Pular para o conteúdo principal

Seios fartos e são meus!

Sempre gostei de decotes. Mas usava muito pouco. Na verdade, decotes para mim era só para momentos especiais, quando queria impressionar alguém, causar inveja ou simplesmente me exibir ou refrescar-me do calor. Em Videira não, o decote é algo comum. As gringas adoram mostrar o colo e o fazem freqüentemente, sem constrangimento. Porém, elas adoram constranger as outras mulheres.
Neste sábado (20) eu fui ao centro fazer as poucas compras que teria que executar antes do Natal na cidade e do embarque. Coloquei um vestido bem fresco, de algodão que tenho. Ele tem um decote bem avantajado e não tenho vergonha de usá-lo, sempre me senti a vontade, porque as pessoas que convivem comigo não se envergonham de mim, creio eu. Depois, tava um dia quente dos diabos e ele era a pedida certa para me refestelar pelas ruas principais da província.
Porém, a cada passo que dava tinha um par de olhos femininos a me observar e cochichar com a mulher ao lado. O mal estar delas era tanto que imediatamente a confidente virava para meu lado, momento que as surpreendia de propósito, com um olhar inquisidor. Não houve nenhuma mulher e de nenhuma idade específica que não se incomodou com meu decote. Melhor dizendo, talvez as senhoras de idade não tenham reparado porque tinham outros interesses no momento.
No entendendo porque tanta ofensa, falsidade, hipocrisia. Elas não perdem uma oportunidade de se mostrarem. Sejam em shorts minúsculos ou em tops e blusas decotadas. Mas eu não poso usar um vestido leve, fresco e decotado... Quer saber? Só não as mando tomar n... , porque elas realmente gostariam!

Comentários

Nanda Assis disse…
uai pq vc não gostou de chamar a atenção? pq eu adoro qndo passo e as mulheres me olham, mais que qndo os homens olham, pq é sinal que serei copiada, invejada ou criticada não me importo, elas são umas despeitadas isso sim rsrs.
feliz natal.

bjosss...
Elton555 disse…
Façamos uma campanha a favor dos decotes!!! Que as mulheres com algo a mostrar, façam isso sem receios!
Beijão, Feliz Natal e um ótimo Ano Novo.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…