Pular para o conteúdo principal

Decisões

A semana começou com reflexões. Fortes pensamentos sobre prosperidade e liberdade. Tudo isso em prol do meu bem-estar. Da minha saúde mental, da minha capacidade de trabalho e de paz pro meu coração.
Precisar tomar decisões para que isso ocorra. Está sendo inevitável a cada dia que passa, a cada instante vivido, em cada golfada de ar respirado que eu tome uma atitude, uma única atitude. Responsabilidades assumidas e não cumpridas estão cutucando minha consciência. Agulhadas emocionais vistas a olhos nus, todos os dias, estão alfinetando meu coração. E, para finalizar, meu bolso vazio todo final do dia, da semana, do mês está me impulsionando para uma decisão final.
As circunstâncias parecem estar a meu favor. Tudo conspirando para que vá ao encontro de um futuro mais tranqüilo, exato, menos relapso. Mas tem algo que me prende ainda, por um fio de linha de algodão, já molhado e desgastado, mas ainda firme.
O que sei é que não tem mais desculpas. É agora ou nunca e, sinceramente, estou tendendo pro agora. Agora que sei o gosto de ser feliz, não quero perder mais, de novo, por um longo prazo como no ano passado. Só pelo tempo da efemeridade sentida.

Comentários

Anônimo disse…
Queria te encorajar, te dizer vá, mude esse cenário, mas não posso. Não posso porque também precisaria me libertar e ser aquela mulher forte e decidida que sempre demonstro ser. Mas não sou assim, pelo menos quando o assunto é o coração. E neste momento estou sem forças, querendo me esvair do mundo..ai,ai.ai..
Anônimo disse…
É isso ai Nanuska, ou vai ou racha, chupa o pau da barraca, não dá mole, arrebenta a boca do balão, pau no cu do surdo, azar é do goleiro, escreveu não leu é analfabeto ou desavisado então foda-se!!!! Sabe que o que precisar de minha humilde pessoa estou a sua disposição para o que der e vier!!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Eu, entre o público e o privado

Adoro quando tomo decisões. E agora nem sofro mais. Este ano está sendo tão importante e definitivo para algumas questões, que está me fazendo amadurecer com tranqüilidade e consciência de forma em geral. E isso tem me trazido paz de espírito. Isso é muito bom!

Hoje, eu vejo um possível problema e o tento resolver de imediato. Se não consigo, continuo buscando uma solução ponderada e sem interferência em outros aspectos e pessoas. Por fim, se isso não é possível, trato tudo da melhor maneira possível. E claro, sem perder a graça, a irreverência e o meu jeito todo especial de ser.

Assim também acontece com inutilidades. Apenas listo as tranqueiras da minha vida, ainda dou uma avaliada profunda nos prós e contras, para logo dizer BASTA! Em seguida abro um sorriso e digo a mim mesma: “Estou orgulhosa de ti, Elaine!” E o dia todo cinza de um inverno chuvoso se torna luminosamente ensolarado. E passo a gostar ainda mais de mim e dessa vida.

Nesta terça, a alegria ficou por conta de uma simple…