Pular para o conteúdo principal

“Especiais sim. Diferentes Não!”

Prefeito José Fortunati - Foto: Ricardo Giusti - PMPA
Parece estar se formando um hábito. Como não tenho tempo durante a semana para as demandas pessoais [sapateiro, costureira, vestuário e mamy], o sábado tem sido um dia de lazer, compras e essas coisinhas boas da vida. De quebra, um peixinho assado no Mercado Público de Porto Alegre [sim, desde a primeira vez na Bahia que ando encarando um peixe assado]. E foi no almoço de ontem, no segundo piso do mercado, que me emocionei... e me choquei.

Uma exposição fotográfica, com duas mostras, trazem a visão dos profissionais da Prefeitura sobre diferentes situações que marcam ou revelam o cotidiano da cidade, que dia 27 último completou 240 anos. Uma delas em especial me atraiu de cara. Trazia fotos de 11 cães vira-latas, lindos demais, mas com uma história triste. São “vítimas de atropelamento, maus tratos e doenças, abrigadas na Área de Medicina Veterinária, da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda). De acordo com Regina Becker, voluntária da Seda, a ideia é sensibilizar ‘corações sensíveis’ e encontrar um lar sem preconceitos para esses animais.


- Não existe diferença entre um cão de três patas e outro de quatro, ou um animal que ficou com sequelas de alguma doença. É tudo uma questão física, ou de olhar. O coração deles também bate pela vida e por alguém que os ajude a superar o preconceito, o abandono e os maus tratos, afirmou a primeira-dama”. [Texto completo]

Tem cada situação que dá um nó no coração da gente e vontade de abraçar todos eles e os carregar para casa. Hoje eu moro com minha mãe e um irmão. Mas, no futuro, quando estiver sozinha em casa – ou com um parceiro apaixonado por bichos -, quem sabe não terei um desses no meu lar, enchendo a casa de brincadeiras divertidas e afagos carinhosos...

Brigitte Bardot
A minha véia tem dez anos e muito fez festas, saia à noite sem hora pra voltar, reclamava por comida fresca... Hoje, a Brigitte Bardot é uma gata cheia de manias e menos rueira, mas continua sendo uma parceira fiel, uma gata muito fofa. Ela nos alegra todos os dias aqui em casa, é o xodó da minha mãe, foi o xodó do meu pai. É minha gatona querida. E veio de lá, de uma feira da zoonose da Prefeitura, onde haviam vários felinos abandonados, de pequenos aos adultos. Depois de 30 dias de adaptação, reclamações e da turma do "leva embora", ela continua com a gente, lépida e faceira - e nós com ela. Até o gordo do meu irmão gosta dela - chama ela de guria quando conversa com a bichana.

Então, por favor, se você é de Porto Alegre e região, ama os animais – não tem frescuras de raça e pedigree - e procura um cãozinho para alegrar seus dias e de sua família, dá um chego na Seda. Ela tem o que tu procuras.

Comentários

jana disse…
a brigite é tão fresca que vc poderia ter parido ela, kkk
Ela não é fresca, é seletiva! Hua hua hua.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…