Pular para o conteúdo principal

Sonhos são para isso: sonhar!





A cada ano eu alimento sonhos ainda mais juvenis.
Às vezes infantis. Raramente os de uma mulher madura. Não posso evitar mais e nem tenho forças para lutar contra esses impulsos ou teimosias. Depois, sonhos são para isso mesmo: se sonhar!

Comentários

Eugenia disse…
Sonho que nada, vc ficará linda de noiva com esse sorriso lindo que tem. Se é isso que almeja vá em frente. Algumas mulheres tem filhos outras tem carreira, mas quem disse que não podemos ter os dois? Um abração amiga e ainda verei as sequências dessa foto...
Pimenta disse…
Ah, sonhar é bom, e se tu acha que o sonho é juvenil, ou infantil, então, sonha mais e mais bonito, pois ficaram guardados um tempão, e se estão soltos, de volta, devem ser sonhados, e amanhã, tu vais só ver, serão vividos!
Eu adoro rolar na cama, sonhando meus favoritos antes de levantar...
bjo
Gê, queridona, que saudades de ti por aqui guria... Eu tenho visto tantas delas pela cidade, com aquele sorriso feliz no rosto, no banco de trás, que me comovo só de falar. Sei que é possível... Mas nem noivo tenho, hehehe... Melhor sonhar. Adorei te ver.

Pimenta! Eu sonho tão gostoso, que a cama fica toda marcada de tanto que rolo nela. É sonho de que sou rica, de que ando de barco próprio, de que tô viajando, de tudo que é tipo e modelo. Já esse de novia eu sonho acordada. Mas, uma coisa eu sei: na hora de juntar os trapinhos, vai ter que rolar aliança, buquê e vestido branco. Hehehe. [corro o risco de assustar o coitado do futuro noivo] Beijo bonita
huhuahuahau...até tu tão moderninha Brutus?
Guria, essa fase mulherzinha acaba com minha reputação! Ainda bem que os brutus tb amam... Hehehehe.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Feminino e masculino

A Rosa Carvão é uma empresa feminina. Assumidamente feminina. Somos duas mulheres que uniram qualidades, parceiros, habilidades, profissões, temperamentos, sonhos, personalidades, famílias. E família tem mãe, pai, irmãs, irmãos, tem filha, tem filho. Temos participações masculinas. Amigos. Clientes homens. Lembro-me da mãe discutindo com meu pai sobre a importância de alguns cuidados. O posicionamento machista que orientava o homem lá de casa, “dizia-lhe” que devia zelar por nós: suas duas filhas e esposa. O que era completamente desnecessário. As mulheres são autossuficientes, independentes, fortes e cuidadosas. São fênix! E as do nosso lar ainda eram dominantes. Por lá, o zelo era constante. Recíproco. E o “duelo de titãs” sempre acabava saldo positivo: saúde boa para todos os integrantes da família, para todos os gêneros. Compartilhamos este exemplo porque acreditamos que é preciso discutir a relação, sempre, quando o assunto é bem-estar. Saúde. Sim. Seremos recorrentes no tema. P…