Pular para o conteúdo principal

Uma tarde de exaustão física e bolhas nos pés


Essa campanha política está acabando com a minha criatividade jornalística e minha disposição física. Toda terça e quartas-feiras tenho que usar a imaginação e sair peregrinando pela cidade em busca de matérias. Às vezes consigo uma, outras, nem isso. Mas essa é a vida de jornalista do interior, sem carro ou moto (nem sei dirigir motoca mesmo e ainda morro de medo) e agora sem carona.

Ainda bem que no próximo Domingo (5), o povo de Videira vai eleger seu próximo gestor público, juntamente com as outras centenas de municípios desse país varonil. E na próxima semana, todos vão voltar ao normal - ou pelo menos a maioria. Um deles será o diretor e dono do jornal ao qual escrevo. Voltarei a andar de carro toda semana, exibir minha sandália linda e nova sem destruí-la nesse calçamento mal feito que temos e ainda vestir minhas saias e vestidos, sem ter que ficar com os coxões assados.

Por enquanto tenho mais cinco dias de cuidados extremos com pés com bolhas, por trilhar demais numa tarde morna e atrás de defunto que emerge das profundas do Rio do Peixe e de orientações eleitorais da Justiça, que decidiu se antecipar a ter que tardar. E amanhã tem mais velhinho... C'est la vie!

Comentários

saudades de voce, apareça mesmo cheia de bolhas, o bom do blog, é que passar lá não cansa nem dói,
no máximo pode assar os coxões.
Maurizio
jana disse…
rs rs rs a sandália por enquanto esta guardada, por que o calçado da foto é um tamanco.
vc está ficando igual ao povo barriga verde (oi seria amarela) de videira com os pés rachados. he he he he
Nanda Assis disse…
gostei da tatuagem.
que bom que ta acabando mesmo né?

bjosss...
caurosa disse…
Minha cara Rosa e Carvão, espero que o seu, o nosso esforço seja compensado.
Que no dia 5 de outubro, os cidadãos eleitos pelo voto popular, assumam as suas promessas de campanhas, para o bem de todos e de nossas cidades. Paz e harmonia para ti.

Forte abraço

CAUROSA - caurosa.wordpress.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…