Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2009

Revitalizando o cotidiano

Depois de um domingo que começou como sendo o Dia do Pijama e terminou como o Dia da Faxina, melhor começar a semana cumprindo o prometido. Contarei as novidades e iniciarei com a mais fresquinha de todas. Essa é tão fresca, que estou postando às 7 horas da matina pra vocês, depois de meses de sonoterapia pela manhã.

Pra quem tem boa memória e costuma vir aqui sempre [mesmo], sabe que vivo dias de inferno astral. Há duas semanas dos 35 anos estava a ponto de bala, com um humor do cão, espírito de porco [que nem o vírus da Influenza A se arriscava a me contaminar], chorosa, reclamona [isso não é muito diferente dos dias normais], entre outros temperamentos instáveis e insustentáveis. Vivia o período que começo a estruturar as resoluções de aniversário, que são bem mais eficazes que as falsas promessas que faço anualmente, no Réveillon. Confesso!

De todas as minhas necessidades, carências, indecisões, a única resolução que se formava e estruturava-se em base sólida era a partida. Insatisf…

Dia do pijama

Oi gente. Tenho tantas coisas para contar a vocês... Algumas, claro, são novidades tão velhas, que até estão fazendo aniversário. Outras, esqueci. E as mais novas, ah, as mais novas... Também ficarão velhinhas, por que hoje eu decretei o Dia do Pijama!

Beijo na bunda e até segunda.

Muito Pouco

Maria Rita

Mas muito pra mim é tão pouco

E pouco é um pouco demais

Viver tá me deixando louca

Não sei mais do que sou capaz

Gritando pra não ficar rouca

Em guerra lutando por paz

Muito pra mim é tão pouco

E pouco eu não quero mais

A idade vai passando e a gente vai ficando exigente. E mais carente. Acho que vou fundar a Nêga - Grupo de Apoio Emocional da Nêga. Afinal, não é todo ano que se faz 35....

E aí velhinho?!

Sempre achei muito meigo os coelhos. Mesmo o bicho fazendo cocozinho por tudo que é lugar que passa, aquela bola de pêlos deve ser o animal de estimação ideal para crianças. Sempre penso neles quando o filho de alguma amiga nasce. Afinal, todas as crianças devem ter contato com bichinhos - e quer coisa mais doce e da paz do que coelhos, símbolo da Páscoa?
Pois é! É exatamente um desses cuti-cuti que tem modificado a minha rotina e, principalmente, a do Shazan aqui em casa. O locatário tem um coelho - de raça, se é que isso é possível - de uns três quilos mais ou menos. Mais, claro, os pêlos brancos, pretos das orelhas e cinzas das patas e rabo. O problema é que ele tirou de dentro da sua casa o tal coelho, para por no canil que mantinha, aqui embaixo da minha casa [que alugo dele].

Pronto. Fico imaginando a merda que isso vai dar, qualquer hora dessas. Eu, que gostava tanto de coelho [inclusive da carne], quero mais que esse Pernalonga do capeta volte para o seu apartamento quentinho e…

Horizonte

Claúdia Leite






Noite à toa, sentimento de querer bem,
Como é bom gostar de alguém
Nem sempre a vida traz de volta o que o tempo separou do coração
Vontade de recomeçar sem medo, sem medo
Abrir a porta e caminhar em direção dessa verdade
Que bom que o seu amor me escolheu, que bom que o seu sorriso trouxe a força
Me deu coragem, e o bastante pra dizer
Que eu posso seguir tranqüila, sem pressa pra voar

Eu posso chegar bem longe
Eu posso ganhar o Mundo
Mas hoje eu só quero o horizonte e você comigo

CRÔNICA: O que faz bem pra saúde?

(Luiz Fernando Veríssimo - dizem que é dele...)

A última foi que pizza previne câncer do esôfago. Acho a maior graça.

Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas peraí, não exagere...

Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos. Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.

Prazer faz muito bem. Dormir me deixa 0 km. Ler um bom livro faz eu me sentir novo em folha.

Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois eu rejuvenesço uns cinco anos. Viagens aéreas não me incham as pernas, me incham o cérebro, volto cheio de idéias.

Brigar me provoca arritmia cardíaca. Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o
estômago. Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no Ser humano. E telejornais os médicos deveriam proibir - como doem!

Caminhar faz bem, danç…

O fim da linha...

Finais de semana são sempre uma delícia. Dão-nos a oportunidade de conviver com a família, de forma bem relaxada, sem a tensão do dia a dia. E quando não é ela, são os amigos que estão em nossa volta. Nossa segunda família. Assim foi meu sábado e domingo. Com amigos, no antigo apê, que, aliás, não sinto falta e nem saudades. Talvez seja por que “meu lar é onde estão meus sapatos”.

Então, estava eu feliz e já em casa, tranquila, após uma conversa pela webcam com a minha irmã e prima do Rio. Conheci o João Pedro, afilhado da mana, seus pais e até avó. Vários minutos de conversa à toa, bem no estilo dos Barcellos de Araújo. Até que no meu scrapbook chega um recado, avisando do paradeiro da Cristina, uma guria que conheci por meio de uma amiga, na minha casa. Uma guria com quem sai duas vezes quando fui a Porto Alegre, matar a saudade dos amigos e da família.

Lembrei na hora da fobia que desenvolvi longe de casa, em relação a felicidade. Quando estou bem, leve, confortável e feliz, vem o de…

Só dois pãezinhos

- Um brigadeiro pro meu piá. O sonho vamos levar para a mãe.

Disse um cara para o dono da padaria. Aos finais de semana, ele que atende o balcão do estabelecimento.

- Deixa eu contar as moedas...

E foi o que fez o pai de família. Ao ver que tinha o suficiente, comprou mais um brigadeiro, voltando a guardar o restante dos trocados.

- Obrigado amigo.

Disse o homem ao atendente. Em seguida, pegou a sacola com os pães, deu a mão ao filho e saiu para a calçada. Eu ainda o ouvi falar com a criança, que instantes antes segurava o pacote com o sonho, bem feliz, em frente ao balcão dos doces.

“Posso ter um de cada também?” Foi o que pensei ao observar a cena em que pai e filho estavam sendo atendidos. Logo minha mente alçou vôo ainda maior e fiquei imaginando: eu em casa, a espera do marido para o café. De repente fiquei toda contente porque meus dois amores haviam chego. Eles lembraram que sou uma formiga. E que adoro sonhos.

- E pra senhora? - Disse o homem detrás do balcão da padaria.

- Dois pãezi…

Crônica de Maicon Tenfen*

Quinta-feira, 20 de agosto de 2009
Manifesto das roliças, cheinhas e simpatizantes
Reprodução de imagem do pintor Fernando Botero
1. Nós queremos cantar o amor às boas refeições, o hábito às lanchonetes e às pizzarias.
2. Os elementos essenciais de nossa beleza serão as gorduras localizadas, as estrias e a própria celulite.
3. Tendo a mídia até aqui enaltecido a magreza mórbida, as faces chupadas e as ancas esqueléticas, nós queremos exaltar as formas arrendondadas, as bochechas sensualmente rosadas, os antebraços que vibram como gelatina, os pneuzinhos sob a camisola suave, a gastronomia, a vida.
4. Nós declaramos que o esplendor do mundo se enriqueceu com uma beleza nova: a beleza das gordinhas. A Gisele Bünchen é um amor de pessoa. Pena que seja magrela e sem bunda. As gordinhas também sentem e despertam tesão. O prazer não vem da forma, mas do desempenho.
5. Solidariedade é a nossa palavra de ordem. Solidariedade aos homens gordos ou simplesmente barrigudos. Aos carecas. Aos baixinhos. A…

Verde, Anil, Amarelo, Cor de Rosa e Carvão!

Em algum momento devo ter contado isso a vocês. Mas o nome desse blogue por causa da Marisa. Desde que ela surgiu, cantando Chocolate, me apaixonei. Imagine, eu, uma guria viciada por cacau e música e ter logo essas duas maravilhas interpretadas por uma pessoa que ser tornaria uma Diva da música popular brasileira.

Meu e-mail já existia quando criei este diário. Então já havia agregado outras informações a este codinome. Era eu, então, uma guria assumidamente colorida, como o melhor álbum de sua carreira na minha opinião se chamava. Verde, Anil, Amarelo, Cor de Rosa e Carvão! Os amigos, colegas de trabalho, de faculdade reclamavam demais pela extensão do correio eletrônico. Muitos até escreviam errado. Daí eu dizia: como o disco da Marisa Monte.

Mas já não era só isso. Era eu, então, uma mulher, negra, fã da artista com predileção por um álbum e, ainda, uma pessoa esfuziantemente alegre, vestida com roupas coloridas. Hoje, às vezes conscientemente madura, na maioria das vezes infantil, …

Com eles, até pago penitência...

O casal, na Fontana Di Trevi

Gente, a Rou está de férias pela Europa com seu namorido. Há uns dias ela entrou aqui no Cor de Rosa, só para me provocar. Sim, cutucar a onça com vara curta. Depois de uma entrada triunfal no continente, pela França, a bicha agora está em Roma. E adivinhem o que ela viu? A Rou deve ter folhado e ainda dito pro Sérgio: "A Nêga é tão tarada que ia adorar o calendário de padres".

Tudo bem, estou imaginando a cena. Aquela polaca safada me usando como desculpa, na frente do seu querido, folhando um calendário cheio de padres bonitos, bem no "meio" do Vaticano. Babando dentro da abadia [na verdade, tenho quase certeza de que foi assim que aconteceu, hehehe].

Muito antes de viajar, a Rou espalhou a luxúria por e-mail e eu, como sou uma "Maria vai com as outras", propaguei. Enfim, aí está uma palhinha dos sacerdotes.



Vaticano lança calendário com jovens padres


O objectivo é levar informações sobre a Igreja para a população e não instigar…

Já amanheceu?! Mas é tão cedo...

Se um dia olhar para o céu
E não ver as estrelas...


Se liga, porque já amanheceu!


Quem merece acordar às 7 horas e passar a manhã de uma véspera, de véspera de final de semana, ouvindo um bando de políticos ensebarem correligionários, em cerimônia de entrega de obra? Ninguém! Muito menos eu, que ultimamente só saio da cama para o almoço, às 11h15.

Mas hoje não teve jeito. O despertador tocou e a cada 15 minutos ele avisava que deveria ir tomar banho, café e sair pra trabalhar. E a cada 15 minutos eu pensava: “só mais um pouquinho Elaine...” Como o esperado; eu atrasei, mas não muito mais que oito minutos do que o horário para início do evento, que esse sim, atrasou mais do que o de praxe.

Enfim, o resultado é que tenho várias entrevistas gravadas para transcrever. Um assunto chato e sem solução, que é a segurança pública, como fundo das matérias. Sem falar que o sono turva minhas idéias, que em dias normais já são complexas, imaginem com a cambada do “peemedebe” alvoraçada, misturada com p…

ãh?!

O ontem é história,
o amanhã é um mistério,
mas o hoje é uma dádiva.
Por isso se chama presente.

Mestre Oogway - Kung FuPanda
.

Fim de semana? Aonde?!

Cada final de semana que passa
eu fico mais parecida com um gatinho...

Inferno Astral

Bem no meio da minha vidinha Cor de Rosae Carvão
Tenho passado finais de semana agradáveis em Videira. Eles têm sido repletos de sol [e luz], calor humano e do astro rei, risos, análises do cotidiano, coisas fofas e outras nem tanto. Eu me divirto com pouco às vezes. Às vezes o pouco é muito pra mim. Mas no geral, qualquer prazer me diverte.

Porém tenho tido inquietações. Ora aquelas coisas de mulher que está chegando a meia idade e que fica pensando em qualidade, ao invés de quantidade. Fico com medo e receio, pois as dúvidas de ontem continuam sendo as de hoje e serão as de amanhã também. Elas não findam! E a dúvida maior é: “Afinal, onde eu estou amarrando meu burro?” Traduzindo: onde [e como] estou calçando meus alicerces...

Afora essa dúvida cruel e eterna em mim, vou vivendo minha vidinha urbana, numa cidade do interior de Santa [e como dizem - Bela] Catarina, avulsa [em vários sentidos], mas feliz. Coisa que não entendo até hoje: Feliz! Mas melhor não reclamar do que está bom né? S…

Coisas de gaúcho - Final

(Escrita por um carioca) é o DNA deles...

51- Chama a esposa de 'Mãe' e marido de 'Pai'
52- Ou é 'chimango ou é maragato'
53- Ou é PT ou é anti PT e não tem meio termo
54- Adora passar o dia em Gramado
55- Acha Gramado caríssimo
56- Desmarca até o casamento de um filho para uma pescaria oucaçada 57- Adora chamar os outros de 'fiá-da-puta' cujo plural é'fiá-das-puta' 58- Enlouquece quando é chamado de 'filho da puta' 59- Adora assistir corrida com chuva no Autódromo de Tarumã 60- Acha a Oktoberfest de Santa Cruz do Sul melhor que a de Munique 61- Já foi filiado ao PTB ou ao PDT 62- Parece íntimo de todo mundo 63- Adora caminhar na Rua da Praia, mesmo sem saber o que andafazendo por ali. 64- Não tem carro, tem 'auto' (Sem comentários..) 65- Sabe de cor o ' Canto Alegretense, Céu Sol Sul e QuerênciaAmada'. 66- Sempre leva um baralho de cartas pra praia, pra um ' carteadocom dia de chuva'. 67- Gosta de passear em supermercado 68- Acha a…
depois de uma tarde de beberagem, comilança e falatório com os amigos, só o Radicci pra contar estórias mesmo... * ~&$%($*$^&^# &$)@%#$*

Nesse verão, também serei filha de Apolo ou de Rá

Basta! Depois de quatro anos vivendo na capital catarinense da uva e do vinho, vou usufruir de outro deleite desse estado: a natureza. Chega de ficar reclamando do calor na cidade, pegar sol na praça ou bebendo cerveja num pesque e pague no verão. Eu também sou filha de Apolo, se pensar na minha origem grega, ou de Rá, pelos ascendentes egípcios.
Por isso que, no verão, levarei meu corpitcho arredondado e melaminoso para ficar ao sol de São Francisco do Sul: A terceira cidade mais antiga do Brasil em Santa Catarina. Chega de pensar em Porto Alegre ou no bairrismo gaúcho, impregnado em mim até a alma (ainda bem, hehehe). Que venha o verão, o reggae e a diversão!


Coisas de gaúcho - parte 1

(Escrito por um carioca)
é o DNA deles...

1- Ele comenta com você notícias que 'deu no rádio' 2- Quando ele conversa, parece uma briga 3- As 6 da manhã, mesmo sábado ou domingo, ele já faz barulho com a'chaleira e o mate' 4- Não existe lugar nem hora inconveniente para andar com umacuia... 5- Domingo sempre tem churrasco de meio-dia 6- O que sobra, vira arroz carreteiro 7- Se é colorado, é anti-gremista 8- Se é gremista, é anti-colorado 9- Se não tem dinheiro vai para: Capão da Canoa, Imbé e Tramandaí, as melhores praias do Sul (coisa de carioca mesmo: Torres fica do lado de cá tb). 10- Se tem dinheiro vai para: Punta del Este, Floripa e Bahia. 11- Prefere pala e poncho a casaco 12- Não dá a mínima para o 7 de setembro e sim para o 20 de setembro. 13- Fica furioso com Revolução Constitucionalista de 32 14- Canta de cor todo o Hino Rio-Grandense no 20 de setembro 15- É separatista 16- Paga ' um boi ' pra não entrar numa briga e, depois que entroupaga 'dois bois ' pra não…

Longe demais... [tão perto do fogo]

23:33

Uma forte serração desceu sobre a cidade agora à noite. A temperatura lá fora está baixa. Sinto a aragem entrando pela janela entreaberta aqui da cozinha. De repente, levanto-me para encher a taça de mais vinho e decido olhar a vista urbana. Então tenho noção de quão bela é a noite. Uma noite de inverno.

De repente decido levar meu corpo para o quarto. E deitá-lo sobre a cama, que em breve ficará quente. Embalado ao gosto e no ritmo de Baco.

Suave é a noite, é a noite que eu saio
Pra conhecer a cidade e me perder por ai.
Nossa cidade é muito grande e tão pequena...
Tão distante demais do horizonte do país.

Retomando a leitura

"Aproximam-se de mim, silenciosas e ameaçadoras como detetives particulares, e me cercam - a Depressão pela esquerda, a Solidão pela direita. Sequer precisam me mostrar seus distintivos. Eu as conheço muito bem. Há anos que temos brincado de gato e rato. Embora eu reconheça que estou surpresa por encontrá-las neste elegante jardim italiano ao entardecer. Elas não combinam com este lugar..."[página 55]

Aos poucos venho retomando a leitura da listinha que pus aí do lado. Agora sem culpa de fazê-lo ao invés de estudar para o concurso. Não estudei, mas não foi por culpa da literatura. Ela não teve nada a ver com a minha falta de vontade para estudar código de ética do funcionário público federal por causa de cinco questões [tá, errei duas delas por conta disso].
O primeiro da lista é Comer, Rezar, Amar - de Elizabeth Gilbert. Até porque irá fazer um ano quase que o livro está comigo, sem que a filha da dona lesse e muito menos a irmã dela. E também porque me despertou a vontade.
E…

Selos

Vou contar a vocês cinco deliciosas coisas que deixariam minha vida um cetim. Leiam com atenção, pois vá que você possa ser o instrumento de meu prazer? Assim como cantava Maria Betânia em Mel... E por favor, ignore a ordem. Ela não altera os fatores.
1) Justiça divina vinda a cavalo sobre aqueles que se sobrepõem aos outros com maldade e violência física [e até verbal]
Sou daquelas que segue os ditos: “a que se faz, a que se paga” ou “olho por olho e dente por dente”. Sim, posso um dia também sofrer as conseqüências de minha própria regra. Em meu ser cabe um pouco de rancor e outro tanto de vingança. Mas esta última deixo a critério dos seres celestiais, por meio de sua justiça.
2) Ter as chaves de uma fábrica de chocolates e poder encher a cestinha com os mais saborosos tipos da guloseima, sem precisar pagar nada ou sofrer intoxicação [isso é bem difícil] ou ter espinhas ou ficar gorda mais do que já sou.
3) Viver numa sociedade sem preconceitos ou discriminações, seja ela por credo, co…

Eu peco diariamente, várias vezes ao dia

Poderia relatar vários tipos de pecados que cometo sem vergonha ou pudores, mas o que mais me maltrata é a gula. Essa semana, e não fazen nem três dias, ganhei uma caixa de Alfajores Punta Del Este do namorido da Rou. Ela, muito gentil, veio me trazer em pessoa o mimo importado do Uruguai. Conseguiu, entre um compromisso e outro, me deixar os doces na porta de casa antes de seguir viagem para Europa com seu querido e charmoso Sergio.

Pois então que adentrei pro meu cafofo feito guria boba quando ganha prenda do velho pai. Final de tarde, a vontade pelo doce já me corroia as veias estomacais devido o ciclo menstrual, e com aquela embalagem a minha frente, ficou difícil resistir. E não me fiz de rogada. Abri a caixinha "dourada" e retirei uma das 12 unidades de seu interior e comecei a me deleitar.

A massinha fofa do bolinho de mel com recheio de doce de leite, envolto em chocolate, me remeteu direto a infância. Esse era um dos doces que meu pai me presenteava quando chegava do…

Kevin Johansen e Ojos de Brujos

Não tem nada melhor para animar a alma do que uma boa conversinha com amigos. Se não der para fazer isso, encontro de família a base de comida caseira e trelelês. Se isso também não for possível, melhor então é ouvir música boa. Eu consegui a primeira e última opção hoje.

Tudo bem que música varia de pessoa a pessoa. Mas para quem gosta de sons diferentes, a dica é o site Música do Mundo. O link está aí no frame ao lado também. Se houver música popular da Etiópia na rede, pode crer que encontrará nesse site as melhores canções. Tem de tudo um pouco lá e, claro, sons do Rio Grande do Sul.

Nesse site rolam vários podcast [não sei como escreve] onde se conferem os áudios com especiais. Também tem informações sobre a cultura, costumes, tradições de vários países, comemorações oficiais de alguns países e coita e tal. Vale a pena conferir.

Vou dar duas dicas: Não dá para deixar de conhecer Ojos de Brujos. Uma banda espanhola cujo som flamenco mistura ritmos diversos, como o hip hop, candomble…

Dá um tempo e vá saindo

Fazia tempos que ela não batia na porta. Eu, desavisada da visita, descrente de seu retorno, abri. Daí já era! Com ela dentro de casa, no peito, não tardou muito para fazer avaliações, análises, retrospectivas, comparações, planos com os tais de objetivos e metas. Mais uma vez...

Solidão,
dá um tempo e vá saindo,
de repente eu tô sentindo,
que você vai se dar mal.

Mas se fosse só isso. Solidão não vem assim, dá as caras e vai embora. Para lembrar que se tem sonhos e desejos. Não! Ela é mais incisiva na gente. Na mente, na alma e no coração. Ela deixa sua amiga com a gente, nem que seja por pouco tempo. A tristeza se apossa do espaço que sobra e ajuda a revirar o baú, ao qual não sabia que tinha, de tanto que não o abria.

Solidão,
meu amor está voltando,
daqui a pouco está chegando,
me abraçando todo meu,
meu, meu...

Já não brigo mais com elas. Não tento mais embebedá-las, fazê-las sorrir, nem nada. Dou-lhes o que querem. Um pouco de saudade, lembranças, carência [ah, essa quando aflora só me faz…