Pular para o conteúdo principal

Carta adotada


No ano passado eu decidi adotar a minha primeira carta do projeto Papai Noel dos Correios. Escolhi, entre as dezenas de pedidos de crianças carentes de Videira - outras nem tão necessitadas assim -, uma que pedia uma boneca preta ou uma caixa de bombons. Minha amiga silvitcha disse que fui pré-conceituosa ao escolher este pedido. Mas não deixar de ter empatia pela guria que queria uma boneca negra, sendo eu "uma boneca negra". Feliz percorri o centro de Videira, na semana que antecedia o Natal, atrás do presente da criança desconhecida.

Este ano já estava me esquecendo de adotar a tal carta, até que encontrei um professora carregada com sacolas de brinquedos para atender aos pedidos de crianças carentes que esperam que o "Papai Noel" atendam seus pedidos. Então me lembrei que também tinha que passar lá e pegar o envelope com o pedido. Lá estava uma outra criança que havia pedido uma boneca preta, mas alguém já a havia escolhido. Então, entre bicicletas, computadores, play station, barbies, MP3 e celulares, escolhi uma criança da Vila Verde, que queria uma caixa de bombons (amo chocolate e tudo que gosto, também gosto de presentear) e uma boneca grande. Fiquei em dúvida se poderia dar uma boneca grande de presente, porque estou por fora dos preços de brinquedos aqui em Videira e confesso que estou contando as patacas...

Mesmo assim encarei essa. O que são algumas dezenas de reais perante o sorriso de uma criança frente a seu pedido realizado? Nada! Apenas lembrei que desperdiço tanto dinheiro em cerveja quando saio, que não vai me custar nada a mais do que não tenho atendendo a esse pedido. Vou ser sincera para vocês: queria eu poder ter os braços cheia de sacolas, como os daquela professora, para dar presentes a várias crianças que escrevem para o Papai Noel. Eu já fui criança e pobre, bem pobre. Nunca escrevi uma linha ao bom velhinho, pelo menos que me lembre, mas meus presentes sempre vinham no dia dos Reis Magos. Por isso essa data sempre foi mais importante para mim. Meu pai só podia comprar meus presentes com o décimo terceiro.

Nunca ganhava o que pedia e a minha bicicleta demorou muitos anos para chegar. Meus irmãos têm um ano de diferença de idade entre eles, então, seus brinquedos podiam ser reciclados de um para outro. Mas comigo não. Dez e nove anos nos separavam... Tudo era muito mais demorado. Eu nunca tive brinquedos e roupas da moda, porque quando eu podia ganhá-los já não era mais moda. Mesmo assim adorava! Era feliz. Então, se posso me endividar para comprar sapatos caros, um lap top, comprar um milk shake (ruim) de R$ 6,50 e gastar R$ 70tão num piscar de olhos em Porto Alegre, também posso investir R$ 30 para fazer uma criança feliz.

E que o ano que vem, eu tenha prosperado o suficiente para ter condições de presenter quatro crianças, ao invés de uma. Sem nem titubear, como hoje...

* * *

Papai Noel

Me chamo Diana..., tenho 9 anos e gostaria de ganhar uma boneca grande e uma caixa de bom-bom.

Obrigada e um grande beijo de Diana...

Comentários

RosanaK disse…
É verdade...a gente praticamente joga dinheiro fora e "esquece" de pelo menos nesta época do ano ajudar àqueles q tem menos condições que nós!
Nanda Assis disse…
lindo gesto, vc realmente é especial.

bjosss...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…