Pular para o conteúdo principal

A vida é boa!

Sou P.H.D em não fazer nada. Excelente profissional nessa área. E sim. Gosto muito do que não faço. Mas é chegada a hora de arregaçar as mangas e buscar emprego, efetivamente. Até para não se fazer nada tem um custo e não posso sustentar meus luxos com frilas esporádicos.

No entanto, fui à praia nesse final de semana. Foi como uma despedida da boa vida. Fiz nada no sábado pela manhã e nada a tarde também. No domingo repeti a feliz rotina de um workholic, que exerce suas atividades profissionais com gosto extremo até mesmo no final de semana.

É bom comentar que um bom vivant nunca está sozinho. Uma amiga estava comigo. Afinal, o que é ter tempo, clima bom em 70% do dia e nada para fazer sem uma boa companhia? Não é nada! Então chamei uma parceira para duas noites e dois dias de pura diversão, comilança e beberagem.

Sabia que poderia estar colocando nossa amizade em risco nesse final de semana. Mesmo nos conhecendo há 30 anos, passamos duas décadas distantes uma da outra. Ela poderia se surpreender com alguns hábitos meus e eu com os delas, que não os que já conheço. Como o fato de ser falastrona. Mas até para isso se tem solução. Um bom e saudável "fica quieta, por favor" cai bem de vez em quando. Funcionou em alguns momentos.


Claro que a mais bonita é a que está sorrindo!

Enfim, amizade sincera é aquela que nem com coisas mais podres do cotidiano da outra se destrói. Minha amiguxa ronca levemente; fala das 6h30 da manhã até a hora de ir para a cama, quando, repentinamente, se cala; assedia velhinhos em carangas decadentes; é ansiosa e impaciente; é barulhenta para assoar o nariz e agitada nos seus atos. Muito agitada para uma virginiana tranquila e pacata como eu.

Mesmo assim é minha amiga. E eu gosto dela. Feliz Natal queridona e até 2012, com novas aventuras. Pronto, falei!

Comentários

jana disse…
só faltou uma coisa no nosso findi
dormimos juntas, ms não de conchinha, kkkkk
afff, tenho alergia sua louca
Jana

Sai pra lá que vou querer dormir de conchinha contigo. Devassa!

Bjo
Anônimo disse…
Oi Elaine!

Nossa, amizade assim é bom demais! Tem muito tempo que não tenho um final de semana assim, depois que casei, sú mesmo meu maridinho o tempo todo... rs Mas é obrigatório pelo menos um cinema no mês, alguma coisa com as minhas amigas queridas! Perdi uma amiga recentemente, amigona meeesmo, e não nos encontramos muito nos últimos anos. Sentia e sinto muita falta dela, e isso me abriu os olhos, não quero mais ficar distante das minhas amigas, temos sempre que arranjar um tempinho! Liinda a foto, minha amiga de olinhos rasgados! rs

Beeeijos!

Marcelle.
http://bestherapy.blogspot.com
Marcelle, querida, amizades é são importantes e mantê-las mais ainda. Mas, os relacionamentos verdadeiros se sobrepõem as circunstâncias. Continuam como uma rocha ao londo das nossas vidas.

Não se martirize pela ausência, mas, tente se fazer presente de uma forma ou de outra. Hoje em dia há tantas formas de manter contato...

Um beijo no teu coração
Humm, já ia me esquecendo que tu és de Virgem... pois então, gostaria também de ter esse tal P.H.D. :) Aproveita que ainda é fim de ano e tira mais um tempinho de férias, guria (ou melhor, de trabalho). Mas, ano que vem, boa sorte nos currículos.
Nanda Assis disse…
liiiiindaaa!!!

feliz natal!!

bjos...
Hakime!!! Adorei a ideia de Paris. Hehehehe. Tá convidadíssimo. Beijos guri.

Nanda, minha querida, um Natal de Luz e Amor pra ti e a família. Tu já sabe: 2012 é nossooooo! Encontro marcado amiga. Bjo

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…