Pular para o conteúdo principal

"Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa"



Não faz 15 dias que ingressei na academia. Mas desde o primeiro momento reafirmei minha opinião: malhar é coisa para gente doida. Os caras ficam levantando 20, 30 quilos de ferro em séries que não conseguem aguentar. Mas forçam toda a musculatura até a última força no corpo. E urram. 

Eu gosto de urros. Acho sexy. Mas só na cama, durante o sexo, num clima bem diferente do que o da academia. Ali, naquele espaço, eu tenho medo e dúvidas. Medo por que vejo aqueles homens e penso aonde eles querem chegar com isso. E dúvidas por que eu tenho objetivo claro: emagrecer. Tenho prazo de validade ali dentro. Quando alcançar meus objetivos, vou sair correndo dali para uma piscina. É lá que vou mantar o peso: nadando e fazendo hidroginástica. É disso que gosto. Mas os marombeiros não me dizem nada... Não que precisem também. Mas o que me é estranho, me traz questionamentos.

Academia tem outra coisa estranha. O cheiro. Não sei por que salas de fitness não tem ventilação. O suor impregna na gente assim que entramos no local. Não importa se estamos cheirosos. A primeira respirada e já não temos olfato para outro aroma que não o de suor. Uma loucura...

Enfim, o bom é que as pessoas são gente boa. Todos fazem parte de uma família. Inclusive eu. E essa é a parte positiva de enfrentar todos os contras. Ali eles me acolheram, com todos os meus defeitos, e me tratam bem. Por isso, embora alguns questionamentos, me sinto bem ali, como se estivesse em casa.

Comentários

Carlos Hamilton disse…
Olá, gosto de pessoas que lutam para consegui o que deseja. Precisamos superar as barreiras todos os dias. Gostei do seu blog e já estou te seguindo. Vou voltar mais para te acompanhar.

Abraços

Carlos Hamilton
www.mesadeconversa.com
Carlos, obrigada pelo prestígio. Adorei sua visita. O Mesa de Conversa também é um espaço muito agradável.

Beijos doces

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.