Pular para o conteúdo principal

Não compre! Adote.


A nova campanha do PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), que mostra a ex-coelhinha da Playboy Joanna Krupa nua, com asas de anjo, auréola e um crucifixo gigante tampando seus seios e genitália, enfureceu a igreja católica.
A foto angelical foi usada pela entidade de proteção aos animas, para promover a campanha de adoção de animais abandonados, e tem como slogan a frase: "Seja um anjo para os animais. Nunca compre, sempre adote".
Mas, a Igreja não gostou, mesmo que a campanha seja para proteger seres vivos indefesos.
O PETA faz campanhas controversas e chocantes, porque seu objetivo é chamar a atenção do maior número de pessoas possível. Mas, por mais bem-intencionada que seja a causa, ainda pode ser criticada.
A Igreja alegou que a entidade usou imagens de cunho religioso de forma totalmente inadequada.
“Esta é mais uma ocorrência de desrespeito para com a cristandade e outro exemplo de abuso que não deveria ocorrer com qualquer religião, porque a reação será imediata e tão intensa, que forçará as pessoas por trás disso a se retratarem rapidamente”, disse Deal Hudson, editor do site InsideCatholic.com à Fox News.
O presidente da Liga Católica, Bill Donohue, declarou:
“O fato é que gatos e cães estão muito mais seguros em pet shops do que nas mãos dos funcionários do PETA”.
“Fora isso, as pet shops não se apropriam da iconografia cristã para chamar atenção para assuntos não religiosos”.

fonte: O Fuxico
p.s.: que saudades das campanhas publicitárias da Benetton. isso sim era polêmica, sempre!

Comentários

Douglas disse…
Religiosidade à parte, cumpriu um primeiro objetivo: chamar a atenção.

Resta sabe se isso fará com que as pessoas optem pela adoção de animais, no lugar da compra.
Intessante é que o debate seja gerado. Depois disso, com a polêmica, o projeto vem a mente das pessoas... Espero eu. Hehehe.
Isso me faz lembrar a época em que a Madonna era mais doidinha e vivia gerando polêmica com aquelas roupas de brechó e aqueles montes de crucifixos, criticando o Papa e tudo aquilo que chamava a atenção da Igreja. Ele chegou á recusar um convite do Papa para conversar pessoalmente com ele, uma ousadia incrível, visto que foi há mais de 20 anos atrás. Acho que ajudou ela, também, a chamar mais a atenção do público.
Sempre vai ter gente provocando as religiões, por vários motivos, e isso é um reflexo dos tempos em que vivemos, em que não há mais uma autoridade central que domine toda a sociedade. Ainda bem que a humanidade está cada vez mais longe das teocracias do passado, pelo menos no Ocidente. Viva a democracia! Cada um tem o direito de manifestar seu pensamento da forma que bem entender, contanto que não haja agressão muito violenta. Mas a campanha foi por uma boa causa, por que condenar? E, mesmo que fosse algo ruim expor crucifixos junto ao corpo de mulheres nuas, ainda valeria aquela do bem e velho Maquiavel - "Os fins justificam os meios".
Beijão amiga.
Au revoir.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe