Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2011

Notícias [musicadamente] domésticas

Os dias me parecem pouco produtivos, embora as descobertas locais. Não tenho feito nada para somar no meu perfil profissional [e até pessoal]. Porém, creio que esteja me tornando uma dona de casa organizada e razoável. E sim, isso é horrível para mim que não quero me tornar uma...

Essa semana fui duas vezes à lavanderia. Descobri preços módicos para lavagem de cobertores. Com intuito de caminhar, fiz duas viagens, e em dias diferentes, até o estabelecimento para levar três cobertas de casal. Obviamente a mãe ajudou também, mas para levar sua capa de lã. Aproveitei para orçar a lavagem de tapetes e a tintura de peças em jeans.

Avaliei qual, das três academias, oferecia o melhor preço e serviço. Fiquei tentada em freqüentar uma academia que me oferecesse Localizada, Dança do Ventre e Boxe Chinês, além de outros 479 tipos de ginásticas, por apenas 50 dinheiros mensais. E quando cheguei em casa percebi que não vou sentir-me bem sacudindo minha barriga de 11 meses de gestação ao som do “are …

É só uma fase...

É só uma fase. Vai passar, eu sei. Mas enquanto isso não acontece vou tentando administrar tudo que anda acontecendo comigo. É preciso manter o prumo do leme. Não deixar o barco a deriva, embora as tormentas me forcem a desistir...

Perdi meu pai há um ano e isso revirou a minha vida. Temia tanto isso... A minha vida inteira evitava me apaixonar, em me entregar ao amor, pois temia as possíveis conseqüências arrasadoras sobre mim. E aconteceu. Depois, com os anos, temia perder meus pais. E isso aconteceu. Parte desse medo se materializou.

Viver tudo isso foi ruim e foi bom. As rupturas, as marcas da vida são recentes [ainda] e a dor é implacavelmente forte. A gente protela, mas tem coisas que não dá para evitar que aconteça. É da vida da gente, é da vida dos outros, é da vida dos nossos. Mas, como digo, o sol sempre nasce no dia seguinte, mesmo que insista em se esconder por trás de algumas nuvens. Ele está lá.

No meio de tudo isso tem o "Não Gosto", que sempre se ressaltam nessa…

Não só os cariocas...

Minha cara!

Qualquer semelhança é mera coincidência. Acredite!



[Cristina Mutarelli]
Pink

personagem de Morde & Assopra

Supernatural

Eu tenho um novo vício. O primeiro era Sexy And The City e depois que vi toda a série e os filmes, fiquei curada. Depois veio o vírus do Heroes. E foi bom enquanto durou... a minha paciência. Aquela greve dos roteiristas acabou com a minha doença. Abandonei a série acho que na segunda temporada. Sei lá.

Agora eu tenho um novo amor. Um “croatan” me queimando por dentro... Supernatural. Uma delícia gente. Eu, que adoro uma história de suspense e, até, de terror, achei o máximo a série. E o melhor de tudo: os irmãos Winchester são uns gatos!!! E sim. Eu tenho um preferido.





Dean Winchester
[Jensen Ackles]


http://pt.wikipedia.org/wiki/Jensen_Ackles

Lágrimas ocultas

Se me ponho a cismar em outras eras
em que ri e cantei, em que era q'rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Florbela Espanca
(1894-1930)

Mais sobre Florbela Espanca em

http://pt.wikipedia.org/wiki/Florbela_Espanca

Diário Dietético: Eu tenho raiva!

Ao consultar o email hoje pela manhã vi que a nutricionista havia enviado meu Plano Alimentar. Sim, ela dá um nome bonitinho para “dieta”. Bobagem. Tenho mais receio, medo, de ouvir “plano alimentar” do que dieta. Aff...

E tinha razão de sentir isso. E vos comprovo agora. Abri a mensagem e vi que continha 374 anexos. Dicas disso, dicas daquilo, orientações aqui, conselhos ali, novidades, combinações, tabelas de troca e coisa e tal. É tanta coisa que cansei de ler e, com certeza, devo ter perdido umas boas calorias só no abri e fecha de arquivos.

Desci a barra de rolagem e achei o tal Plano Alimentar. Pulei tudo que havia entre nós e abri o negócio. E sim. Agora entendo por que é possível emagrecer de três a seis quilos ao mês, emagrecer sem a gastroplastia [Deus me livre e guarde]. E não é brincando... É PASSANDO FOME!

Por favor! Vejam aonde fui amarrar meu corpo roliço: meu PLANO ALIMENTAR diz que devo comer apenas 1400 kcal. Hello!!! Eu sou gorda, gulosa, ansiosa, esfomeada, perturbada…

Páscoa feliz!

Todo Domingo de Páscoa era a mesma coisa. Acordavam-me e nessa ocasião eu estava dispensada do processo de higiene: lavar o rosto, escovar os dentes e pentear os cabelos. Podia ir correndo procurar o ninho que o coelhinho da Páscoa escondia.

Sim. Eu acreditava em coelhinho da Páscoa até uns 10 anos de idade, ao que me lembro. E era tão bom... Saia correndo pela casa, com toda a família atrás de mim dizendo: “ta frio, ta muito frio. Ih, ta gelado!” Tinha anos que eu achava de loguinho. Em outros demorava tanto que recebia ajuda da irmã e da tia, já cansadas de ficarem falado, quente ou frio.

Tempo feliz esse nosso de criança... Eu, que hoje sou viciada em chocolate, quando encontrava meu ninho, sentia meus olhos brilhando de tanta gula e felicidade. Eu ganhava um coelho e um ovo de chocolate médio ou pequeno. Dependia da situação financeira dos pais.

Na mesma cesta vinha também um ovo de açúcar [que as tias do interior faziam e decoravam]; três ovinhos envoltos em papel alumínio colorido,…

Diário Dietético: Vou ser magra!

Hoje a tarde fui ao meu primeiro encontro com a nutricionista. [Ih, agora que me dei conta. Essa semana parece que será a semana dos primeiros encontros...] E foi bom. Muito bom!

Pela segunda vez nessa semana, alguém me disse que é possível atingir minhas metas, sem fazer cara feia ou desestimular. Ao todo, tenho percebido que muita gente tem me dito “sim”. Logo, este ano é o ano das possibilidades. E vejo isso como um fator positivo. Pois transformo as possibilidades em oportunidades. Isso é tudo que quero para esta nova fase que em encontro. Oportunidade.

Bom, continuando... Depois de uma longa entrevista, de ter me pesado [e medido também, a balança dela é moderna], falamos da dinâmica do nosso trabalho e das minhas metas. Serão encontros mensais de acompanhamento, onde vamos avaliar em conjunto como transcorreram os últimos 30 dias e os progressos e dificuldades que enfrentei com o plano [ou seja, a tal dieta que ela irá me passar]. Dicas, dúvidas, orientações e outros por quês pode…

Divã: A primeira vez a gente nunca esquece

Minha primeira vez no Divã foi como deveria ser. Um desabafo! Ele fazendo uma avaliação, um briefing, do que me incomodava – e a listinha estava grande e nem sabia – e eu tentando ser objetiva no relato e já querendo obter resultados. Tal o grau do desespero. Doce ilusão, que foi de cara desfeita pelo Robbit. Isso. Assim que vou chamar o meu terapeuta e nem vou explicar o por quê.

O que sei é que já sai livre, leve e solta do primeiro encontro. Claro, depois do que considerei os três passos iniciais da terapia: Choque [1], Surpresa [2] e Aceitação [3]. Lágrimas, pranto, choro? Não né! Isso deve ser ação freqüente de quem usa divãs. De certo...

Bom, o que sei é que deixei o elefante – antes sobre minhas costas - lá no local de trabalho do Robbit. Coitado, de certo, precisou de uma hora de tratamento de florais, cristais e todos os outros “ais” possíveis para se recuperar da carga pesada que devo ter deixado. Por sorte, o panda eu abandonei no caminho de volta. Fiquei só com o quati, agar…

Tempo de reflexão [e tristeza]

Domingo de Ramos. Início da Semana Santa. Há um ano, eu estava em outra cidade, numa rotina e num cotidiano muito particular. E nesse período, mas em data diferente, eu não vim para casa. Mas uma semana depois eu estava aqui e vivi uma triste surpresa. Não só para mim, mas para toda a minha família.

Hoje, na missa de um ano da morte do meu pai, ouvi do padre que esse é o momento de reflexão. Era sabido. Há anos aproveito a quaresma para uma auto-análise. Já no início da ladainha, uma representação sobre uma leitura da bíblia. Bonita. Marcante. Mas o que mais me tocou foi a interpretação do pároco.

Ele falou da Campanha da Fraternidade. Do combate a violência. De valores. De respeito. De amor. De amor próprio. E nessa fase de recomeço, de renascimento que me impus - de um dia que lembra uma forte tristeza, de uma imensa perda -, me bateu forte aquela fala.

Amo tanto tantas pessoas, considero-as, valorizo-as e respeito-as, que até esqueço-me de mim. E não posso me impor esse desprezo. Come…

O de sempre...

Eu perdia muito tempo no Orkut. Era gente demais postando fotos a toda hora. Também não tinha paciência e tempo para tanta interação. Hoje tenho um pouco mais de paciência, tempo a dar e vender e um perfil no Facebook. Qual o resultado: o mesmo de quando tinha Orkut. Saudades...

São tantas descobertas... Tantas pessoas perdidas reencontradas, com fotos dos anos passados. Então, agora já não acho mais perda de tempo. Chamo de ganhos. Vejo amigos queridos, colegas distantes, contatos profissionais, familiares sorrindo, cantando, trabalhando, tristes, atordoados...

Não importa. O resultado continua sendo o mesmo. Saudades... Mas, depois de algumas “páginas viradas” vêm as lembranças. Pronto! Está feita a choradeira, e, algumas vezes, reencontro. Daí parto para o contato físico e tenho então abraços. Beijos e abraços. Lágrimas com sorrisos. Risadas. Às vezes, momentos de tristeza. E mais abraços...

É. Não me canso disso. Sou feita assim: de emoções. De amor e emoções. Por isso tenho ciúmes. …

Dia Internacional do Beijo

Reconstituição
Tive de repente
saudade da bebida que eu estava bebendo...
tive saudade e tentei me lembrar que gosto faltava,
qual era a bebida...
Fui procurando entre copos e móveis
e dei com sua boca.

A saudade era dela
A bebida era o beijo.
[Elisa Lucinda]



Beijos no coração de vocês
Hoje [Dia do Beijo] e sempre!

Ah, o tempo...

Impressionante como o tempo passa e a gente marca toca [ou eu...]. Estamos em abril e daqui a alguns dias já é a Páscoa e logo estaremos no meio do ano. Ao mesmo tempo, as datas marcantes vão indo, se esvaindo entre outros momentos e quando nos damos conta tudo vira lembrança de fotografia, em cadernos – como se fossem treino de caligrafia.
Há um mês a gente vivia o carnaval e os japoneses vivenciavam a triste realidade dos terremotos [e até tsunami]. Cinco décadas atrás – o que é muito tempo, claro – o homem fazia a primeira viagem ao espaço. Eu também tenho datas marcantes. Uma a completar um ano nos próximos dias e bem triste. Outras, mais felizes. Ao final deste ano completo dez anos do fim dos meus estudos do ensino superior, mas é em 5 de janeiro, a data oficial, o dia da colação de grau.
Também faz quase cinco anos que terminei meu MBA em Comunicação Empresarial. Creio que já está na hora de continuar a investir na profissão, talvez um mestrado. Embora me considere uma pessoa no…

Um bom final de semana

O homem dos meus sonhos tem que ser assim: super!

Eu tive um final de semana muito bom. Fazia tempo que isso não acontecia e por isso precisava dizer a vocês. Não foi nada de especial, não. Mas diferente, pois me fez ver a importância sobre muita coisa. Sobre mim.
Descobri que sou importante. Não só para a minha família, que já comprovou isso há muito tempo. Nem pelos meus amigos, aqueles do peito, os verdadeiros, os que em amam. Mas por estranhos. Pessoas que me conhecem num instante e que conseguem ver o que tenho de melhor, sem que haja interesse de nenhuma parte em agradar um ao outro.
É pouco? Pode ser. Mas nesse momento, quando minha estima está mediana, isso tem um valor bom pá caraiô. Por que me faz lembrar que eu tenho valor, entre outras cositas boas demais.
Mas, enfim, resumindo meu final de semana em atividades:
- Fui num pagode bom demais. Só ouvi música boa e bem executada. Não pensei, não lembrei e nem fantasiei sobre nenhum FDP que tenha me feito sofrer nos últimos dia…

Diário Dietético: Uma vez mais...

Pesei-me hoje. Depois de semanas nem lembrando que balança existe fui encarar a realidade. Erc! Era o que imaginava: gorda que nem uma porca. Beeeemmm gorda. Não, não...
A situação começa a escapar do controle. E isso não pode acontecer. Não posso deixar o leme da minha vida de qualquer jeito, ao comando de um tsunami de emoções. Sei bem que desconto tudo nas panelas, nas confeitarias, nos cafés, nos bares, no armazém da esquina, na promoção de chocolates nas Americanas, principalmente.
Por isso tomei uma decisão: procurei um nutricionista e marquei hora. O bom disso é que o cara também é terapeuta. Assim posso chorar as pitangas ao mesmo tempo em que ele me orienta a comer melhor [e menos] e a fazer dieta. Afinal, estou passando por muitas mudanças profissionais, emocionais e sentimentais [espero].
O momento é de tomadas de decisões, de atitudes, de mudança de comportamento. E já se fazia hora. Há tempos me sinto gorda demais, disforme, com meus atrativos submersos em tecido adiposo.…

Sexta-feira

Drogas, estou fora!

Não sou careta, longe de mim isso. E não atiro a primeira pedra, nunca. Ao contrário. E nem posso. Gostava de fumar um baseado em longas rodas de debates ideológicos com os amigos, em jantares papo cabeça e coisa e tal. E até hoje acredito que maconha não faz mal a ninguém, desde que se use de forma moderada, quase terapêutica. E nem que ela seja a porta para o uso de outros entorpecentes.
Mas não vim aqui levantar essa bandeira. Não faço apologia as drogas. Porém, também não sou hipócrita. Já tive vinte e poucos anos e experimentei, curti e ponto. Foi uma fase. Sem arrependimentos. No entanto, parece que usar drogas, novamente, virou moda. Ou nunca saiu de moda, não sei. Não há um conhecido, um amigo, um parente, um colega nos últimos tempos que não tenha comentado algo do tipo: “Sabe do fulano [ou da beltrana]? Pois é, está nessa vibe agora”.
A pouco tive a notícia de que o filho do namorado de uma amiga foi para uma clínica para dependentes químicos. O cara tem dez anos menos que e…

Para não desistir de ser Jornalista

by Duda Rangel - Blog Desilusões Perdidas . Cinco Motivos:

1. Convença-se de que ser milionário não é tudo. Pouca gente acumula uma fortuna só trabalhando. O lance é não ser escravo do dinheiro e lembrar que vida de milionário também tem suas chatices. Já imaginou como é foda só poder ir à praia cercado de seguranças, como a filha da Xuxa? Viver a neurose de dirigir um carro blindado? Nada como a liberdade do pobre. Posso ser feliz com a pouca grana dos meus frilas. É possível ter dignidade mesmo bebendo Kaiser e com plano de saúde do sindicato.
2. Saiba que o fim da exigência do diploma não é o fim do mundo. Agora que você já malhou o boneco do Gilmar Mendes no sábado de Aleluia e extravasou toda a sua raiva, respire fundo e comece uma nova etapa em sua carreira. Invista em você, seja diferenciado no mercado e desbanque a concorrência descanudada. Não lamente o tempo que você passou na faculdade. Quem não a cursou jamais saberá o que é uma festinha numa república ou uma partida de tru…

Moda & Autoestima

Sabe quando tu percebes que uma pessoa se situou na vida? Foi essa impressão que tive ao ouvir a Cris Guerra falar, ontem no Barra Shopping Sul. O evento, que ganhou o nome de Arte & Moda, está mostrando sua coleção outono-inverno 2011 com obras de arte assinadas por artistas gaúchos. Eles registraram em telas de 3×4 metros a influência que a moda tem na produção da sua arte.
O evento vai até o dia 24 de abril, aqui em Porto Alegre. Além da exposição dos painéis, a administração do shopping e algumas marcas convidaram personalidades da moda nacional para debater sobre estilo, autoestima, mercado, arte e moda. Só que as palestras vão até amanhã, apenas, 6 de abril. E a blogueira Cris Guerra estava lá, dando seu pitaco com sotaque mineiro sobre moda e autoestima. Encaixei-me bonita nessa. Eu e mamãe!
Mas o melhor de tudo foi ter encontrado a Dani Pacheco, minha colega do Detran. Ela é o maior barato! Divertida, decidida e um doce de pessoa. Não me esqueço que quando precisei de doad…

Semana Santa. Já?

Gordo quer comer sempre. Não tem jeito. Mal começou o mês e aqui em casa todo mundo só fala de uma coisa: Semana Santa! E não é por que somos religiosos, não. É por que estamos organizando o cardápio mesmo.

Cada um pretende apresentar um prato. Opa! A mãe tirou o corpo dela fora e disse que fará uma salada especial, apenas, e o tal pirão a base de cabeça de bagre [erc!]. O bom nessa salada, que já sei como é, são os palmitos e as azeitonas regadas ao azeite extra virgem. A-do-ro!

Os amigos chegados da Terra do Nunca sabem que o período de Páscoa é marcado por uma sobremesa que adoro: Bolovo. Depois de duas tentativas, acertei a receita. E agora, com a experiência adquirida, vou repetir para o almoço do Domingo do renascimento.

A novidade dessa vez fica por conta do almoço de Sexta-feira Santa. Lasanha do Mar! Eu, que pouco como peixe, faço exceção em dois momentos: Semana Santa e quando vou à Bahia, oras! E se é para comer bem, então vamos caprichar no cardápio, mesmo que haja frutos do…

Chegadas e Partidas

Chorei sem parar no Segundo episódio do programa Chegadas e Partidas. E teria chorado no primeiro, também, se tivesse visto no dia 23, último. O programa é lindo, emocionante, sensível e revela sonhos, expectativas, laços de famílias, de amizade, de amor. Tem como não chorar? Não. Não tem...

Na reprise, que vi assisti a pouco, quatro histórias. Numa, a espera pela quase chegada do companheiro. Uma jovem, ou adolescente, mãe torcia pela liberação do marido chileno que foi deportado. Ele tinha visto de três meses e já estava há dois anos no Brasil. Perdeu o prazo para a Anistia e mesmo assim se arriscou para atender um pedido da mãe, que estava com saudades. Voltou para sua terra. E um mês depois, duas tentativas de chegar para os braços da namorida e do filho de sete meses. Os dois, mais uma vez, foram embora sozinhos do Aeroporto de Guarulhos.

Vi as namoradas se despedindo e declarando, de certo, pela enésima vez o seu amor; Vi uma esposa voltando para o marido depois de uma jornada d…

Sei lá, nem sei...

“Sei lá, entende?” Tá. Tudo bem. Eu explico bem explicadinho. Estou treinando para quando virar hippie na Bahia. Os cabelos já estão bem de acordo. Hora faceiros – como falou uma baiana no Mercado Modelo -, hora comportados. Mas, o bom de tudo isso, é que ganharam um brilho... Que até eu me surpreendo.

Diria que, nesse momento, apesar dos pesares, me encontro numa boa fase, fisicamente. Ao menos fisicamente. Não. Não emagreci, ao contrário, devo ter adquirido uns bons quilinhos em cinco dias soteropolitanos. Mesmo a base de peixes e frutos do mar. O único problema aos inimigos da balança na capital dos baianos é o costume de dendezar tudo que podem comer. Não duvido que haja doces a base de dendê...

Mas também não estou preocupada com a forma física. Mas, me admira que meus olhos estejam mais expressivos e marcantes do que pude perceber nos últimos tempos. Que minhas sombracelhas estejam robustas, embora as falhas que as caracterizam. Que minha pele esteja mais limpa, clara, do que os…

Quero plantar meus amigos, meus discos, meus livros e nada mais

Topas [sonhar] um chimas comigo no meu jardim de inverno,
hoje no final da tarde?
Não sei onde, nem como ou por que me criei assim: sonhadora. E não sou modesta, não. Ao contrário. Sou daquelas que sonha alto, grandioso, dantesco.

É de anos minha vontade de ter uma casa. De voltar a morar numa casa. Se fosse de madeira, melhor ainda, pois acolheria minhas lembranças da infância, quando passei bons momentos na casa velha de minha avó, no interior. Mas também não seria a mesma casa. Nada de frestas, falta de brilho e cor. Não seria um casebre. Não, não...

Ao ler o blog da Cora Rónai, que passa por uma situação delicada com seu querido [Millôr Fernandes], meu sonho antigo veio rapidamente à memória. Num post ela clamava por pais adotivos aos dez felinos que estavam desamparados. E também transcrevia a história de cada um deles. Imediatamente me vi numa linda casa, bem iluminada e com jardins – sim, adoro flores e plantas e preciso de um quintal e de um jardim de inverno, no mínimo – para …

Do you speak english?

Tiras da Jessay
Não adianta. Meu remédio é a escrita. Tanto é que não parei de relatar meus dilemas um dia se quer, só não publicava. Estava sem vontade de entrar no Cor de Rosa e Carvão. Mas, visto tanta produção textual, isso se tornou inevitável. Ainda bem! E além do fato de que estou bem melhor, tenho novidades. Voltei a estudar inglês! Sim. E agora tenho objetivo, meta e aulas particulares para me auxiliar nesse processo. Ou seja, uma teatcher só para mim. A “first class” foi hoje pela manhã [Monday, 28 march] e gostei. O método é tão bom e descontraído que adorei, na verdade. E rendeu... Vim para casa com a bolsa cheia de homework e o compromisso de estudar em casa 15 “minutes” por dia. Isso se quiser cumprir a minha meta, que segundo a professora, é possível de alcançar se me dedicar. Melhor de tudo é que além de aprender com mais facilidade, com um professor exclusivo, ainda posso ter acompanhamento ou tira dúvidas por email, SMS ou telefone. Ainda tenho que passar meu notebook…