Pular para o conteúdo principal

Chegadas e Partidas

Chorei sem parar no Segundo episódio do programa Chegadas e Partidas. E teria chorado no primeiro, também, se tivesse visto no dia 23, último. O programa é lindo, emocionante, sensível e revela sonhos, expectativas, laços de famílias, de amizade, de amor. Tem como não chorar? Não. Não tem...


Na reprise, que vi assisti a pouco, quatro histórias. Numa, a espera pela quase chegada do companheiro. Uma jovem, ou adolescente, mãe torcia pela liberação do marido chileno que foi deportado. Ele tinha visto de três meses e já estava há dois anos no Brasil. Perdeu o prazo para a Anistia e mesmo assim se arriscou para atender um pedido da mãe, que estava com saudades. Voltou para sua terra. E um mês depois, duas tentativas de chegar para os braços da namorida e do filho de sete meses. Os dois, mais uma vez, foram embora sozinhos do Aeroporto de Guarulhos.


Vi as namoradas se despedindo e declarando, de certo, pela enésima vez o seu amor; Vi uma esposa voltando para o marido depois de uma jornada de cinco meses de trabalho na França e vi, e chorei pela quarta vez, o jovem jogador de futebol indo realizar seu sonho, na Hungria, mas com lágrimas e a dor da separação na hora da partida. Fiquei feliz pela compreensão dos pais, apoio da irmã e da namorada. Feliz por ele estar vivendo o seu sonho, mas também imaginando o preço que ele tava pagando por tudo isso e que ainda pagaria: a saudade e a solidão.


Ai, acho que estou precisando sair e conhecer gente. Essa vida de televisão e internet está me deixando uma boba, chorona e sonhadora.



Comentários

jana disse…
eu vejo esse programa
mas é certo que choro
no dia que a astrid encontrou o filho no aeroporto chorei feito uma vaca, kkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.