Pular para o conteúdo principal

Ilusões



Na última quinta-feira (2) passei o dia trabalhando com pensamentos pecaminosos. Hora e meia estava eu com um sorriso iludido no rosto ou explicitando um "Elaine, pára com isso". Frequentemente... Tinha que fazer isso se quisesse me concentrar e trabalhar em paz. Foi difícil. E não consegui.

No sábado eu sonhei. Sonhei que o amor da minha vida (pelo menos por enquanto) estava ao meu lado, feliz comigo e eu com ele. Sonhei que tínhamos um cotidiano como todo casal perfeito, na minha opinião, tem: simples, com problemas, mas juntos, sempre juntos, dialogando em prol do amor e da boa convivência (na prática ele não é adepto a falas, tá, tá, a maioria dos homens não gostam de discutir a relação). Era como se meus desejos de uma vida normal, com família e planos conjugais, tivesse se materializado.

Hoje, pela manhã - é sempre no "segundo sono", aquele que temos quando insistimos em dormir além do horário - sonhei com o Papai Noel. Que eu estava na praça da igreja central da cidade, refletindo com meus pensamentos e ele, um velho gordo e de barba longa e branca, um maltrapilho, parou ao meu lado e fico a observar minha angústia. Eu olhei para ele e entendi que eu poderia pedir o que quisesse naquele momento. E assim o fiz. Pedi a ele que tirasse o amor e o desejo do meu coração e corpo e me desse novos sentimentos, uma outra pessoa a quem amar e desejar e que também nutrisse os mesmos sentimentos e sensações por mim. E assim ele o fez.

Quando cheguei em casa, falei do que tinha acontecido comigo para a Silvitcha, minha amiga. Sobre o que tinha acontecido comigo naquela noite e a primeira coisa que disse foi que fui egoísta ao fazer um pedido impulsivo ao bom velhinho. Ao invés de ter pensado em mim, unicamente, deveria ter pedido saúde para os meus pais; pois de amor, desejos e tesão, ninguém morre nessa vida...

Comentários

Nanda Assis disse…
amiga sonhar é o nosso combustivel. meus sonhos geralmente acontecem, sempre que sonho acontece espero que com vc seja assim.

bjosss...
o casalqseama* disse…
realmente, não se morre por isso, mas deixamos de viver... ao menos em alguns momentos! não se sinta egoísta, afinal, não é o papai noel que dá saúde, paz e etc à nossa família, vc apenas enfatizou algo que está te tirando o sono nesse momento... uma m***** qdo isso acontece, mas tem uma frase budista que sigo muito:

"o que serão os teus desejos, serão as tuas vontades; o que serão as tuas vontades, serão os teus atos; o que serão os teus atos, serão os teus desejos realizados"

o nosso tempo é diferente do tempo do papai do céu, claro que temos que fazer acontecer também.

que esse momento passe e teu desejo seja realizado... os que pensam e se expressam com o coração e inteligência têm o meu apoio e carinho!

bjs, fê*
Elaine " pára com isso", vendo essa foto, a imaginação se solta.
Assim vai virar um poema
Maurizio
janaina severo disse…
caralho o melhor post dos ultimos tempos...
saúde para os teus pais o bom velho la de cima vai se encarregar com certeza, esteja certa disso...
tomara que esse pedido se torne realidade em breve, "sonha" com isso com estiver BEM ACORDADA
rsrsrsrs
desculpa, vc sabe o que eu penso sobre esse assunto.
bj

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…