Pular para o conteúdo principal

10


Eu atraio a atenção das pessoas e não é de hoje. Ou é por que sou gorda demais, ou por que uso cabelo Black [para minha mãe eu ando despenteada], ou por que estou com uma roupa inapropriada, colorida demais ou simplesmente pela minha boniteza. Mas nessa quarta-feira (14/03), uma senhora correu desesperada atrás da minha linda pessoa. E não era por nenhuma dessas colocações anteriores.

Família e Trepadeira nas pernas
- Que tatuagem diferente essa tua.
Eu, desconcertada pelo inusitado esfuziante, respondi timidamente ao final do primeiro lance da escada, olhando para cima:
- Ah. Obrigada.
- É verdade. Nunca tinha visto uma assim. E olha que passam muitas por aqui. É bem diferente.
- Essa aqui?
Apontei eu para a perna esquerda, onde fica a maior de todas e por isso mesmo, mais perceptível.
- Não, a outra que dá a volta na perna.

Ela se referia a tatuagem da Família. E sim, minhas marcas têm nomes para identificá-las: da Família, pois carrego o nome dos meus queridos [8]; Babies, pois o gato serelepe representa o Shazan e a Brigitte Bardot [5]; Butterfly [1], por que traz meu inseto favorito e único também; Paz [2] e Amor [3], dois ideogramas; a Ursa Major, minha estrela guia [4]; Trepadeira, meus ramos com flores que um dia subirão a perna toda [6]; Liberdade, meus grilhões arrebentados [7]. E, agora, as mais novas do pedaço: Virgem, símbolo do signo, parte considerável de mim [9] e Give Me Love [10].

E sim. Por mais que faça minhas tatuagens para meu próprio deleite, eu não as percebo. E logo que termino uma, já planejo a outra. Ou outras. Nem quero imaginar quando tiver que retocar...

Comentários

jana disse…
eu tbm acho que vc anda despenteada....
gosto das tuas tatoos
eu vou fazer só mais uma, ainda não sei quando, onde e o que
vc timida? ahhhh tahhhhh
às vezes eu sou tímida sim. e pra te dizer a verdade, nos momentos mais inoportunos... hua hua hua!

Postagens mais visitadas deste blog

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.

Ode aos detalhes do cotidiano

Porto Alegre, 6 de julho de 2018.
Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.
Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.
Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.
Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?
Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti n…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…