Pular para o conteúdo principal

Inglês para a vida

Já percebo o inglês incluso no meu vocabulário. Talvez esteja até deixando de odiá-lo. Isso é bom, pois dessa forma o aprendizado fica mais fácil. Se tiver prazer em estudar está língua, terei prazer em praticá-la, estudá-la. Bom, pelo menos já estou planejando uma viagem de estudos para 2010. New York or New Orleans... Quem saberá? Talvez o Canadá... Não sei ainda.
O que sei é que a cara de pau aqui, aluna fantasma do Fisk Videira, estudante displicente e relapsa e ex-inadimplente, fez a prova no último sábado 13, após ser surpreendida com uma ligação na semana que se antecedeu, para que me preparasse para as provas finais. Adivinhem? Mesmo me cagando em ser reprovada por ter faltado cinco aulas, sem ter recuperado nenhuma delas; estudei rapidamente pela manhã e encarei a provitcha no período da tarde, junto com os guris cabeção da informática e que são meus colegas. Claro que eles, alunos aplicados, não tiveram problemas nenhum no “listen, whrite and speak” (acho que é isso... calma gente, eu vou melhorar... estava na primeira etapa do nível básico).
Pois para minha surpresa eu também não tive, embora toda a insegurança. Passei na escrita com 9,5, na prova oral com 80, mas na prova auditiva eu me ferrei, fiquei com 61. O que me salvou foi a participação nas poucas aulas que fui, assim como nos exercícios realizados. No final, minha média ficou em 8,1. Inacreditável!!! No primeiro trimestre eu me esforcei e estudei tanto, faltei ainda mais e tirei apenas 0,6 pontos a mais. Bom, acho que nem tenho o direito de me indignar... (risos)
Enfim, ganhei o certificado final do nível 1 do nível básico e em fevereiro, talvez março, inicio o segundo nível. Dessa vez faltarei apenas se muito necessário, pois vou perder duas horas aulas, ao invés de 1h30. Depois, pretendo estar afiada ao final do ano, para em 2010 poder pelo menos pedir meu Big Mac nos EUA. Well...

Comentários

caurosa disse…
Olá querida amiga, és realmente uma mulher guerreira e como diz o ditado "quem luta, sempre alcança". Parabéns, assim sua trajetória será sempre vitoriosa.
Muita paz, alegria e um Natal com muita harmonia para você.

Forte abraço

caurosa
Nanda Assis disse…
que gracinha minha amiga ta ficando cada vez mais chic!!!!

linda.

bjosss...
Monday disse…
moça, vai tranquila que o idioma não é bicho de sete cabeças ... mas é bom entender inglês, pra não ficar boiando em quase tudo que rola pelo mundo afora ... e depois que a gente aprende, fala fácil, fácil ...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].