Pular para o conteúdo principal

Divã: A primeira vez a gente nunca esquece



Minha primeira vez no Divã foi como deveria ser. Um desabafo! Ele fazendo uma avaliação, um briefing, do que me incomodava – e a listinha estava grande e nem sabia – e eu tentando ser objetiva no relato e já querendo obter resultados. Tal o grau do desespero. Doce ilusão, que foi de cara desfeita pelo Robbit. Isso. Assim que vou chamar o meu terapeuta e nem vou explicar o por quê.

O que sei é que já sai livre, leve e solta do primeiro encontro. Claro, depois do que considerei os três passos iniciais da terapia: Choque [1], Surpresa [2] e Aceitação [3]. Lágrimas, pranto, choro? Não né! Isso deve ser ação freqüente de quem usa divãs. De certo...

Bom, o que sei é que deixei o elefante – antes sobre minhas costas - lá no local de trabalho do Robbit. Coitado, de certo, precisou de uma hora de tratamento de florais, cristais e todos os outros “ais” possíveis para se recuperar da carga pesada que devo ter deixado. Por sorte, o panda eu abandonei no caminho de volta. Fiquei só com o quati, agarradinho... [ainda]

Comentários

Juliana disse…
kkkkkk
adorei o pseudônimo do terapeuta!

Menina, se prepare pro choro! faço análise há quase 4 anos e poucas foram as sessões em que não chorei, nem que seja um pouquinho.
Só a Sandy faz terapia e não chora! kkkk
Cara, vi uma entrevista em que ela disse que faz análise há anos e nunca chorou. como assim???
hehehhehe
Gente fina é outra coisa......do tipo que sou, era capaz do terapeuta ficar calado e eu partir pra ignorância..uahuahua
Fina Flor

Quando tentei conter as lágrimas e não conseguia, ele estendeu a caixinha de lenços para mim. Foi o sinal de que chorar fazia parte do processo. Então, só tive o cuidado de não tanto a ponto de atrapalhar a fala [ou soluçar]. Mas, enfim, foi muito bom... Beijos guria

Angélica

Estava tão confusa, triste, magoada, sem estima, que, fora o choque, não teria condições nem de elevar a voz pro Robbit. Queria mais era que ele me abraçasse e dissesse: Tudo logo ficará bem...

E estou mais para "coisa" do que "fina". Hehehehe. Usarei o divã uma vez por semana apenas... Embora precisasse mais [segundo ele].
Ops! Uma vez por mês apenas...
Nanda Assis disse…
tenho vontade de ir, mas morro de vergonha!!!
será que tem algum divã on line? kkk

bjos...
Nanda, minha amiga, tem sim: nossos blogs. Hahahaha. Beijos queridona.
jana disse…
eu fiz terapia a alguns anos....
me dei alta e fui embora (kkkkk)
agora vou fazer novamente. minha 1º consulta é dia 09/05 as 17:15....
estou fazendo isso mais pelo peterson do que por mim...
(eu acho) só vou saber depois que começar
Guria

Estava pensando em ti ligar para saber o que anda acontecendo contigo [com vocês]. Mas creio que consigo imaginar... Bom, boa sorte com tua terapia [ou do casal].

Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe