Pular para o conteúdo principal

Curtas da manhã de quinta-feira

caminhada. a cada dia acordo mais cedo. então, nada melhor do que sair mais cedo para caminhar. hoje fui às 7h15. e pasmem: ninguém me incomodou, hehehe. nos fones de ouvido - O Rappa. Voltei uma hora e meia depois, cheia de disposição. Mas, mesmo com todo o movimento urbano, metade da cidade ainda dorme...

cigarros. ontem fumei quatro cigarros. dois sob falsa vontade, pela manhã, e dois à noite, sem vontade nenhuma, mas sob a força do hábito. hoje, um pela manhã, às 9h30. Agora só resta um na carteira...

expectativas. o otimismo rege a minha vida nessa semana. creio que tudo vai bem e irá se desenvolver melhor ainda. basta eu querer e eu quero. pode crê.

shazan. cada vez que olho para o rosto redondo e peludo do meu baby, penso: que bicho lindo, meigo, encapetado, amoroso, pidão, conversador, comilão, cagão, mijão e maniático. se fosse gente, não seria tão parecido comigo, hehehe.

Intro 05 (O Rappa). "eu tenho os pés no chão, porque sou de virgem. mas a cabeça, gosto que avôe. hehehe".

pessoas. pela manhã, trabalhadores, donas de casa e idosos conversam de tudo. desde casamento, divórcio e separação, até a cólica do nenê da vizinha que o faz chorar dia e noite, não deixando a vizinhança dormir. e, acreditem, mesmo com volume 30 no MP3 consigo ouvir tudo isso.

ervilha. tá na hora de reativar nossos happy hour. eu proponho o tip tip ou o boteco teco. ainda mais amanhã que vai ter esquenta desde às 16h. então?

pompeo. ele também acorda cedo para caminhar. hehehe. às 7h30 ele já estava na XV de Novembro. esse acho que é pior do que eu. não dorme, só caminha. meu consolo é que ele continua com aquela barriga, que deve ser d'água, já que tá sempre com um copo na mão, hehehe.

felicidade. ontem dormi feliz. ansiosamente feliz. creio que foi essa felicidade que me fez acordar às 6h da manhã, quando a claridade mal se fazia entrar nesta manhã. pena que a balança da farmácia de manipulação não contou nenhuma novidade. nem agregou novo ingrediente a tal bem-estar. acho que tô caminhando pouco.

boteco brasil. dizem que é este o nome do local. para mim é 2. o que sei é que ainda sentarei na mesa próxima a janela de acesso ao rio, pedirei uma cerveja - que já vi, vem serenada... - (não fumarei, espero, hehehe) e me deliciarei com a vista e o movimento de carros e pessoas. se cair, vou me lascarei feliz, hehehe.

amor. continuo amando as mesmas pessoas, com a mesma intensidade ou até mais do que antes, todos os dias da minha vida. e querem saber: isso não me faz mal. elas fazem falta. mas mal? nunca.

Comentários

Barbara disse…
gostei do novo visual do blog..mais leve.
só para constar: eu dei sim as gotinhas da febre antes de levá-lo no santo antonio. o problema era a tosse alérgica. e sim, o hospital está maravilhoso, agora junto ao complexo da santa casa. beijão

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe