Pular para o conteúdo principal

Recordar é chorar emoções



Já passam das seis e meia da tarde e o calor continua agonizante. Depois de alguns minutos de chuva intensa em Videira, voltei a ligar o ventilador, pois o sol voltou a brilhar, vigorosamente. Há uns dez anos atrás, aproximadamente, eu costumava gostar desse clima incerto de Santa Catarina. Dentro de uma barraca, num camping de Garopaba, tudo era festa e alegria. Uma hora de maiô e na hora de pijama. Na cidade, e bem mais velha, isso não tem nada de divertido...

Enfim, tento me habituar a mais essa condição na Terra do Nunca. Confesso que não é nada fácil, principalmente num domingo. Num solitário final de domingo. Principalmente, num solitário final de domingo e 24 horas depois de momentos de saudosismo, de emoção, de lembranças difíceis, mas doces.

Há essa hora, ontem, eu estava sentada em uma poltrona no auditório da Universidade do Oeste de Santa Catarina da cidade. Era a cerimônia de outorga de bacharelado da Taciana Denise Tomasi. Hoje enfermeira graduada. Ao meu lado estava a companheira de apartamento dela, a Graci, que levou um pacote de lenços de papel por que ela é uma chorona. Se dependesse dela, não teria usado nenhum... Em compensação, minha única folha ficou encharcada.

Eu me formei há oito anos, completados em 5 de janeiro último. Nesse período todo, eu burlei todas as cerimônias do tipo, por que acho muito chato. Casamentos e 15 anos eu aboli da minha vida também. Todo mundo me via sempre nas recepções e bailes. Mas ontem eu fui. A Taci é a namorada do meu amigo. Eu até cheguei a pensar em ir mais tarde, mas não o fiz. Estava lá, sentadinha. E pensei que passaria impune a emoção, não fosse eu lembrar cada momento em que recebi o título de bacharel em comunicação social, habilitação em jornalismo.

Pedi um lenço para a guria, minutos depois de tê-lo rejeitado. Minutos depois do primeiro desconhecido começar a descer a rampa do auditório e ir em direção ao palco. E em seguida aconteceram todos os flashes back possíveis: a falta de grana pro ticket do trem e pras apostilas; as festas dos cursos co-irmãos; as novas amizades (que estão comigo até hoje); as paixões frustradas; as angústias sobre um futuro incerto; as vitórias acadêmicas; os pré-conceitos e a discriminação; as interrupções; as certezas sobre a escolha, depois de muitas dúvidas; as escolhas; os erros e os acertos.

Cada um que passava carregava a esperança de novos tempos, depois da conclusão de um ciclo. Pensei que depois de muitos anos, essa sensação não fosse mais novidade pra mim, afinal, vivo o doce e o amargo da minha profissão. Estou em outra fase. Tenho outros sonhos, outras metas, expectativas, oportunidades pela frente, com os quais me preocupar. Mas não. A mente da gente é uma viagem. E ontem eu tive que recordar e lembrar um rito de passagem que, outrora foi muito importante. Talvez para que eu não esqueça nunca do caminho que escolhi e do que tive que enfrentar para chegar onde estou. Talvez, eu tivesse que me emocionar ontem, para não esquecer o quanto essa escolha me foi cara e o quanto é importante para mim.

Molhei as calcinhas ontem, de tanto que chorei. Num certo momento, a vontade que tive foi de beijar cada rosto, desejar sucesso, e agradecer pela oportunidade em relembrar. Relembrar sobre o que fui e sou, de quem esteve e está ao meu lado, do que quis e tenho agora, de reforçar as metas que me levarão para o que ainda quero ser e onde quero estar. Obrigada formandos.

Obrigada Taci!

Comentários

Lidia Ferreira disse…
belo texto amiga , emocionante , relembrar e viver
bjs
Nanda Assis disse…
q linda, adoro te ver assim.

bjosss...
Anônimo disse…
Então menina...antes de me formar, não perdia uma dessas cerimônias. Era a coisa que eu mais gostava, e ficava imaginando quando chegaria a minha vez. Depois da minha formatura, comecei a não apreciar tanto assim esses eventos, mas a recordação daquele meu dia sempre vem à toda. Também faz 8 anos que me formei. E aquele dia está todo gravado na minha memória. Afinal, foi o encerramento do ciclo mais importante da minha vida: o tempo da faculdade. Ah, e que tempo!!!! Teve coisa melhor? Acho que ainda não....aqueles anos foram os melhores, foram incríveis e memoráveis. Talvez a época mais feliz...

Rou.
Iaran disse…
Snifs.. bem lindo Elaine, Aliás, muito lindo. Obrigado... por nós. Beijo de carinho

Postagens mais visitadas deste blog

Ode aos detalhes do cotidiano

Porto Alegre, 6 de julho de 2018.
Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.
Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.
Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.
Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?
Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti n…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.