Pular para o conteúdo principal

Quer descansar? Peça as suas ferias, então!



Hoje eu acordei com vontade de já estar de férias. Olhei para o relógio e depois para o gato. 6h05. Filho da puta! Levantei e pus o bichano pra fora, mais uma vez. De repente, um pensamento mal me veio à mente. “Domingo, tu vai miar para abrirem a porta pra ti e ninguém vai aparecer...” Coitadinho! Na verdade, melhor nem pensar nessa hipótese.

Se eu pudesse, entregava o Shazan só no domingo na pet shop, final da tarde ainda por cima. Para que ele pudesse curtir um pouco mais do ar livre, do espaço que há aqui no quintal. Mas o que são 15 dias pra ele, preso, que vive diariamente na vida boa? Sim, eu sei... Deve ser o inferno. Mas, aos poucos vou embutindo em sua mente que quem vai tirar férias é ele. Ficar só no come, bebe e dorme, sem apanhar dos gatos de rua e muito menos ouvir minha conversa mole...

É... Cá estou eu já com uma dor no peito de abandonar, mesmo que temporariamente, o meu gatinho. Mas eu preciso de férias. Se não fosse eu ir correndo para sob o chuveiro, talvez não tivesse acordado o suficiente para lembrar que hoje eu saio para o ócio criativo por 15 dias. Ah, maravilhoso tempo perdido com o nada e o tudo ao mesmo tempo.

Ficarei esse tempo topo todo alheia a maior parte dos assuntos possíveis. Será como canta Nei Lisboa em “Não Me Pergunte a Hora” - Não sei nada sobre esse assunto que trazes à tona, desci lá atrás, já fui e não vou enfrentar um só minuto desse papo de salão. Porém, como hoje ainda estou "ligada", ficou chocada ao perceber a falsa intimidade entre duas pessoas. Durante o almoço e a conversa com o João, um senhor que tem surdez parcial e não fala [Sim, a gente conversa e muito. Ele mais do que eu até. Chego a cansar de interpretar], presenciei essa conversa:
- Estou saindo de férias hoje.
- Que bom! Descansa por mim então. [?]
- Que nada, eu vou é limpar a casa.

As pessoas não tem noção do abuso. Custa apenas desejar boas férias para a outra pessoa? Se quer descansar, peça as suas, oras! Não fica pondo olho gordo sobre o gozo da outra. Férias não é que nem sexo sem camisinha, que na hora H o cara pratica o coito para não engravidar a mulher [alguns ainda pensam que o método também é eficaz contra as DSTs e HIV].

Fiquei de cara com a invejosa. A outra, mais que depressa precisou achar uma desculpa esfarrapada para não ter que assumir a carga energética da oferecida. Êta povo... Só me restou pegar minhas coisinhas e ir para a casa, correndo, antes que ela se virasse pra mim e dissesse o mesmo...

Comentários

Dois Rios disse…
É isso aí, Carvãozinho, aproveita as tuas férias! Espero que voltes com o humor bem mais afiado para o nosso deleite.

Sei que as minhas visitas são bissextas, assim como as suas também, mas sempre que venho aqui saio com um largo sorriso nos diante das suas tiradas super engraçadas.

Beijos muitos e até a volta.
Inês
Silvia Palma disse…
Muito bonito pra sua cara...sai de férias e teu chefe me liga pedindo pelamordedeus pra fazer matéria das festividades durante o feriado...é pácábá..... por isso tenho direito de pedir pra vc descansar por mim...e não adianta reclamar.....hehehe
Vieira Calado disse…
Eu sempre acordei

com vontade estar de férias!...

Saudações
Oh meu Riacho, eu também saio afetada lá do Dois Rios. Hehehe, bem como dissestes, mesmo com as visitas de médico, a emoção corre solta por lá. Beijo no teu coração.

Polly - esse é o preço do sucesso guria. Quem manda ser eficiente?!

Calado, obrigada pela visita, querido. Hehehe. Espero voltar a acordar tranquila e bem disposta ao final dos 15 dias de ócio.

Postagens mais visitadas deste blog

Ode aos detalhes do cotidiano

Porto Alegre, 6 de julho de 2018.
Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.
Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.
Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.
Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?
Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti n…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Meu choro, meu coração, minhas lembranças

Não consigo me acostumar com despedidas. Com a partida. O adeus! Com o tempo a gente acostuma a não ligar mais, não programar o reencontro, a ter que perder (mais) uma referência. Mas não sou amiga do tempo. Ainda não.
Em (mais) um ano precisei reaprender uma porção de coisas. A ter uma opção a menos. E hora foi fácil, hora foi difícil. Recomeçar a vida sem a presença dela ainda marca meu dia-a-dia. Existem muitas etapas em aberto ainda para poder ser apenas a saudade. Sem o choro. Só o coração e as lembranças.
E enquanto a vida burocrática não se ajeita, agradeço aos céus por ter nascido Barcellos e Araújo. Por ter sido a irmã caçula. E por ter me despedido. Foi por pouco tempo, mas foi importante. Vejo agora, que, talvez, o tempo tenha sido meu amigo, então. Mesmo eu não entendendo...
Obrigada Pai.