Pular para o conteúdo principal

Notícias [musicadamente] domésticas




Os dias me parecem pouco produtivos, embora as descobertas locais. Não tenho feito nada para somar no meu perfil profissional [e até pessoal]. Porém, creio que esteja me tornando uma dona de casa organizada e razoável. E sim, isso é horrível para mim que não quero me tornar uma...

Essa semana fui duas vezes à lavanderia. Descobri preços módicos para lavagem de cobertores. Com intuito de caminhar, fiz duas viagens, e em dias diferentes, até o estabelecimento para levar três cobertas de casal. Obviamente a mãe ajudou também, mas para levar sua capa de lã. Aproveitei para orçar a lavagem de tapetes e a tintura de peças em jeans.

Avaliei qual, das três academias, oferecia o melhor preço e serviço. Fiquei tentada em freqüentar uma academia que me oferecesse Localizada, Dança do Ventre e Boxe Chinês, além de outros 479 tipos de ginásticas, por apenas 50 dinheiros mensais. E quando cheguei em casa percebi que não vou sentir-me bem sacudindo minha barriga de 11 meses de gestação ao som do “are baba”. Então optei por uma academia de musculação apenas para o primeiro trimestre de dieta.

Nessa caminhada, passei na sapataria, na padaria, na adega de vinhos e especiarias, na locadora, no ateliê de costuras e na loja de informática. É. Meu bairro tem tudo isso e muito mais... Cada rua esconde um ponto comercial. E o que tem de salão de beleza então? Uma loucura... Hoje a mãe queria que entrasse num dos três supermercados populares do Bairro Santo Antônio. Mas isso eu resisti...

Estou então envolvida nessa vidinha de “escola, cinema, clube, televisão” que abro os olhos pela manhã e já vou articulando a agenda doméstica. Penso nisso e já fico enjoada. Essa rotina não é pra mim não. Até festa em bar novo [pra mim ao menos] eu ando recusando. Pode?

É nesses momentos que corro pro banheiro, me olho no espelho e digo: “preciso de um exorcismo!”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…