Pular para o conteúdo principal

Aos 34, sem devaneios (ainda...)



Enfim, mais um ano na idade das mulheres de Balzac. Trinta e quatro anos sem devaneios, apenas a pura, simples, complexa, bela, feia, triste e alegre realidade. Não houve nenhuma grande transformação, nenhuma grande surpresa, apenas momentos, porém, deliciosos. Um belo reinício de carreira, num Domingo (7) de sol, de amor e alegria. Assim foi meu aniversário: lindo!
Enquanto eu amanhecia “mara” e confortavelmente na casa da minha tia Ica, alguns deveriam estar lembrando, do outro lado do oceano, o Acordo de Lusaka. Sim, há 34 anos foi firmado, oficialmente, o que já vinha sendo tramado há dias na África do Sul. Os comentários em blogs e site que retratam o genocídio que aconteceu em Moçambique, é que nunca na história de Portugal contemporâneo houve algo desta envergadura perpetrado por portugueses contra portugueses. Ainda contraditório para mim, alguns site relatam o drama da população branca de Moçambique e falam da população negra, como “outras”. Mas o que é consenso em todos os sites de pesquisa é que a nação foi entregue aos terroristas, na surdina.
Alguns ainda relatam que os negros, revoltados com o acordo “ariano”, digamos assim, começaram a matar todos os brancos, inclusive animais que tivessem a pigmentação. Era a revolta deles pela rendição silenciosa que acontecia a Moçambique. Nisso tudo, os comunistas, que estavam de olho no povo, passaram a “orientá-los” depois de anos de domínio português. Tem um livro, que está na sua quinta edição e parece que conta tudo o que aconteceu há 34 anos, ali, do outro lado do oceano: “Aqui - Moçambique Livre”, de Ricardo Saavedra.
Mas de volta aos tempos de hoje, estava eu feliz e alegre, cheia de mimos entre os Barcellos e os Araújo e ainda amigos que, surpreenderam-me com suas visitas, quando, enfim, completei 34 anos. Meus pais estavam felizes, eu estava feliz, meus irmãos estavam felizes. As tias do interior e da cidade igualmente, assim como os primos do peito, que compareceram para me prestigiar e automaticamente, ao meu pai também.
Esse só tinha sorrisos e felicidade, que mal cabia no meio corpo que o acompanha atualmente. Começou a sorrir na sexta-feira pela manhã, quando cheguei, depois no sábado de madrugada, quando minha irmã e prima chegaram. Ele estava tão contente que nem queria dormir, para aproveitar bem todos os momentos. Mas todas as quatro noites em que passei em Porto Alegre (corrigindo: três em casa), eu o expulsava da minha cama (o chão da sala). O velho, que já não acorda mais cedo há dez anos, “pulava” da cama lá pelas 8h30 – isso é cedo para ele.
Foi tudo uma maravilha e superou minhas expectativas. Simplesmente o melhor aniversário que já tive. Melhor que meus 15 anos. Melhor que as festinhas temáticas nos diversos bares da capital gaúcha. Melhor de toda a minha vida até agora... Ganhei presentes: uma cesta de produtos de higiene e beleza completinha; envelopes das tias da cidade (com dinheiro, claro, He He He); um livro embalado numa sacola ecológica da Livraria Cultura (da minha amiga Mirela e da Dani – sua irmã); as passagens para casa, dos meus pais; os serviços da minha cabeleireira – minha irmã e prima; sabonetes cheirosos e um hidratante da minha atual cunhada e do meu irmão e outros mais... Daqui de Videira, a Silvitcha me deu um creme hidratante para o rosto, de erva doce, e sabonetes, da Natura, também numa sacola linda. Tudo uma delícia... E ainda ganhei uma caixinha de bombons do dono do mercado do bairro.
Foi a melhor festa que tive, mas não pelos presentes. Esses, é claro, eu adoro, mas eles não se comparam com a magnitude dos quatro dias ao lado da minha majestosa e maravilhosa família. Essa que há tempos não se reunia e de quem eu sentia infinita saudades nos últimos meses. De quem gostaria de estar ao lado este final de semana de novo. Esse foi meu big presente: estar ao lado deles. E pela foto aí de baixo, do post “De volta...”, podem ver como é grande mesmo!

Comentários

o casalqseama* disse…
pareabééééééns!!!

no fim do ano entro na era de balzac... rsrs


bjs, fê*
Nanda Assis disse…
muitas felicidades sempreeee!!!
queria muito ter estado ai, mas infelizmente, tenho que abraça-la virtualmente. mas deixo um presente pra vc no meu blog, no próximo post.
bjosss...
Dois Rios disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Dois Rios disse…
Querida Elaine!

A família é como a coluna vertebral. Sem ela teríamos dificuldades para levantar, andar e caminhar. Ela é que nos alimenta, revigora, acalenta e, mesmo distante, sempre nos dá a sensação de que não estamos sós.

Que bom que você se esparramou no aconchego dos seus familiares e amigos. Que bom que você ficou feliz.

Meu beijo especial pelos seus 34 anos de vida, e meus desejos de muitas alegrias, parcerias, amores, sucesso profissional e, principalmente, realizações pessoais.

Com imenso carinho,
Inês
Anônimo disse…
Jeane ॐ
RS (Gravataí, Cachoeirinha, Viamão) - jornalistas
O Grupo CG está selecionando jornalista para os três jornais: Correio de Gravataí, Diário de Cachoeirinha e Diário de Viamão (RS).

Horário:
teoricamente das 9h às 16h

Remuneração:
Piso salarial de Jornalista (interior)
R$ 1.087,73
Mais VT, Plano de Saúde

Enviar currículos com uma matéria para

redacao@correiodegravatai.com.br ou rafael@grupocg.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…