Pular para o conteúdo principal

Rumo aos 34 - Devaneios II


Moçambique vivia seu movimento histórico há 34 anos. A nação estava rumo a sua independência dos colonos brancos. Tudo ainda se explicita complexo para mim, mas aparentemente, Fremilo era o autor da revolta que libertaria os africanos do processo de conolinação Portuguesa.

Em outras partes do Mundo, os virginianos Paulo Francis, Arnaldo Antunes, Oscar Magrini, Victor Fasano, Keanu Reeves, Salma Hayek fazem aniversários nesta data, comemorando mais um ano de vida (com exceção do irreverente Paulo Francis, claro). De novo, em outra parte do mundo, mas mais perto do Brasil (eu acho), a Frente Sandinista de Libertação Nacional, na Nicaraguá, invadia uma festa em homenagem a um embaixador americano, fazendo vários reféns. Era o protesto de militantes contra décadas de um governo oportunista e ditatorial da família Samoza, que defendia os direitos da burguesia.

E eu, aqui na minha vidinha pacata, simplória e egocêntrica (muito bem colocado pelo Perro Periodista no último post) me lembrei que este ano não vou repetir o trágico 7 de setembro de 2007. Nada de ficar sozinha, numa sexta-feira de feriado nacional, numa cidade do interior; sem amigos, sem as tias véias do interior, sem o brega, mas menos deprimente do que brindar sozinha com espumante, "parabéns a você!" Ufa!


“Não estou disposto a entregar minhas armas.

Morrerei com os poucos que me acompanham,

porque é preferível morrer como rebeldes,

a viver como escravos”


Augusto César Sandino


Comentários

Eduardo disse…
Estava pensando na vida e me perguntei: quando eu parei de sonhar? Digitei no google esta frase porque tinha certeza que era de alguém. Foi então que eu vi seu texto de dez/2007... impressionante como tudo que vc escreveu há quase 1 ano é o que eu sinto agora... serve de alento saber que existem outras pessoas que passam ou passaram pela mesma coisa. Te adicionei no yahoo mesenger, eu quase não uso, mas gostaria de poder falar com vc.

Até,
Eduardo
Nossa Eduardo... Esse lance de achar no Google me assusta. A gente escreve tantas coisas e de repente, vem tu e desencavoca o dito post. Fui relê-lo... Não mudaria uma vírgula do disse na época e para mim parece tão atual quanto pra ti, com exceção de um detalhe: estou me recuperando. Eu acho! Conversamos...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…