Pular para o conteúdo principal

O Centro



Há alguns meses converso com a Jana Cabeluda sobre os trigêmeos. Os meus trigêmeos. Porque dos dela sei que são mais de um apenas. Enfim, para evitar um procedimento cirúrgico eu faço de tudo e acreditando. Ainda mais se houver ligação espírita.
Então lembrei que uma vizinha havia feito uma cirurgia pelo espaço para corrigir uma deficiência visual. Ela disse que usava lentes fundo de garrafas a infância dela todinha e aos 18 anos, a Eliane fez três procedimentos espirituais. E depois passou a usar lentes de contatos. O pai da Jana também fez, mas foi pelo Centro Tupiara, no Rio de Janeiro. No caso dele o procedimento espírita estabilizou o seu estado de saúde, não agravando seu quadro. Então ele seguiu com seu tratamento pela medicina tradicional.
Desde que descobri sobre os trigêmeos, em 2006, evito ter que me submeter a uma cirurgia. Minha médica disse que é super segura e de fácil recuperação, ideal para quem ainda não tem filhos como eu. O único problema é que depois de tantas idas e vindas a hospitais, eu simplesmente não quero. Foi nesse momento que pensei em procurar um tratamento espírita e pedi o endereço do Centro Tupiara para a Jana. Ela prontamente me enviou, mas como meus exames estão desatualizados decidi buscar apoio local.
Sim, estou freqüentando um centro espírita aqui em Videira, que na verdade sempre pensei em conhecer, mas protelei por pura preguiça. Diziam que tinha fila, que era demorado e que até exploravam financeiramente os crentes. Bobagem! Pura bobagem... Se tivesse ido antes, talvez meus miomas não tivessem aumentado, eu estivesse mais centrada, equilibrada emocionalmente. Não sei. O que apenas entendo é que a fé move montanhas e eu acredito nisso. Então, porque não mover os meus trigêmeos? Pelo menos até eu voltar a minha médica.

* * *

I believe in angels
Tenho dormido melhor há uma semana. Durmo a noite inteirinha (com exceção quando o baby quer sair para fazer cáca ou qualquer outra coisa às 5 horas da manhã. Então, eu abro a janela, faço xixi, tomo água e volto a dormir até às 7 ou 7h30, dependendo do dia e dos compromissos matutinos. E sim, acordo disposta, sem sonhos alucinantes, como antes. Quer a receita? Peça ao seu anjo da guarda que zele pelo seu sono. Que traga-lhe luz e percepção sobre seus sonhos. Que lhe dê a capacidade para interpretá-los. Peça a seu anjo protetor – Yes! I believe in angels – que lhe proteja. Pronto! Tenha bons sonhos.

* * *
Xô capeta

Também acordei para algumas outras coisas. Entre elas, que estava afastada das minhas crenças. E como diz o dito popular – “cabeça vazia, casa do diabo”. Ou algo assim. Xô capeta, porque esse corpitcho aqui, roliço e cheio de curvas, nunca te pertenceu. (risos) Posso dizer que sou de todo mundo e que todo mundo é meu também, mas tu estás fora de cogitação.




Comentários

Silvia disse…
Deus abençoe!!!
janaína disse…
nane eu tenho 3 miomas útero e endometrioma ovário direito. eu sou a prova viva de que cirurgia pelo espaço é realmente eficiente, vc sabe disso. não parei com o tratamento médico, na verdade um complementa o outro...
meu endometrioma reduziu consideravelmente de tamanho e os miomas estão seguindo o mesmo caminho.
vc vai conseguir o resultado esperado, confie.
bj

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…