Pular para o conteúdo principal

"Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa"



Não faz 15 dias que ingressei na academia. Mas desde o primeiro momento reafirmei minha opinião: malhar é coisa para gente doida. Os caras ficam levantando 20, 30 quilos de ferro em séries que não conseguem aguentar. Mas forçam toda a musculatura até a última força no corpo. E urram. 

Eu gosto de urros. Acho sexy. Mas só na cama, durante o sexo, num clima bem diferente do que o da academia. Ali, naquele espaço, eu tenho medo e dúvidas. Medo por que vejo aqueles homens e penso aonde eles querem chegar com isso. E dúvidas por que eu tenho objetivo claro: emagrecer. Tenho prazo de validade ali dentro. Quando alcançar meus objetivos, vou sair correndo dali para uma piscina. É lá que vou mantar o peso: nadando e fazendo hidroginástica. É disso que gosto. Mas os marombeiros não me dizem nada... Não que precisem também. Mas o que me é estranho, me traz questionamentos.

Academia tem outra coisa estranha. O cheiro. Não sei por que salas de fitness não tem ventilação. O suor impregna na gente assim que entramos no local. Não importa se estamos cheirosos. A primeira respirada e já não temos olfato para outro aroma que não o de suor. Uma loucura...

Enfim, o bom é que as pessoas são gente boa. Todos fazem parte de uma família. Inclusive eu. E essa é a parte positiva de enfrentar todos os contras. Ali eles me acolheram, com todos os meus defeitos, e me tratam bem. Por isso, embora alguns questionamentos, me sinto bem ali, como se estivesse em casa.

Comentários

Carlos Hamilton disse…
Olá, gosto de pessoas que lutam para consegui o que deseja. Precisamos superar as barreiras todos os dias. Gostei do seu blog e já estou te seguindo. Vou voltar mais para te acompanhar.

Abraços

Carlos Hamilton
www.mesadeconversa.com
Carlos, obrigada pelo prestígio. Adorei sua visita. O Mesa de Conversa também é um espaço muito agradável.

Beijos doces

Postagens mais visitadas deste blog

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.

Ode aos detalhes do cotidiano

Porto Alegre, 6 de julho de 2018.
Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.
Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.
Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.
Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?
Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti n…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…