Pular para o conteúdo principal

Porto Alegre in concert



Vocês já sabem que tenho tido uma forte vontade de voltar para Porto Alegre. Fico ouvindo os prós e contras que se formam em meus pensamentos há tempos. A idéia está em construção, mas na verdade o que falta é coragem.
Hoje em dia já não tenho contras estruturais a idéia de permanecer em Videira. Já estou adaptada a infra-estrutura da cidade - que não vai mudar só porque minhas referências são outras – e os meus pré-requisitos estão sendo atendidos. Ou seja, já me sinto a vontade com o que a cidade oferece e com a cultura dos nativos. Para completar, tenho ampliado meu círculo de amizade com pessoas queridas e sem a menor pretensão ou interesse, além do riso fácil, da harmonia e do bem-estar. Com pessoas que lembram de ti pelo que elas percebem do seu ser. Isso é importante para mim.
Os relacionamentos sociais sempre foram importantes para mim, assim como o trabalho. Isso é o que está pesando agora. Eu sempre faço uma análise pessoal e profissional quando faço aniversário e no ano novo. Até agora não entendo como não prosperei profissionalmente. E não falo só em questões econômicas, mas em aprendizado, em aperfeiçoamento. Sinto-me estagnada. Nem notícias tenho lido para me manter informada. Se estivesse em outro ambiente, isso não aconteceria, porque quem não corre atrás de um currículo atualizado é um profissional defasado. E talvez esteja relaxando porque não esteja me sentindo ameaçada, além do meu próprio senso crítico. Sim, tenho senso crítico e ele só me fode, podem crer!
Por outro lado, quando alguém me cumprimenta pelo meu trabalho, e eles falam da coluna Cor de Rosa e Carvão, eu fico animada. Me dá um up grade e volto a pensar que aqui é o meu lugar e que devo continuar fazendo meu trabalho, buscando me aperfeiçoar para quem me dá valor. Ponto para a situação novamente...
Hoje minha amiga Márcia (adoro ela), que estava trabalhando em Erechim, me deixou um recado dizendo que está de volta a sua casa e que era para eu telefonar. Fiquei feliz porque ela, assim como eu, sempre tivemos aquela idéia de que esses períodos em nossas vidas era passageiro. O dela durou 12 meses e o meu irá completar 36 meses no dia 16 de janeiro de 2009. A única diferença agora é que penso em outras alternativas, como cidades que me parecem ofertar outras oportunidades, mas aqui mesmo, em Santa Catarina.
Vem de novo os prós da situação: novos amigos, verão e incremento na vida social, adaptação física, trabalhos extras e, por conseqüência, aumento no orçamento doméstico. Tudo isso contra um, dos dois grandes pilares do meu ser: minha estabilidade emocional. Aí, até a possibilidade de afogar as mágoas no Rei do Peixe – primeira praia do Litoral Norte gaúcho -, fácil de ir e de chegar (40 minutos e dá para fazer “tibum” na água gélida e salgada) é ponto mais que positivo...
Aí vocês me perguntariam: Isso tudo é motivo? Ou então diriam: Isso é fuga! Cresce e enfrenta a vida. Do outro lado, do meu lado, viria: ...


Comentários

caurosa disse…
Olá Cor de rosa e carvão, esta cidade é de uma luz, viver ai deve ser um grande prazer. Paz e harmonia para você.

Forte abraço.

CAUROSA - caurosa.wordpress.com

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…