domingo, 14 de agosto de 2016

Amanhã ninguém vai lembrar que tem pai




Domingo de fortes emoções hoje. A tensão do primeiro plantão no jornal, sozinha, quase que não percebi. O que marcou mesmo foi o primeiro Dia dos Pais, sem pai e nem mãe. É como estar sem chão, sem apoio, sem suporte.

Pela manhã, passei rapidamente para ver meu irmão, que é pai. E que agora é a minha única referência paterna. Mas não é o mesmo que o meu Paiaço.

Os sentimentos a flor da pele me fazem chorar por qualquer homenagem. Reportagens na tevê sobre a data, posts no Facebook, Instagram ou Twitter, matérias de jornal têm sido cruéis com meus nervos, desde ontem. E eu que choro até com comercial de margarina, de verdade, nem preciso dizer que minha caixa de lenços está no final. 

Hoje, sinceramente, queria que as lágrimas secassem para que pudesse dirigir com visibilidade, caminhar pela casa sem tropeçar e gravar áudios no whatsapp sem estar com a voz embargada. Queria só que o dia passasse mais rápido. Por que amanhã, ninguém vai lembrar que tem pai. Certamente.

2 comentários:

Valéria Dias disse...

É verdade, e daqui a pouco ainda vem o natal, aff
Nessas datas procuro nem assistir tv.
Esse comercial da P&G para as mães nas olimpíadas também desnecessário, aff

Cor de Rosa e Carvão disse...

Nossa,nem quero imaginar...