Pular para o conteúdo principal

Porto Alegre in concert



Vocês já sabem que tenho tido uma forte vontade de voltar para Porto Alegre. Fico ouvindo os prós e contras que se formam em meus pensamentos há tempos. A idéia está em construção, mas na verdade o que falta é coragem.
Hoje em dia já não tenho contras estruturais a idéia de permanecer em Videira. Já estou adaptada a infra-estrutura da cidade - que não vai mudar só porque minhas referências são outras – e os meus pré-requisitos estão sendo atendidos. Ou seja, já me sinto a vontade com o que a cidade oferece e com a cultura dos nativos. Para completar, tenho ampliado meu círculo de amizade com pessoas queridas e sem a menor pretensão ou interesse, além do riso fácil, da harmonia e do bem-estar. Com pessoas que lembram de ti pelo que elas percebem do seu ser. Isso é importante para mim.
Os relacionamentos sociais sempre foram importantes para mim, assim como o trabalho. Isso é o que está pesando agora. Eu sempre faço uma análise pessoal e profissional quando faço aniversário e no ano novo. Até agora não entendo como não prosperei profissionalmente. E não falo só em questões econômicas, mas em aprendizado, em aperfeiçoamento. Sinto-me estagnada. Nem notícias tenho lido para me manter informada. Se estivesse em outro ambiente, isso não aconteceria, porque quem não corre atrás de um currículo atualizado é um profissional defasado. E talvez esteja relaxando porque não esteja me sentindo ameaçada, além do meu próprio senso crítico. Sim, tenho senso crítico e ele só me fode, podem crer!
Por outro lado, quando alguém me cumprimenta pelo meu trabalho, e eles falam da coluna Cor de Rosa e Carvão, eu fico animada. Me dá um up grade e volto a pensar que aqui é o meu lugar e que devo continuar fazendo meu trabalho, buscando me aperfeiçoar para quem me dá valor. Ponto para a situação novamente...
Hoje minha amiga Márcia (adoro ela), que estava trabalhando em Erechim, me deixou um recado dizendo que está de volta a sua casa e que era para eu telefonar. Fiquei feliz porque ela, assim como eu, sempre tivemos aquela idéia de que esses períodos em nossas vidas era passageiro. O dela durou 12 meses e o meu irá completar 36 meses no dia 16 de janeiro de 2009. A única diferença agora é que penso em outras alternativas, como cidades que me parecem ofertar outras oportunidades, mas aqui mesmo, em Santa Catarina.
Vem de novo os prós da situação: novos amigos, verão e incremento na vida social, adaptação física, trabalhos extras e, por conseqüência, aumento no orçamento doméstico. Tudo isso contra um, dos dois grandes pilares do meu ser: minha estabilidade emocional. Aí, até a possibilidade de afogar as mágoas no Rei do Peixe – primeira praia do Litoral Norte gaúcho -, fácil de ir e de chegar (40 minutos e dá para fazer “tibum” na água gélida e salgada) é ponto mais que positivo...
Aí vocês me perguntariam: Isso tudo é motivo? Ou então diriam: Isso é fuga! Cresce e enfrenta a vida. Do outro lado, do meu lado, viria: ...


Comentários

caurosa disse…
Olá Cor de rosa e carvão, esta cidade é de uma luz, viver ai deve ser um grande prazer. Paz e harmonia para você.

Forte abraço.

CAUROSA - caurosa.wordpress.com

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe