Pular para o conteúdo principal

O Mundo na Rio + 20


Sim. Vou lançar mais uma frase bairrista, bem ao estilo gaúcho. Digam, façam, plantem, implantem... Mas a rua mais bonita do mundo fica na capital do Rio Grande do Sul. A rua Gonçalo de Carvalho é bem assim mesmo: todinha arborizada do início ao fim, formando um túnel verde. Emanando um ar fresco e aromático, proporcionando uma sombra de paraíso.

Enquanto em 99% de áreas urbanas, o concreto cresce feito iço entre a resistente vegetação das cidades, aqui, a laje e o asfalto abre espaço para o iço de verdade crescer livre. Não é a toa que Porto Alegre é uma das cidades mais arborizadas do mundo por habitante. Se não a primeira. Somos 1,5 milhão de habitantes e o número, somente, de árvores já passou disso. A estimativa é que exista “um pé de que” e meio para cada um de nós.

E elas não estão espalhadas apenas em praças e parques não. Que também são centenas. Mais de 300 espaços arborizados para lazer e a prática de esportes. Mas isso é só uma partícula do que a natureza nos oferece por aqui, que, de uma hora pra outra podem começar deixar de desenvolver, para reverter o processo – e minguar.

O crescimento urbano e demográfico é desleal em Porto Alegre. E vocês sabem, quanto mais gente, mais empreendimentos imobiliários, menos áreas de lazer e desporto, mais consumo de energias, de água potável, mais produção de lixo e esgoto. É tudo mais e menos, que somados, significa a degradação do meio ambiente.

Vejo isso com muita tristeza. E cobiça. Quem não quer viver bem, numa casa linda e contemporânea, cheia de tecnologia... Quem tem renda baixa, não pode se dar ao luxo de pensar em sistema de captação de energia solar, na construção do seu casebre. Logo quem mais consome... E quem quer uma casa ecológica, também não.

Não sou uma ambientalista. Tampouco uma naturalista, uma vegana. Minha carreira ou contribuição ecológica no jornalismo durou pouco. Mas o aprendizado ficou. O suficiente para entender que a luta ambientalista, pelo desenvolvimento sustentável é um caminho árduo e a longo prazo. Porém, não tão longo assim, como está marcando agora esse evento. Vinte anos...

Eu tinha 17 anos em 1992. E tudo era muito novo a respeito da preservação dos ambientes, mas havia essa certeza de que é preciso mudar. Dez anos depois, as nações estavam lá, em sua maioria. Fazendo novas promessas, medindo, comparando mudanças, somando pequenas vitórias. Porém, os resultados necessários não vieram. EUA, China e a Rússia, os mais poluentes de todo o Mundo, não se entendem.

Esperanças desfeitas, outras renovadas em carta aberta na Rio + 10. Novo abalo com o Tratado de Kyoto e estamos aqui novamente. Não sei mais o que pensar. Não sei mais no que vai dar com a Rio + 20. No entanto, concordo com um jovem estudante carioca. Para ele, a primeira experiência serviu de exemplo, e, agora, a segunda é de acertos. Ele tem fé... Fé que só poderá ser quebrada – e ele não quer – com a possível edição da Rio + 40. Pois então, será o sinal de que persistimos no erro.


Comentários

Obrigada Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho. Também gostei muito do espaço de vocês e da proposta do blog. Abs!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…