Pular para o conteúdo principal

Ainda tem florzinha...

Não iria mais passar aqui hoje, mas uma xícara de chá para o Neno me trouxe lembranças da infância de novo. Cá estou, então, a contar mais uma parte de minha vida.
Eu sempre fui uma criança glutona. Não me continha com pouco, nunca! Queria sempre mais. Em tudo. Comida então, nem se fala. E era comum eu ter dor de barriga ou passar mal do estômago depois da ingestão de doces e salgados, ou seja, de comida em excesso. Muito sofri por ser glutona. Minha mãe sempre vinha com sal amargo, leite de magnésio, chá de carqueja ou, então, o tal chá de macela. E lá ia eu correndo para o banheiro, hehehe.
Geralmente eu enchia a pança nos finais de semana. Então, pouco tempo depois da orgia gastronômica eu chegava para a mãe e dizia: “minha barriga tá doendo...” Já toda chorona, claro, e com a mão sobre o local. Creio que a véia pensava que era dengo e deixava eu sofrer por mais um tempo, até que eu reclamasse novamente. Então, ela vinha com um dos quatro compostos já citado e eu já arrependida e, às vezes, me contorcendo toda sobre a cama ou o sofá, negava a dose do remédio.
Mas tinha uma hora que não tinha jeito. Era tomar o treco ou esperar a digestão. O menos ruim era o chá de carqueja, mas como não era doce eu não tomava também, mas o que fazia efeito rápido era o de macela. Então lá vinha minha mãe com uma xícara fumegante com um líquido bem amarelado e cheio de florzinhas do chá dentro.
- Mãe tem florzinha aí. Eu não quero.
Ela voltava para a cozinha e tirava a macela.
- Ainda tem florzinha.
- É bom guria, toma logo que tu melhora.
Eu tomava um gole e, como sempre, tava quente e amargo. Lá voltava minha mãe para esfriar o chá, coar o negócio e colocar açúcar.
- Mãe, tá muito forte. Põe mais açúcar?
- Não, tá bom assim. Se colocar mais açúcar não vai fazer efeito.
Já de saco cheio mim, a mãe deixava o chá no quarto e saia de perto. Sem chances da coisa melhorar, não me sobrava outra alternativa se não tomar o negócio. Então eu fechava as narinas e fazia “gute gute” da bebida. Com a barriga ainda dolorida, dormia; para em seguida acordar e ir correndo para o banheiro.
Quando não era muito tarde e caía no sono profundo novamente; a fome voltava, mas então estava eu proibida de ingerir qualquer coisa, se não chá de macela ou água. O impressionante era que nunca ficava ressabiada. No outro final de semana a cena se repetia...

Comentários

Betty boop disse…
A fotinha é na casa amarela da Batista Xavier?
Tode vez que passo ali lembro de vc.
É a minha referência de lar!!!! Tive a melhor infância do mundo naquela rua (que mandaria ladrilhar com pedrinhas de brilhantes...).
Lilian disse…
Hehehe...
deixa eu confessar que tbém acontecia comigo.

Me dá uma saudade de nosso chimas e muitas guloseimas em aula.

Bjks

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe