Pular para o conteúdo principal

Medo das lágrimas e a curiosidade

As pessoas têm medo das lágrimas. Elas vêem uma pessoa chorando, olham com uma expressão de susto, depois de dó e por último de curiosidade. Elas não sabem que o primeiro passo de solidariedade ou carinho, para os mais próximos, é o abraço, ou entáo um afago, nem que seja mão sobre mão, para os mais tímidos ou retraídos.
Eu não tenho medo das lágrimas, por isso que eu choro, em qualquer lugar e sobre qualquer motivo. Quando estou alegre ou quando estou triste. Eu tenho medo é do inesperado. Do que não é comprovadamente certo. Tenho medo dos 99%. O resto para mim é palpável, como as pessoas. E pessoas são fragéis e tudo que é frágil precisa de cuidado.
Pois a minha fragilidade precisa de atenção no momento, precisa cuidado, requer tato e contato. Minhas légrimas estão cansadas da curiosidade alheia, de perguntas... Eu quero o ombro para depositar meu pranto, para depois acalentar o sorriso. Mas o ser humano tem tanto medo das lágrimas que parecem se afastar, quando deveriam fazer justamente o contrário, sem até mesmo ter a necessidade de perguntar o porque da existência delas.
No momento, me deixaria menos triste um simples abraço. Mas acho que é pedir demais dos meus semelhantes daqui. São nesses momentos que me lembro dos meus amigos de casa. Que mal viam o brilho nos olhos, já saiam ao encontro para enxugar o rosto e depois, receber a cabeça sobre os seus ombros. Isso é impagável.
Declaro então o meu apreço, minha afeição e o meu agradecimento ao PP. Que tão gentilmente tem me estendido a mão, que mesmo por meio da fibra ótica ou da web, tem chego até aqui e expressado o carinho e feito o afago. Até parece o homem borracha, hehehehe. Obrigada mon cher. Beijo na boca.

Comentários

Peterson, PP, Pequeno Princepe, Nanico e outras coisas impronunciaveis... disse…
Não precisa agradecer minha amiguinha!!!

Me basta que volte a sorrir!!!

Quanto ao beijo na boca..he he he aceito um mabraço BEM apertado!!!!! he he he
Jana e Pp disse…
Nane adoramos a visita! A melhor parte que é a sobremesa você não comeu. Fazer o que? Vou ter que comer sozinha, he he he.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe