Pular para o conteúdo principal

para Francisco


FOTO: Google - Francisco e Cris Guerra

eu leio e choro. mas não paro de ler, a não ser quando preciso continuar trabalhando, ir para a academia, comer ou dormir. outro sim, nas horas vagas, que tenho de sobra entre um compromisso e outro, eu leio.

folheio as páginas iniciais de "para Francisco" e não consigo deixar de me emocionar com o relato dessa história de amor. afinal, eu amo tanto também e nem cheguei a perdê-lo, já que nunca tive o objeto de meu desejo. mesmo assim, eu amo. é inevitável.

com "para Francisco" é difícil não chorar. é muito amor. amor vivido, sentido, trocado, demonstrado, omitido, dito, escrito, emudecido, acariciado. nem pensar em comparar minha história [solitária] de amor com a perda, a dor e a superação da mineira. é só que comecei o ano amorosa demais para não sentir o que perdi ou o que nunca tive com essa ladainha dela.

tem um trecho do livro que diz, que depois de dois abortos espontâneos no primeiro casamento, Cris Guerra teve um sangramento e medo de perder o Cisco. E que antes, ela olhava as gestantes na rua e pensava: por que ela pode e eu não? quando ela estava barriguda do Cisco e já sem o Guilherme, seu pensamento era outro: ela deve ter marido...

é... desse momento egoísta todos temos. de lamentar a falta, todos fazem. eu, de repente, posso nunca ter a oportunidade de sentir a presença. nem de um marido, nem de um filho. mas de uma coisa eu sei: ficaria feliz só de, simplesmente, ter meu amor retribuído.

chorumelas a parte, o livro é bom. valeu a pena esperar dois meses para que chegasse. esperar que a vontade voltasse. terminar a última leitura. é "goshtoso" sentir cada palavra. sorrindo ou chorada por ela [ou por mim].

* * *
quer saber mais sobre o livro? entra no blog da Cris Guerra. Tá tudo lá.

Comentários

jana disse…
nega sonhei contigo essa noite, sonhei que viajei até videira com um fotográfo da ZH para fazer umas fotos tuas fazendo ginástica.
kkkkkkk
quando fui liberada para voltar para casa, sentei na praça para tomar um sorvete e encontrei o david Coimbra (que eu amo de paixão)
david coimbra é meu "amigo" virtual, ja trocamos muitos e-mails, eu como fã (louca e destrambelhada que palpita em tudo) e ele respondendo como um jornalista educado, kkkkk
as vezes um pouco "saidinho", mas mesmo assim nem que ele queira (jura) troco meu gordinho por ele
kkkk
jana disse…
kkkk
vi no quadro negro o coments do are baba
"se enlouqueceu"
qdo se metia nos meus coments para vc era muito mais engraçado mesmo
kkkk
kkkk
tu arranja cada um, pô nega
vai te benzer
kkkk
Jana, o David Coimbra é horroroso pessoalmente. E jura que escreve bem. Ele seguiu aquele esquema do jornalismo esportivo e literário no jornal, deu certo, e agora deve estar enxendo os bolsos de trocados da Zero. Hehehehe. Esse povo ainda não sabe o sucesso que faço aqui no cor de rosa. Hehehe. Tb seria uma estrela, responderia muitos e-mails e ainda ia pegar uns gatinhos da terra. Hehehe.

Pô Jana, que sonho maluco esse teu. Tirar fotos minha com um cara da Zero, na academia. Que perva que tu é mesmo... Bem que disse isso pro Hakime. Viu guri, nao é só contigo que ela eh má. Ela nao poupa ninguem. Nem eu, nem tu e muito menos o PP, o namorado gordinho e nanico que ela tem. Hehehehe.

Beijo
Eugenia disse…
Olá amiga, não penses em coisas que ainda virão, fixe no presente e verá que tudo se tornará mais simples, filhos , marido e amor são importantes mais não é tudo. A realização pessoal eu te digo ninguém pode tirar de você.
Gê, querida, sei que tens razão. E vou tentaria seguir seu conselho. Na verdade, é o caminho que já havia escolhido. E é difícil... Beijo e bom domingo.
Silvia palma disse…
Me empresta esse livro já..hehe

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…