sexta-feira, 8 de abril de 2011

Drogas, estou fora!

Não sou careta, longe de mim isso. E não atiro a primeira pedra, nunca. Ao contrário. E nem posso. Gostava de fumar um baseado em longas rodas de debates ideológicos com os amigos, em jantares papo cabeça e coisa e tal. E até hoje acredito que maconha não faz mal a ninguém, desde que se use de forma moderada, quase terapêutica. E nem que ela seja a porta para o uso de outros entorpecentes.

Mas não vim aqui levantar essa bandeira. Não faço apologia as drogas. Porém, também não sou hipócrita. Já tive vinte e poucos anos e experimentei, curti e ponto. Foi uma fase. Sem arrependimentos. No entanto, parece que usar drogas, novamente, virou moda. Ou nunca saiu de moda, não sei. Não há um conhecido, um amigo, um parente, um colega nos últimos tempos que não tenha comentado algo do tipo: “Sabe do fulano [ou da beltrana]? Pois é, está nessa vibe agora”.

A pouco tive a notícia de que o filho do namorado de uma amiga foi para uma clínica para dependentes químicos. O cara tem dez anos menos que eu. Putz! Nessa idade eu já sabia muito bem o que não queria para mim. E mesmo não conhecendo o guri, fiquei triste com a situação. Indignada. E com raiva dele.

Pôxa, na era da informação, excessiva, como é que ainda tem tanta gente que embarca nessa? Não entendo... Pior ainda são aqueles que decidem, optam, escolhem, sei lá, entrar nessa depois de adulto. Sem aqueles “pré-requisitos” que conhecemos, que são comuns: família desestruturada, curiosidade juvenil, imaturidade, meio social...

Dizer o que de quem prefere encarar a vida sob um véu? Eu lamento, acho triste, mas, me desculpem as famílias, isso já é falta de laço ou sem-vergonhice. Estou sendo ignorante, intolerante [quem sabe] e pré-conceituosa. Admito. Mas, como disse a poucas palavras, depois de um certo tempo, ou seja, na fase adulta, achar sarna pra se coçar não tem explicação pra mim. Não, não!

Mesmo assim, não nego solidariedade e ajuda a quem precise. Muito menos a pedidos de socorro. Contraditório não é? Eu sei... [Cada um com suas fraquezas e eu tenho muitas] Mas que é burrice desse povo, ah, isso é!




3 comentários:

Gheni disse...

Tenho muitos amigos que usam drogas, e nunca experimentei, por questão religiosa. Mas entendo quem queira usar, no entanto os danos que causam tanto a pessoa que usa quanto aos familiares são duros demais e eu que já passei por isso digo que é mais fácil entrar nas drogas do que tirar alguém delas....
Bom dia e beijinhos

Silvia Angélica Palma disse...

Guria do céu..todo dia a gente sabe de alguém afundado nessa maldição.....morro de dó, porque a família sofre muito por causa do egoísmo de quem usa droga e pensa apenas no seu prazer....

Não acredito que a família consiga segurar quem queira experimentar.....ninguém é vigiado 24 horas e nem pela vida toda...tem gente experinet caindo nessa onda.......é uma questão de responsabilidade..de proecupar-se com quem se gosta...mas tem tem gente que gosta e pensa apenas em sí....

Cor de Rosa e Carvão disse...

Gheni

Também tenho amigos usuários, alcóolatras e underground. Muitos da juventude e outros que conheci no trabalho. E ainda penso a mesma coisa. É uma lástima esse cotidiano. Sofrido pra todo mundo. Mas tem casos que poderia ter sido evitado... Ao menos no meu grupo de convivência.

Beijos guria

Angélica

Parece que o Woodstock está de volta, mas só com esse lance das drogas. Homens e mulheres adultos já curtindo essa onda. Sei lá o que acontece atualmente. Sei lá...

Bjo