Pular para o conteúdo principal

te mete...

Jornalistas recebem o prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental
Ao todo foram mais de 70 trabalhos inscritos de 13 das 14 coordenadorias regionais da Fatma espalhadas pelo Estado
Presidente da Fatma, Carlos Kreuz, com a vencedora na categoria impresso, Elaine Barcellos

Em solenidade na noite de quinta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, na Assembléia Legislativa, a Fundação do Meio Ambiente (Fatma) fez a entrega do Prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental, premiando, com R$ 5 mil cada uma, as categorias rádio, televisão e jornal impresso. Também foram premiados os 21 vencedores regionais. Ao todo foram mais de 70 trabalhos inscritos de 13 das 14 coordenadorias regionais da Fatma espalhadas pelo Estado.
São vencedores: na categoria impresso os jornalistas Elaine Barcelos e Edélcio Lopes, do jornal Correio Hoje, de Videira, pela matéria Pinheiro Brasileiro; na categoria televisão foi premiada a jornalista Vanessa Moltini e equipe, da TV Panorama, de Balneário Camboriú, com a reportagem “Memórias do Rio Camboriu”; e na categoria rádio receberam o prêmio os radialistas Altair Magagnin e Charles Cargnin, da rádio Difusora de Içara, com a reportagem “Carboníferas e Meio Ambiente”. O Prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental tem o patrocínio da Tractebel Energia e apoio institucional da Associação Catarinense de Imprensa (ACI), Associação dos Diários do Interior (ADI), Associação Catarinense de Rádio e Televisão (Acaert), Associação dos Jornais do Interior (Adjori), Sindicatos dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina e Fábrica de Comunicação.
Para o presidente da instituição, Carlos Leomar Kreuz, o prêmio Fatma de Jornalismo Ambiental atingiu seus objetivos, porque teve um grande número de jornalistas, de todo o Estado, empenhados em produzir matérias que tenham o meio ambiente como foco. “O meio ambiente, pela sua importância, precisa estar na pauta dos veículos de comunicação, não apenas quando surgem denúncias, mas também mostrando os bons exemplos e isso foi o que vimos aqui”, enfatizou.
Além dos premiados e dirigentes da Fatma, participaram da solenidade o vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina, Josemar Schenen, presidente da Adjori, Miguel Gobbi, presidente da ACI, Ademir Arnon, presidente da Acaert, Marise Westefal, deputado estadual Renato Henning, diretor da Tractebel, Luciano Almeida, procurador federal Georgino Melo e Silva e representantes de diversas entidades ligadas aos meios de comunicação.

Comentários

Anônimo disse…
Nunca mais duvido que vc é uma estrela..hheeh
parabéns!!!!!!!!!!! e que Deus mande ainda mais sucesso...já que vc gostou da coisa..hehe
Que assim seja! Uma estrela tem resplandecer, sempre!!! Agora eu quero um checão só com meu nome, he he he. Vem tb. Tu vais gostar.
Anônimo disse…
que legal negona, agora sim mais insuportável.
to nessa grana, parabens.
bj
BB: estou majestosamente insuportável!!! Huahuahua.
P.S.: tudo bem, divido contigo agora, mas depois tu dividi comigo o dindin da CEEE, hehe.
Unknown disse…
Felicitaciones chiquilla!
pero no te creas demasiado, si no,te quedarás inaguantable!

Un otro abrazote... registrado!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.