Pular para o conteúdo principal

Querido Noel


Me chamo Elaine, tenho 34 anos, e já sei que tu nunca existiu, mas durante o tempo em que acreditei em você, fui bem feliz ao lado da minha família, que agradeço até hoje por ser meu porto, meu ancoradouro.
Agora que cresci - em tamanho, pois em mentalidade ainda tenho sérias dúvidas - eu creio em outro bom velhinho. Alguns chamam de Deus, outros de Allah, Oxalá e assim por diante, em cada cultura religiosa. Eu acredito em todos, na divindade, ou apenos creio na existência desse ser superior. E é a esse ser que envio a minha cartinha virtual e mental.
Eu quero tantas coisas que tenho vergonha de escrever tudo aqui. Algumas coisas fúteis, outras nem tanto, pelo contrário. Algumas coisas necessárias, outras nem tanto, mas não consideraria menos importante. Mas em geral eu lhe peço que envie ondas positivas de energia para mim, minha família e amigos - sempre. E que junto com ela, esteja também saúde, para que possamos ter condições de trabalhar e ter nosso ganha pão ou briochet (no meu caso, nêga maluca da Padaria Videira), pagar nossas contas, nos mantermos com dignidade e conforto e claro, sustentar nossos luxos.
Que me conceda também discernimento para a tomada de decisões e que elas sejam benéficas a minha vida e a quem está em minha volta, me amparando ou estendendo a mão. Que consiga ter condições de buscar o melhor caminho, onde eu possa alçar meu trajeto de êxito, de crescimento pessoal e profissional, de sucesso naquilo que escolher e ao qual me empenhar. Que de quebra me cerque de amigos fiéis e pacienciosos para meus ataques de fúria e mau humores, ao mesmo tempo em que me dê condições de poder contribuir em igual ou maior quantidade de carinho e atenção a essas pessoas.
Velho do trenó com a rena de nariz vermelho; também não esqueça de me deixar mais uma porção de anos tendo ao meu lado a presença dos meus pais, principalmente, e irmãos e das minhas tias queridas. Todos repletos de saúde e disposição por muito tempo, lhes concedendo também luz, lucidez e serenidade. E porque eu não sou de ferro e também mereço, seu velho esquecido, mas como sou mais nova e estou aqui para lhe lembrar; não permita mais que vacile e deixe que machuquem meu coração, assim do jeito aconteceu. Mas que se assim tiver que ser, que a permanência de um outro amor solitário seja breve e não deixe vestígios. Em outras palavras, quando olhar o escaninho com o meu nome, priorize um "moreno alto, bonito e sensual, que realmente seja a solução dos meus problemas. Carinhoso e nível social. Inteligente e a disposição de um relacionamento" estável e sincero.
Obrigada Papai Noel (entenda-se Deus, Allah, Oxalá ou Krishma). Espero que tenha um bom trabalho este ano e que cumpra sua meta. Lembranças aos anões, a Mamãe Noel - que sempre é esquecida por todos - e ao Rodolfo e seus parceiros. Um beijo da Elaine ou Nêga. O que o senhor preferir...

Comentários

Anônimo disse…
Que lindo!!!
Acho que todos queremos isso que vc pediu...eu quero tudo, tirando a parte do moreno alto....KKKKKKKKKKKKKk, pois esse eu já tenho, apesar de ser branquelinho!!!!

ROU
Nanda Assis disse…
linda me emocionei.

bjosss...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…