Pular para o conteúdo principal

Meu visitante ilustre


Nada melhor do que começar o ano com visitinhas. Dessa vez, não é a Mimi e nem a Tia Ica com a mamy. É o meu querido, e um dos melhores amigos, Alexandre. Um professor errante, que agora voltou a ser estudante: quer ser programador de jogos eletrônicos. Até vou ter um jogo baseado em minha vida. Lógico, exclusivamente para adultos...

Pois então, esse ser lúcido e louco, lógico e irracional, bonito e displicente, alternativo e vaidoso está chegando. Nesse exato momento estou saindo de casa para ir, lentamente, buscá-lo na rodoviária. Depois de quase quatro anos de promessas, melhor eu não deixar o bicho sozinho na cidade. Ele bem que é capaz de ter seus 2” de loucura, fretar um busão e cair fora, num piscar de olhos.

Estou tão contente, que há dois dias imagino o domingo, sozinha, com ele. E hoje já é domingo. Iupi! Tenho tanta conversa para falar, tantos assuntos para por em dia, comentários, dúvidas, perguntas para fazer e outras para responder. Afinal, fazem quatro anos que a gente não tem momentos só nosso. Nossos barcos seguem cursos diferentes, mas, pouco mais de uma semana as duas embarcações estarão no mesmo ancoradouro.

Fiz tudo que podia imaginar para preparar sua chegada. Limpei a casa, fiz compras no super, fui a feira, e, claro, no salão de beleza. Ainda penso que deixei alguma coisa de lado, mas tinha apenas um dia inteiro para isso. Ao mesmo tempo sei bem que ele não irá se importar se faltar alguma coisa. A única certeza é que a geladeira está cheia de derivados de leite e ovos.

Duro será o que cozinhar para o ovolactovegetariano que ficará comigo por esses dias... Pior, a falta que terei de carne vermelha será forte. Minha [falsa] dieta é que vai melhorar. Ah, se vai...
postagem programada.

Comentários

Luci Cardinelli disse…
Que texto gostoso de ler logo cedo num domingo. Amigos é tudo na vida da gente.
Desejo que tenham dias maravilhosos e muuuita conversa boa :)

beijo
jana disse…
vc escreveu esse texto antes das 7 da matina? sei, sei. por isso que em Poa esta caindo o mundo. kkk
vegetariano? hum, deixe me ver...
que tal uma "beringela", uma "pocã" com aquele gominho bem gordinho, e de sobremesa quem sabe uma "rosca". kkkkkkk
diliciaaaaaaaaaaaa
vou esperar 10 dias para saber o final da visita
Pp disse…
lactovegetariano?
ele não come carne vermelha, carne "PRETA" ele come?
Silvia Palma disse…
Nêga...to sabendo que tua visita foi parar no Divino Salvador..... comeu uma rabada e se intoxicou...uahuahuahua

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Quati

Ai, acho que estou com um desses nas costas, me tirando as forças e me deixando sem a capacidade de pensar direito... Hummm... Talvez precise voltar pra cama assim que terminar a introdução do meu trabalhinho. Melhor, da produção do conhecimento... [hihihi].