Pular para o conteúdo principal

Mais uma vez...


...a rotina recomeça toda segunda-feira para quem trabalha num jornal semanal como eu. Depois de fechar a edição na quinta (de ficar psicografando o dita todo), a busca de idéias e notícias para a próxima edição está de volta. E, como sempre, estamos na luta pela elaboraçao de um trabalho interessante para o leitor.
Modestamente, estou satisfeita com as últimas semanas. Depois de um período onde até aniversário de cachorro era notícia, as duas ou três últimas semanas foram de "bom tom", digamos assim. Na comparação com os concorrente, creio que estamos bem colocados. O difícil vai ser manter o nível, he he he.
Em conversa com um amigo e colega de profissão, hoje no início da noite, concluímos que essa vida não é para nós termos para sempre. Não a profissão de jornalista, mas a atividade de repórter diário ou, no meu caso, semanal. A um esforço mental muito grande e um comprometimento maior ainda para quem atua em veículos de comunicação em cidades pequenas. Tá, tudo bem, Santa Maria é infinitamente maior que Videira, mas a característica de "interior" revela muito da cultura e comportamento de pessoas e corporações. Interfere diretamente na vivência de uma sociedade. Resumindo, é quase tudo familiar nas relações...
Quando o desânimo e o descontentamento começa a aparecer, significa que está na hora de mudanças. Pelo menos para mim. Hora de mudar o cotidiano profissional, de agregar benefícios, conhecimento, de fomentar o crescimento. Senão não dá para manter.
Essa semana eu ganhei um "plus". Uma senhora me parou na rua, perto de casa, e perguntou se eu escrevia para o jornal. Disse que sim, já pensando que ela iria reclamar de algo que tivesse escrito. Maria Salete entao sorriu para mim e disse que adora minhas crônicas. Fiquei tão feliz em ter contato com uma leitora! Em poucos minutos ela me contou que estava estudante, concluindo o ensino médio na classe da terceira idade. Ela também escreve, mas poesias e poemas. Ama redigir! Ressaltou que quando a professora de português pede a eles para fazer um texto de 15 linhas, ela escreve 30. Eu sorri e disse que ocorre o mesmo comigo. Fiquei ainda mais contente quando vi o sorriso de satisfação dela ao pedir-lhe um poema para publicar na minha coluna...
Nos separamos, indo uma para cada direção, mas ambas como se tivesse recebido um presente.

Comentários

o casalqseama* disse…
hmmmmmmmm
estás com tudo, hein?!

que assim seja e permaneça!

vc poderia publcar algumas dessas crônicas aqui, né?! =D

tem presente procê!

bjs da fê*

(rimou! rsrs)
Nanda Assis disse…
amiga adoro sua paixão pelo o que vc faz. é esse o segredo do suscesso.

bjosss...
o casalqseama* disse…
menina linda,
fiz um pequeno ajuste no selo autenticidade. peço que pegue esse que fiz agora, que está mais clean, e exclua o primeiro.



ah, sobre participar dos contos... tudo é negociável! quanto vc vai nos pagar para colocarmos o seu nome lá???

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

é uma ótima idéia a participação de gente real!

bjs da fê =D

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…