Pular para o conteúdo principal

"...estarei viva depois do prato principal?"


Está virando rotina. Todo domingo eu divido a faxina no flat em duas partes: antes e depois do cinema. Hoje não foi diferente. Comecei pelo quarto e passei para a cozinha, deixando o banheiro e parte da sala (a sala e a cozinha são conjugados] para a volta e desci para o shopping.

Lembranças é um filme simples. Com uma ótima sacada no final. Se é que dá para dizer que lembrar a tragédia do 11 de setembro de 2001 já possa ser considerado como uma boa idéia cinematográfica. Mas para a história ficcional, unir um fato real que entrou para a história dos EUA numa película é, sim, uma boa sacada. Pronto! Assumi...

Assumo também que sou uma mulher cheia de lembranças. Eu me lembro dos meus amigos de Porto Alegre e dos bons momentos que sempre tenho cada vez que os reencontro. Lembro de situações divertidas - e outras nem tanto - em família, como a gravação que o meu pai fez para um comercial de tevê. Ele, de palito risca de giz preto, chapéu, sapato branco e uma bengala [na época ele não tinha nenhum problema de circulação nas pernas]. O velho, depois de relaxar a beira do cais do porto, dançou ao pôr do sol, lindamente, um passinho que só ele sabia fazer. Lembro bem disso.

Lembro que alguns bons momentos aqui em Videira também. Alguns entre os colegas, de bobeira [e ébria], de puro riso, besteiras. Outros de amor. Pelo menos do meu mais puro amor. Lembranças é o que mais tenho. Momentos eternizados em fotografias. Outros na memória e tantos mais no coração.

No filme ou na realidade dá para usar a mesma frase: “A vida é feita de momentos”. O personagem Tyler de Remember me tem várias lembranças. Depois, a outra personagem, Ally, terá as suas também. Mas dela, a empatia foi de a respeito do primeiro encontro com seu par, num restaurante. Ela come a sobremesa antes do prato principal. E só esse fato roteirizado fez com que a personagem me conquistasse. Afinal, quem me garante “que estarei viva depois do prato principal?”

Comentários

Nanda Assis disse…
adoro estes tipos de filmes. adoro mesmo.

bjosss...
Juju disse…
Aii, deve dar uma saudade de tudoo o filme.. vou ver se assisto..
=**
Anônimo disse…
Putz guria....aquele tamanhão de kitnet e vc leva dois dias pra limpar???? Afff...quem me dera ter q limpar só aquilo....eu, desde q despachei a dita cuja, to no final de semana me acabando para deixar td limpo (no estilo Rosana de ser né....hehehehe).
To querendo tb assistir ao filme, mas o querido tava imerso em trabalho e não quis sair, então, vamos ver durante a semana se rola...
Lindas as suas lembrancas! E quem não as tem????? Ler o teu post me fez lembrar das minhas....lembranças e saudades!
Bjs da Rou.
Nanda, chorei pah caraiô no fim...

Juju's - bem bacana mesmo. vale a pena.

Rou, não perca esse, que é de "sóror saudades".

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe