasma do Fisk Videira, estudante displicente e relapsa e ex-inadimplente, fez a prova no último sábado 13, após ser surpreendida com uma ligação na semana que se antecedeu, para que me preparasse para as provas finais. Adivinhem? Mesmo me cagando em ser reprovada por ter faltado cinco aulas, sem ter recuperado nenhuma delas; estudei rapidamente pela manhã e encarei a provitcha no período da tarde, junto com os guris cabeção da informática e que são meus colegas. Claro que eles, alunos aplicados, não tiveram problemas nenhum no “listen, whrite and speak” (acho que é isso... calma …

Final de ano é uma delícia

Final de ano é sempre uma delícia. Quem não se viu ao longo dos 12 meses acaba tendo a big chance de momentos agradabilíssimos com os amigos e familiares em dezembro. Tem encontrinhos aqui, outros ali... Jantar na casa de um amigo ou amiga, baladinha no meio da semana para descontrair... São tantos os eventos sócias que a gente até confunde a agenda e a grana encurta.
Ontem à noite teve I AM. Hoje tem jantinha aqui em casa com meu amigo Iaran, ao qual eu amo de paixão. E amanhã, se tudo der certo eu vou para casa. Por mais que adore confraternizar com os amigos e colegas, não há nada que supere o convívio familiar. Depois, ainda tenho os amigos do peito e da antiga de Porto Alegre para confraternizar.
A única coisa que pode retardar a minha partida é a falta de passagens ou então a minha desorganização. Ou seja: quase nada!
* * *
Estou pensando em dar uma festa de Réveillon. Na verdade já deveria estar organizando, mas como sou muito relax, ainda nem fiz a lista de convidados ou encomende…

Querido Noel

Me chamo Elaine, tenho 34 anos, e já sei que tu nunca existiu, mas durante o tempo em que acreditei em você, fui bem feliz ao lado da minha família, que agradeço até hoje por ser meu porto, meu ancoradouro.
Agora que cresci - em tamanho, pois em mentalidade ainda tenho sérias dúvidas - eu creio em outro bom velhinho. Alguns chamam de Deus, outros de Allah, Oxalá e assim por diante, em cada cultura religiosa. Eu acredito em todos, na divindade, ou apenos creio na existência desse ser superior. E é a esse ser que envio a minha cartinha virtual e mental.
Eu quero tantas coisas que tenho vergonha de escrever tudo aqui. Algumas coisas fúteis, outras nem tanto, pelo contrário. Algumas coisas necessárias, outras nem tanto, mas não consideraria menos importante. Mas em geral eu lhe peço que envie ondas positivas de energia para mim, minha família e amigos - sempre. E que junto com ela, esteja também saúde, para que possamos ter condições de trabalhar e ter nosso ganha pão ou briochet (no meu ca…

Carta adotada

No ano passado eu decidi adotar a minha primeira carta do projeto Papai Noel dos Correios. Escolhi, entre as dezenas de pedidos de crianças carentes de Videira - outras nem tão necessitadas assim -, uma que pedia uma boneca preta ou uma caixa de bombons. Minha amiga silvitcha disse que fui pré-conceituosa ao escolher este pedido. Mas não deixar de ter empatia pela guria que queria uma boneca negra, sendo eu "uma boneca negra". Feliz percorri o centro de Videira, na semana que antecedia o Natal, atrás do presente da criança desconhecida.
Este ano já estava me esquecendo de adotar a tal carta, até que encontrei um professora carregada com sacolas de brinquedos para atender aos pedidos de crianças carentes que esperam que o "Papai Noel" atendam seus pedidos. Então me lembrei que também tinha que passar lá e pegar o envelope com o pedido. Lá estava uma outra criança que havia pedido uma boneca preta, mas alguém já a havia escolhido. Então, entre bicicletas, computadore…

Internet FDP

Gente, não aguento mais essa internet via rádio. Isso é primata demais para mim. Tenho direito a 100kb, mas os 21kb da linha discada lá de casa, quando vou a Porto Alegre, me permite mais acessos do que os 79kb a mais que tenho com a antena. Sonho com o dia em que voltarei a ser gente grande e vai ser em 2009, porque ninguém merece fica esperando dez minutos para abrir uma janela e ao final do processo, dar erro!
Isso me deixa puta da cara e tem me tirado a vontade de visitar os blogs dos amigos, de postar comentários, de conhecer novos espaços. Tem evitado com que envie e-mail para as pessoas, sem ser aqueles rápidos e de trabalho (e de preferência sem fotos, porque se não trava tudo aqui). Meu saldo bancário leva milênios para chegar até o Lacraia com essa internet, mas, se bem que nem precisaria acessar o negócio, porque minha conta está sempre negativa mesmo. E o meu novo blog, o secreto, foi criado há 20 dias e nem consigo mexer nele porque tudo é muito, mas muito devagar...
Já n…

Perdas

No episódio 16 da terceira temporada de Ally MacBeal, o amor da sua vida morre... Eu levei em torno de oito a nos para poder assistir a este episódio, já que esse seriado é de 1997. Está entrando para a puberdade já e eu continuo assistindo. E me emocionando. E me identificando com as fantasias mais doidas desse grupo de advogados estranhos.
Bom, o que sei é que na sexta-feira passada eu sentei em frente a tevê, às 13 horas, e comecei a assistir ao episódio. Tinha perdido uns dois capítulos consecutivos e não sabia que o câncer do Billy já havia sido diagnosticado. Então, quando ele começou a se declarar para a Ally, bem no meio do tribunal, falar de uma vida de amor e família que nunca tiveram, mas sempre quiseram, eu vi que era o fim da relação deles.
Parece bobagem, mas chorei feito doida em frente naquele sofá, de soluçar... Como já fiz antes quando senti que havia perdido o amor, que talvez nunca tenha tido, mas que de antemão já sabia que se tratava de algo infrutífero. Chorei por…

Turn Your Lights Down Low

by Bob Marley
Turn your lights down low And pull your window curtains; Oh, let Jah moon come shining in –Into our life again, Sayin': ooh, it's been a long, long (long, long, long, long) time;I kept this message for you, girl, But it seems I was never on time; Still I wanna get through to you, girlie, On time - on time. I want to give you some love (good, good lovin'); I want to give you some good, good lovin' (good, good lovin'). Oh, I - oh, I - oh, I,Say, I want to give you some good, good lovin' (good, goodlovin'): Turn your lights down low; Never try to resist, oh no! , let my love come tumbling in –Into our life again, Sayin': ooh, I love ya! And I want you to know right now, I love ya! And I want you to know right now, 'Cause I - that I - I want to give you some love, oh-ooh! I want to give you some good, good lovin'; Oh, I - I want to give you some love; Sayin': I want to give you some good, good lovin': Turn your lights down low, wo-oh! Never - neve…

Ai Ai...

Não há como não ficar cansada após uma viagem de nove horas em ônibus convencional. Por isso a viagem de Videira – Porto Alegre – Videira, com a Unesul, não chega a ser um passeio completo. E olha que as condições do transporte melhoraram bastante para quem consegue um banco no primeiro ônibus. Já no reserva, relembrar é viver... Mesmo assim, não há conforto ao longo desses quase 500 quilômetros que me separam da terra natal.
Pelo sim e pelo não, cheguei bem e feliz. Eram 5h39 quando o celular tocou e meu irmão perguntou em que ponto estava. Desorientada, porque usava minha viseira de “Estrela Descansando”, localizei-me rapidamente e disse: “Estou em Canoas”, após identificar a praça do avião. Seis minutos depois desembarcava na Estação Rodoviária Veppo de Porto Alegre, escabelada – muito mais que o normal -, com os glúteos doloridos, mas bem feliz, mesmo sendo sábado de manhã.
Às 6h10 eu já tinha o bilhete de volta e às 6h30 estava a mesa, com minha mãe, tomando café e jogando conversa…

O sagitariano da minha vida...

Sim... Que sortuda que eu sou em ter dois sagitarianos na minha vida (kkk). Esse é o meu irmão, Jarbas, que fez parte do meu cotidiano até bem pouco tempo atrás, quando em 2006 aceitei vir para Videira. A figura aí de cima está fazendo hoje 43 anos. É um ano mais novo que a Mana e dez vezes mais metido e convencido do que eu. Por sermos os dois cabeçudos, o pau comia solto lá em casa. E óbvio que eu sempre apanhava. Mas como sou esperta, tinha meus truques. A delação funcionava de vez em quando, mas as unhas compridas, aos nove anos de idade, era a minha salvação, hahaha. Agora é tudo paz e amor. Parabéns ao melhor segundo melhor churrasqueiro dos Araújos.
P.S.: Continuo em Porto Alegre, afinal, como disse, sou boba, mas não filha de pai burro. Programei a postagem.
Feliz? Nem parece. Se um baile em Rio Tigre fez isso comigo, então imagina o final de semana em Porto Alegre... Imaginou? Então acrescenta muito mais felicidade nisso. (Mais uma mensagem programada)

tá vendo o sorriso? olha mais de perto então!

Não está enxergando? Pôxa, estou bem feliz... Porque se você está lendo esse post, é porque fui impulsiva o suficiente para fazer as malas e rumar para casa. Sim, para minha referência de fámília e de lar. Meu porto seguro. Meu Porto Alegre...
Não importa as nove horas de bunda doída num banco desconfortável e com pouco espaço. Eu vou acordar nessa cidade, que também chamam de Porto dos Casais. Aonde estão meus amigos do peito e minha família querida.

Agora entende o por quê do sorriso (oculto)... Nada melhor do que estar entre pessoas que te amam, incondicionalmente. Num lugar aonde se sabe o sabor de cada esquina. Onde as pessoas são coloridas, bonitas, feias, gordas e magras, estilosas ou simples. Não importa. É cosmopolita e sempre cabe mais um.
Beijo na bunda e até depois de segunda... :)

Que vontade de suingar

Havia um tempo em que não poderia por os pés em Porto Alegre, sem não ir pelo menos uma noite no Bongô, dar um suingada no sambarock tri bacana das várias bandas que tocam lá. Já saia de Videira com os quadris requebrando na memória, músicas de Barry whiti, Seu Jorge e até Jorge Bem Jor. Agora, vou curtir a pagodeira do Satélite Prontidão e me acabar rebolando, entre a negrada charmosa que tem em Porto Alegre. Ai que loucura!

Sete Porquês de hoje

porquê me identifico com a Ally MacBeal, já que os anseios dessa personagem são tão parecidos com os meus, assim como a esperança e o realismo fantástico que cerca nossa mente criativa.
porquê eu fico triste que apenas na ficção essas fantasias são aceitas e passíveis de compreensão de todos em volta, e, às vezes, de se realizarem...
porquê eu percebo que quando se descobre o amor, fica impossível não se amar incondicionalmente e ainda ficar o inabalável a reações adversas.
porquê ainda não acredito que, nós, as mulheres são capazes de amar e odiar com a mesma intensidade, perdoar e condenar, parir, educar, trabalhar, rir e chorar, lutar pelas suas vontades, buscar vantagens, se orgulhar e decepcionar e ainda, uma vez por mês, menstruar...
porquêos dois quilos a mais, ganhos no mês de novembro, não me permitem mais ficar confortável nem em calças de abrigos, quem diria em jeans, me fazendo pensar em dietas em pleno mês de dezembro.
porquê meu coração, emoções e pensamentos me traem a todo …

Crônica

Todos podem saber, não custa nada
Ruy Carlos Ostermann

Não é fácil imaginar o Natal e o Ano Novo, dois acontecimentos irremovíveis deste mês de dezembro, antes que eles tomem conta, passo a passo, de todas as nossas pequenas aspirações de vida e alegria, se possível. Não sou festeiro por formação, nunca fui e nem pude participar de festas ao meu redor. Ficava melancólico, ativo só por conseqüência, arredio e, algumas vezes, triste.
Meus filhos, minha mulher, alguns amigos que fiz na profissão, me reeducaram. Acho que foi uma tarefa fácil para eles e sempre um pouco complicada para mim. Afinal, quem deveria mudar era eu mesmo, eles convergiam para uma das formas de felicidade que mais cedo ou mais tarde, arrastando ou não a perna esquerda (sempre dei preferência por ela sem nenhuma razão política, diga-se), eu também acabaria me apaziguando.
Hoje me declaro um cara normal, participativo, envolvido com compras e visitas, capaz de chorar um pouco, se me lembro como já fui e deixei de ser, …

Papai Noel, não esqueça meu celular!

Já sei o que vou querer do bom velhinho este ano. No meu caso, o bom velhinho se chama José e é o meu pai, ha ha ha. Mas não ria, sei bem que meus pedidos nunca são atendidos. Mas em compensação sempre tem aquele envelope sob a árvore de Natal, com uma quantia bem salutar, que na verdade nunca chega até Videira, porque eu gasto tudo em "birinighit" com os amigos. Não é uma delícia?
Mas este ano até que pretendo ser sensata. Se o envelope chegar sob o árvore, vou correndo pagar umas continhas, que se estendem por tempo demais na minha vida. É que no próximo ano eu tenho que juntar dinheiro para a minha viagem, para o meu carro ou, na melhor das hipóteses, para procurar emprego em terras novas. Sim, nunca deixei de pensar em alçar vôos mais prósperos. O que apenas me falta é coragem de ser livre para voar, definitivamente...
Enfim, por enquanto eu me centro no único pedido material que farei ao papai Noel e ao José. Preciso de um lindo celular novo para acompanhar minha beleza ú…

A sagitariana da minha vida

Hoje a homenagem irá para a minha irmã, cariúcha, Elenara. Dez anos mais velha do que eu, a figura aí de cima completa hoje 44 anos. Do meu cotidiano, ela fez parte por cerca de 20 anos, até se bandear para a cidade maravilhosa. Mesmo assim, aporta ela no meu coração, mesmo com tantas brigas, discussões, risos, conselhos e ciúmes vividos entre nós.