Pular para o conteúdo principal

Ai Ai...


Não há como não ficar cansada após uma viagem de nove horas em ônibus convencional. Por isso a viagem de Videira – Porto Alegre – Videira, com a Unesul, não chega a ser um passeio completo. E olha que as condições do transporte melhoraram bastante para quem consegue um banco no primeiro ônibus. Já no reserva, relembrar é viver... Mesmo assim, não há conforto ao longo desses quase 500 quilômetros que me separam da terra natal.
Pelo sim e pelo não, cheguei bem e feliz. Eram 5h39 quando o celular tocou e meu irmão perguntou em que ponto estava. Desorientada, porque usava minha viseira de “Estrela Descansando”, localizei-me rapidamente e disse: “Estou em Canoas”, após identificar a praça do avião. Seis minutos depois desembarcava na Estação Rodoviária Veppo de Porto Alegre, escabelada – muito mais que o normal -, com os glúteos doloridos, mas bem feliz, mesmo sendo sábado de manhã.
Às 6h10 eu já tinha o bilhete de volta e às 6h30 estava a mesa, com minha mãe, tomando café e jogando conversa fora, controlando-me para não sair ligando para as pessoas antes das 8 horas da manhã. Feita a programação matutina, que era destinada a passeios pela cidade com a minha mãe e tias, fomos saracotear pelas feiras de artesanato e roupas de POA. Claro que já sei que minha mãe me dará um vestido de hippie que experimentei, barganhei e reservei para que ela apenas pegasse a vestimenta (pagasse) e embalasse para mim, porque a “mamãe Noel” negou o celular Sony Ericson.
A tarde foi de mais conversinha, descanso e preparativos para a noite. Afinal, um encontro das gurias super poderosas merece atenção. A conversa leve, regada a cervejas encorpadas, que merecem um post exclusivo e com riqueza de detalhes, foi a pedida da noite que encerraria o primeiro dia do final de semana em casa. Acabada, volto para casa já me preparando para o dia de domingo. E ele foi a comemoração informal do sagitariano aí de baixo. Manhã em casa, de lidas domésticas, churras, cerveja, mais comida, mais cerveja, e companhia para assistir ao jogo do Grêmio. Ta, vou esclarecer... Meu pai e irmão são gremistas, eu apenas sou uma colorada comprada que recebe outra colorada em casa para fofocar e por a conversa em dia, enquanto o marido se desespera ao lado dos outros dois tristes torcedores... C’est la vie! Afinal, éramos sul-americanas. Para encerrar o dia, desci para a casa da Erenice, encontrinho agendado há mais de um mês e cheio de confissões divertidas e de auto-ajudas. De barriga cheia, bem cheinha, e a mente leve de tanto riso (mesmo com nossas tragédias românticas...) voltei para casa, de madrugada...
Como não sou de ferro, ontem fiquei até às 9 horas na cama (entenda-se o chão da sala), para depois fazer as tradicionais compras e preparar o almoço. Com o Alexandre, a conversa e o encontro ansioso não foi possível. Seus compromissos familiares o impediram de muito riso, conselhos (mútuos), cafés e coisa e tal. Esperava que conseguisse pelo menos uma meia hora antes do embarque, no café da rodoviária, mas ele não deu sinal de vida, como havia prometido. A surpresa da noite foi a visita “the flash” da Mirela. Mas o cansaço físico era tanto, que nem pude dar atenção a ela. Tinha que pensar em não esquecer nada, principalmente os óculos, o celular, a cam e o Lacraia, e até que fui vitoriosa. Deixei apenas uma calcinha fio dental e o bife que havia comprado e congelado para não ter que sair pela manhã e comprar o almoço... Ainda bem que fui convidada para o rango com os muçulmanos, em comemoração ao Dia do Sacrifício. Aí fui né... (risos).
Para encerrar, estava tão cansada, que entrei no ônibus às 8h45, me ajeitei, e comecei a assistir ao filminho que passava no DVD do busão. Até que era legal, mas o final eu nunca vou saber, pois peguei no sono e só abri os olhinhos para comer e fazer xixi, duas horas depois... Para em seguida dormir novamente. Mesmo assim, valeu a pena, tudo!

Comentários

RosanaK disse…
Que delícia de findi...
No começo qnd vim embora pra cá tb era assim...tinha que sair com toda a galera, e nem dava tempo de ver todo mundo. Agora estou mais light e como vou sempre meu pai até fala que nem dá tempo de sentir a minha falta que eu já estou aparecendo de novo em casa....vixi!!!!
Elton555 disse…
Que maravilha de fim de semana. Sempre é bom rever os amigos e o texto fez com que a gente vivesse as alegrias contigo.
Beijão
Dois Rios disse…
Ah, minha querida Elaine, eu já tava com uma puta (que me perdoem os puritanos) saudade dessa sua conversa ventilada (ia dizer fresca, mas aí você ia pensar q eu tava te xingando, rss...), informal, bem humorada e tão quentinha q até dá vontade de cair no meio desses encontros tão nutritivos no sentido mais amplo da palavra.

Ah! vim buscar um selinho q vc me presenteou enquanto eu estava de "férias", mas não o encontrei. Quero o meu selinho já!

Beijos, minha querida carvãozinho,

Inês

p.s. essa da viseira de "estrela descansando" só podia vir de você, haha!!!! adorei!
Inês!!! Vou te mandar o selo, mas me dê até sexta para enviar,he he he. Bjo

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…