Pular para o conteúdo principal

Aos 34, sem devaneios (ainda...)



Enfim, mais um ano na idade das mulheres de Balzac. Trinta e quatro anos sem devaneios, apenas a pura, simples, complexa, bela, feia, triste e alegre realidade. Não houve nenhuma grande transformação, nenhuma grande surpresa, apenas momentos, porém, deliciosos. Um belo reinício de carreira, num Domingo (7) de sol, de amor e alegria. Assim foi meu aniversário: lindo!
Enquanto eu amanhecia “mara” e confortavelmente na casa da minha tia Ica, alguns deveriam estar lembrando, do outro lado do oceano, o Acordo de Lusaka. Sim, há 34 anos foi firmado, oficialmente, o que já vinha sendo tramado há dias na África do Sul. Os comentários em blogs e site que retratam o genocídio que aconteceu em Moçambique, é que nunca na história de Portugal contemporâneo houve algo desta envergadura perpetrado por portugueses contra portugueses. Ainda contraditório para mim, alguns site relatam o drama da população branca de Moçambique e falam da população negra, como “outras”. Mas o que é consenso em todos os sites de pesquisa é que a nação foi entregue aos terroristas, na surdina.
Alguns ainda relatam que os negros, revoltados com o acordo “ariano”, digamos assim, começaram a matar todos os brancos, inclusive animais que tivessem a pigmentação. Era a revolta deles pela rendição silenciosa que acontecia a Moçambique. Nisso tudo, os comunistas, que estavam de olho no povo, passaram a “orientá-los” depois de anos de domínio português. Tem um livro, que está na sua quinta edição e parece que conta tudo o que aconteceu há 34 anos, ali, do outro lado do oceano: “Aqui - Moçambique Livre”, de Ricardo Saavedra.
Mas de volta aos tempos de hoje, estava eu feliz e alegre, cheia de mimos entre os Barcellos e os Araújo e ainda amigos que, surpreenderam-me com suas visitas, quando, enfim, completei 34 anos. Meus pais estavam felizes, eu estava feliz, meus irmãos estavam felizes. As tias do interior e da cidade igualmente, assim como os primos do peito, que compareceram para me prestigiar e automaticamente, ao meu pai também.
Esse só tinha sorrisos e felicidade, que mal cabia no meio corpo que o acompanha atualmente. Começou a sorrir na sexta-feira pela manhã, quando cheguei, depois no sábado de madrugada, quando minha irmã e prima chegaram. Ele estava tão contente que nem queria dormir, para aproveitar bem todos os momentos. Mas todas as quatro noites em que passei em Porto Alegre (corrigindo: três em casa), eu o expulsava da minha cama (o chão da sala). O velho, que já não acorda mais cedo há dez anos, “pulava” da cama lá pelas 8h30 – isso é cedo para ele.
Foi tudo uma maravilha e superou minhas expectativas. Simplesmente o melhor aniversário que já tive. Melhor que meus 15 anos. Melhor que as festinhas temáticas nos diversos bares da capital gaúcha. Melhor de toda a minha vida até agora... Ganhei presentes: uma cesta de produtos de higiene e beleza completinha; envelopes das tias da cidade (com dinheiro, claro, He He He); um livro embalado numa sacola ecológica da Livraria Cultura (da minha amiga Mirela e da Dani – sua irmã); as passagens para casa, dos meus pais; os serviços da minha cabeleireira – minha irmã e prima; sabonetes cheirosos e um hidratante da minha atual cunhada e do meu irmão e outros mais... Daqui de Videira, a Silvitcha me deu um creme hidratante para o rosto, de erva doce, e sabonetes, da Natura, também numa sacola linda. Tudo uma delícia... E ainda ganhei uma caixinha de bombons do dono do mercado do bairro.
Foi a melhor festa que tive, mas não pelos presentes. Esses, é claro, eu adoro, mas eles não se comparam com a magnitude dos quatro dias ao lado da minha majestosa e maravilhosa família. Essa que há tempos não se reunia e de quem eu sentia infinita saudades nos últimos meses. De quem gostaria de estar ao lado este final de semana de novo. Esse foi meu big presente: estar ao lado deles. E pela foto aí de baixo, do post “De volta...”, podem ver como é grande mesmo!

Comentários

o casalqseama* disse…
pareabééééééns!!!

no fim do ano entro na era de balzac... rsrs


bjs, fê*
Nanda Assis disse…
muitas felicidades sempreeee!!!
queria muito ter estado ai, mas infelizmente, tenho que abraça-la virtualmente. mas deixo um presente pra vc no meu blog, no próximo post.
bjosss...
Dois Rios disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Dois Rios disse…
Querida Elaine!

A família é como a coluna vertebral. Sem ela teríamos dificuldades para levantar, andar e caminhar. Ela é que nos alimenta, revigora, acalenta e, mesmo distante, sempre nos dá a sensação de que não estamos sós.

Que bom que você se esparramou no aconchego dos seus familiares e amigos. Que bom que você ficou feliz.

Meu beijo especial pelos seus 34 anos de vida, e meus desejos de muitas alegrias, parcerias, amores, sucesso profissional e, principalmente, realizações pessoais.

Com imenso carinho,
Inês
Anônimo disse…
Jeane ॐ
RS (Gravataí, Cachoeirinha, Viamão) - jornalistas
O Grupo CG está selecionando jornalista para os três jornais: Correio de Gravataí, Diário de Cachoeirinha e Diário de Viamão (RS).

Horário:
teoricamente das 9h às 16h

Remuneração:
Piso salarial de Jornalista (interior)
R$ 1.087,73
Mais VT, Plano de Saúde

Enviar currículos com uma matéria para

redacao@correiodegravatai.com.br ou rafael@grupocg.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Tabaco em pó

Ah, meu trabalho me diverti! No cotidiano do jornalismo, quando estou apurando as informações, encontro de tudo: gente normal, gente doida; assassino, polícia; travesti e religiosas. Tem até um senhor, cheirador de rapé.
É o seu Willi. Ele é um velhinho alemão, simpático, com forte sutaque que denuncia sua origem. Ó conheci hoje. No meio de uma entrevista, onde ele entrou de gaiato, puxou do bolso o porta fumo em pó dele e deu uma cheirada.
"Eu nunca fiquei resfriado ou doente fumando rapé. Esse eu ganhei (n lembro de onde veio o fumo, mas era importado), mas eu também faço. Ontem mesmo foi a Jussara lá buscar. Olha o cartão dela aqui. Ela é massoterapeuta", disse o alemão.
Divirtido o senhor, que tem várias manias, além de cheirar o pó perfumado e fino, quase uma poeira. E advinhem, ele me ofereceu e eu aceitei. Pus no dorso da mão, entre o polegar e o indicador e mandei ver no narigão chato. A inexperiência me fez cheirar tudo numa narina só. Não tenho a prática do velhinho,…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…