Pular para o conteúdo principal

Hoje já é quinta-feira



Preciso externar o que me vai fundo, desde sexta à tarde. Revolta! Isso mesmo. Tem pessoas trabalhando em lugares chaves, desenvolvendo suas atividades pela metade; adiando e, logo, esquecendo. Tem gente usando de má fé para cobrir seus erros. E outras sendo mal educadas, passando os outros pra trás, tirando vantagem, do que, na verdade, não é nada a ver com isso e sim é pura grosseria.
Na sexta, encerrei a novela com o atendimento da Plataforma Física do Banco do Brasil de Viamão [Centro]. Depois de ser vítima do péssimo serviço de um funcionário, por várias vezes, estou de posse do meu cartão de débito. Mas, é certo que, essas pessoas que atendem ao público e estão numa posição chave, precisam aprender a como prestar informações, de forma correta, aos clientes. E que bom atendimento não é apenas um sorriso branco e um rostinho lindo.  
Sai aliviada da agência e para comemorar fui ao centro de Porto Alegre comprar um jeans e uma blusa. Como minha fiel escudeira, Maria, minha mãe. Fomos a uma loja que gosto e que sou cliente, embora compre esporadicamente, e tudo corria bem até a ocorrência da etiqueta. Sim, a vendedora, a caixa e a gerente da By Kytsis desrespeitaram o Código do Consumidor descaradamente. Havia perguntado o preço para a vendedora, que informou o valor da etiqueta: R$ 79,90. Experimentei outras peças e voltei para aquela, novamente perguntando o valor. R$ 99.00. Ops!
Vesti a calça novamente e olhei a etiqueta – R$ 79,90. Optei por ela, pedi para fazer a bainha, entreguei a peça para a vendedora – que retirou a etiqueta e repassou para a caixa, cuja mesma sussurrou para a vendedora: o valor correto é R$ 99,00 e rasurou a etiqueta a caneta. Pensei: Não, ela não vai me cobrar 100 reais pela calça e sim o preço que estava na etiqueta. Deixei o assunto para depois e pedi para ver as camisas e blusas. Voltei do andar de baixo com uma blusa linda e fui para o caixa. Ali perguntei, novamente, o preço da blusa, e o da calça R$ 89,90 e 99,00; respectivamente. Pirei, educadamente, o cabeção! O que não funcionou, pois a caixa sustentou a mentira, ocultou a etiqueta e ainda disse que era outro modelo. Resumindo: neguei-me a levar quaisquer produtos depois desse incidente.
E para começar a semana bem de boa, acordei na segunda lépida e fagueira, no horário, e vim trabalhar. Cheguei na Estação São Luiz em tempo para pegar o ônibus das 7h50. E o café da manhã na tia do lanche. Feito! De porte do meu pastel de forno, recheado de frango, e do suco de pêssego entrei no ônibus, que já estava saindo. Fiquei no limite e o tiozinho de trás do lado de fora. Foi então que o motorista disse: “quem sabe tu vais no próximo ônibus?” Para mim era o tio da Sukita que deveria esperar o próximo. Mas ele insistiu e disse que não conseguiria fechar a porta. Então desci. E o tio da Sukita subiu. As portas fecharam e o ônibus seguiu para a universidade. E eu tendo uma síncope no ponto de ônibus.
Cheguei atrasada. Indignada. Lembrando dos últimos acontecimentos. Mas como tenho mais sorte do que juízo, a segunda-feira conspirou a meu favor em vários sentidos... E depois, hoje já é quinta-feira. Logo, estou sorrindo de novo.

Comentários

Tu tá muito mansa...tira a faca da bota e toca o terror....hehehe
hehehehe. guria, ando mesmo. deve ser a terapia. meu protesto tem sido o silêncio. mas entendi que o que o povo entende mesmo é o grito. aff!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…