Pular para o conteúdo principal

Coisas que a minha mãe diz



“Minha filha, ainda não compramos nenhuma champanhe”, assim começo o dia de domingo. Ouvindo minha mãe com atenção e sabendo que lá vem as pérolas. Sim. Eu tenho a quem puxar...

Sentada no sofá, esperando que eu termine de preparar a sua torrada [prensado, misto-quente ou farroupilha para o resto do país], ela continua sua fala, olhando em direção ao bar. “Tá dez reais ali no mercadinho.” Logo penso comigo: R$ 10 por uma sidra, que horror. Melhor eu me adiantar e dizer que eu vou comprar a bebida para o final do ano. “Mas acho que vou comprar umas duas ou três mesmo assim. Só pra nós está bom.”

Já prevendo o brinde do Natal e do Reveillon, interfiro. Informo-lhe que vou comprar no Zaffari [rede de supermercados aqui de Porto Alegre], uma espumante decente para nós e que nem é tão cara assim. “Mas não compra aquela amarga minha filha. Aquela é muito bruta.” #Toin #Ãh #Hein

Comentários

hahahahahahah...muito bruta foi show...

Dona Odete deve ter saudades das niágaras aqui de Videira....hahah
Sim, é o que ela mais sente falta... Mas serei boazinha e vou comprar umas daqui do vale dos vinhedos dos pampas. bem docinha...
Jana disse…
He he he
Dona Odete esta saindo melhor do que a encomenda.
Se for para gastar com Sidra me passa esses 10 pilas e eu pego aqui na encruzilhada da comunidade 2 garrafas que vi hoje, kkkkkkkkkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.