Pular para o conteúdo principal

Na cadência do samba



O astro rei está nos brindando hoje. Muita luz e calor com seus raios aqui na capital dos gaúchos. E não. Não sai de casa hoje. Tomo meu mate daqui mesmo, protegida em meu lar e ao lado dos meus.
Confesso que ando irritada de andar pela cidade com o caótico transporte público que nos é oferecido. Preparo o primeiro, de uma trilogia de e-mails em que relato as condições da frota, o desrespeito com o cidadão e cliente com os atrasos frequentes e diários das linhas de ônibus e a falta de educação e despreparo de funcionários [cobradores principalmente] que servem nas empresas.
Não dá mais para aguentar essa afronta. Tudo bem que nós dependemos do transporte público, mas pagamos pelo serviço. E não é barato: R$ 2,70 para sermos maltratados nas viagens de lazer, trabalho ou na honraria de outros compromissos. Em Porto Alegre vivemos um descaso total por parte dos órgãos públicos, cujos fiscais não devem estar fazendo o seu trabalho direito. Se não estaríamos menos cansados de andar de ônibus. Certamente...
Então, desse jeito, não há como sair tranquila de casa para passear no parque, degustando um bom chimarrão. A volta, que sempre pode ser esticada para um café ou um vinho no final da tarde, pode se tornar um transtorno. Até mesmo porque aos domingos e feriados, a escala tem intervalos de 20 minutos. E se durante a semana eles já não cumprem a tabela, nesses dias então, muito menos...
Mas vim aqui falar de outro assunto. Estou virada numa pagodeira. Minha amiga Mara fala em roda de samba, eu chamo a Jana e lá vamos nós, o trio parada dura. Na sexta-feira fomos no Samba do Esquenta, que acontece na quadra da Escola de Samba Acadêmicos da Orgia, curtir Nem e a Família Tia Doca. No sábado fizemos um happy hour no pagode do Andaraí. Só faltou hoje, aqui na “esquina do samba”. Mas o corpo velho não aguenta tanto requebro e cerveja.
Isso quer dizer que a trilogia do samba não se cumpriu nesse final de semana. Sugestão da minha mãe, que disse que o encerramento teria que ser aqui no Bar do Ricardo. Mas uma hora a gente tem que voltar para a realidade: tenho um texto de inglês para traduzir e deixar pronto para terça-feira. Um release de um cliente para estruturar e um mailing da área da saúde e esporte para formar. Se deixar tudo para amanhã, que já marquei compromisso social para a tarde, na terça-feira, quanto tiver aula e me reunir com os clientes, não terei o que apresentar. Então, chega de pagodear. Está na hora de outro verbo: trabalhar!

Comentários

Amanda " disse…
você escreve de um jeito tão único! gostoso de ler!

beijos ;)
Amanda

Bom te ver por aqui e com a Bunda Colada no Divã, de novo. Hehehe. A boa filha, a casa torna. Beijocas

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…