domingo, 17 de abril de 2011

Tempo de reflexão [e tristeza]



Domingo de Ramos. Início da Semana Santa. Há um ano, eu estava em outra cidade, numa rotina e num cotidiano muito particular. E nesse período, mas em data diferente, eu não vim para casa. Mas uma semana depois eu estava aqui e vivi uma triste surpresa. Não só para mim, mas para toda a minha família.

Hoje, na missa de um ano da morte do meu pai, ouvi do padre que esse é o momento de reflexão. Era sabido. Há anos aproveito a quaresma para uma auto-análise. Já no início da ladainha, uma representação sobre uma leitura da bíblia. Bonita. Marcante. Mas o que mais me tocou foi a interpretação do pároco.

Ele falou da Campanha da Fraternidade. Do combate a violência. De valores. De respeito. De amor. De amor próprio. E nessa fase de recomeço, de renascimento que me impus - de um dia que lembra uma forte tristeza, de uma imensa perda -, me bateu forte aquela fala.

Amo tanto tantas pessoas, considero-as, valorizo-as e respeito-as, que até esqueço-me de mim. E não posso me impor esse desprezo. Cometer esse “bullying”. Era um mar de lágrimas que não dei conta. Que começou ao ouvir as intenções, mas que espero que cessem ainda hoje. Antes da entrada do novo dia...

4 comentários:

Silvia Angélica Palma disse...

Fico feliz que vc tenha entrado neste processo de análise e avaliação...é dolorido, bem sei, mas quando tu sai dele, está mais forte e disposta a lidar com ser humano e suas infinitas capacidades de magoar....

Força guria.

Beijo..

Cor de Rosa e Carvão disse...

Ai Angélica, é muita coisa de uma vez só!

Juliana Cândido disse...

Olha vc é uma guria de sorte que na sua primeira sessão conseguiu abandonar o seu elefante , e panda...pois são poucos que consegue, saiba que isso ja uma grande vitória.
Eu vim para aqui no seu blog pelo tema de sua postagem e adorei!!!

Um otimo feriado
Beijos Fraternos
JUH

E lhe desejo muito mais sortes nas sessões assim como teve na primeira!!!

Cor de Rosa e Carvão disse...

JUH

Obrigada pela visita guria. Mas, sortuda [e corajosa] és tu que fez uma gastroplastia e, ainda bem, não pirou na batatinha. Eu não sei como ficaria minha mente no pós-operatório...

Esse post [e alguns outros] tá meio tristinho, mas logo logo eu volto ao que era.

Beijocas