Pular para o conteúdo principal

Dia da Consciência Negra


Por MSN, há vários dias, minha prima, que reside em Curitiba há um tempão pediu minha opinião sobre o 20 de novembro. O Movimento Negro Unificado ressalta a data como a mais importante para a raça, para a cultura negra, afinal, a data é representativa a Zumbi dos Palmares. Para mim, atualmente, datas são indiferentes. Mas no Brasil tem um dia para se referenciar tudo. Até o orgulho negro...

Porém, o importante mesmo é o cotidiano. É vencer batalhas do pré-conceito e da discriminação que ronda pessoas de todas as idades e em vários lugares do país. De todas as classes sociais. E ainda hoje, tudo que tem de ruim, de negativo, sem valor, desnecessário é do negro, é do escuro, é nosso. Mudar isso é um trabalho de todos os dias, como Zumbi fez.

Em algumas partes do Brasil, como Rio de Janeiro e São Paulo, hoje é ferido em honra o Rei dos Palmares e sua luta. Hoje, nesses lugares, todo mundo adora o negro de certo - "brancos, amarelos e os próprios pretos", citando cores. Feriado pra que? Pra ficar jogado ao sol com um copo de caipirinha numa mão e o bronzeador na outra? Para isso existem férias e nós nem precisamos nos bronzear. Já nascemos assim, naturalmente.

Eu moro numa cidade onde a cultura é italiana e alemã. Não há lugar onde eu tenha vivido [e vivo ainda] mais situações preconceituosas, inclusive, partindo até dos próprios negros daqui. Aqui não tem gente, tem negrada, como dizem os 'não afrodescendentes'. Às vezes eu canso e finjo não ouvir. Às vezes eu "brinco" e retruco. E não é por nada que as pessoas ficam constrangidas quando me ouvem rebater tal absurdo. Afinal, eu não saio por aí menosprezando a gringaiada. E não é por que sou minoria não. Não acredito nisso. Acredito sim, em respeito.

Na verdade, essa é uma luta que não tem fim. Que digam o contrário, milhões de pessoas... Eu sou do contra mesmo. Também nasci assim. E se pudesse escolher, todas as vezes que 'cor' ter, de que raça ser, não exitaria, sem sombra de dúvida: "Ô Paí, Ó", me manda 'preta' de novo, por que eu gostei da brincadeira.
.
Creio que já deu para perceber que eu acho o negro lindo, mais humano e com menos amargura. Um ser carismático e inteligente. A gente só se disfarça perante os menos favorecidos... E tenho tido!

Comentários

Nanda Assis disse…
as pessoas negras são tão lindas, uma cor bonita, acho tão especial. nos de pele mais clara vivemos torrando no sol p tentar ser como os negros e ainda tem gente bobo no mundo. linda sua materia.

bjossss...
Eu també adoro negros...machos...huahauhauha

Belo texto....me fez lembrar da piadinha do meu fã ontem à noite....relax nêga, a cor da pele não é sinônimo de nada...o que importa é o que vai dentro do coração...
Rosana disse…
É, aquela de ontem foi pacabá, mas considerando o ser q falou aquilo, melhor nem levar em conta mesmo!
Negros são lindos, não envelhecem, não criam rugas....eu branquela sim que sofro com isso...rsrsrsrsrs!
Opa, negão...já fui fã tb...minha nossa! kkkkkkkkkkkkkkk
Rosana disse…
ah, esqueci de dizer q essas bolinhas são iguaizinhas àquelas do vestidinho...uhauhauauhauhaua
Morro em uma cidade próspera e totalmente racista, aqui negro não tem vez não...Emprego bom só ser em cargo público e as mulheres bonitas são taxadas de ladras de marido pode isso? Quanta ignorância não é mesmo...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe