Pular para o conteúdo principal

Sexta-feira

Dia péssimo. Com pereba no rosto, conseqüência de tensão acumulada de dias... Momentos de mais percepções negativas. De revisão de páginas e mais páginas de jornal, que deveriam ter vindo aos poucos se houvesse mais responsabilidade e até consideração. Dia de lágrimas no meio da tarde, de mau humor e falta de educação com o Sancho, que de forma alguma merecia tal tratamento.

Mas eu não sou de ferro, nunca fui. Uma hora a gente desmorona e olha para os lados e vê que se está sozinha, no meio de um fogo cruzado de emoções diversas, sem ter aonde se amparar. É quando só se vê as perdas e os danos, enquanto as recordações de situações vividas com pessoas amigas e amadas vêm à tona, lembrando que o dia que eu quiser voltar a conviver com gente do bem, eu sei aonde procurar.

Vai ter uma sexta-feira que eu vou criar coragem, deixar de me autoflagelar, vou fazer as malas e voltar para esse mundo. Enquanto isso, me perdoe Sancho Pança (Luiz Augusto) e obrigada Valéria, pelo ombro amigo e fraternal.

Comentários

Anônimo disse…
Cara moça, não sei quem você é, mas pelo que pude perceber nos seus textos, escreve muito bem.
Porém, vejo muita tristesa e melancolia em suas palavras, creio eu que deve-se ao fato de ser de um grande centro.
No entanto, creio que está aqui ganhando a vida, trabalhando em alguma das nossas empresas e ganhando o seu pão de cada dia. Contudo, não se cansa de lamentar a inferioridade das pessoas que aqui vivem.
Por isso, por que a você não resolve o seu problema e abandonma esta "cidadizinha" e volta a sua capital, onde era tão feliz.
Tocando no assunto, por que veio para cá, por desconhecimento das condições de uma cidade do inteior, ou qual outro motivo.
Por isso sugiro que retorne ao seu grande centro e deixe de menospresas as pessoas desta cidade, que deve ter lhe acohido bem e ajudado a pagar as suas contas.
menosprezo? n chego a pensar ou sentir isso. aliás, quando aqui cheguei, realmente fui muito bem recebida, como ainda sou, embora muitos dos que aqui moram tenham manifestado sua opinião, ainda muito mais chocados, surpresos, com argumentos (outros sem nenhum)sobre eu, que vim de Porto Alegre, uma capital, para vir trabalhar aqui.

Agradeço pelo elogio da escrita. Tento sempre aprimorar. Tens razão anônimo, mais uma vez. As palavras contém tristeza e melancolia. E já estou resolvendo, aos poucos, meu probleminha.

Talvez não tenha tido condições psicológicas de analisar os pontos positivos de Videira, ou os tenha valorizado pouco. E de forma alguma quiz, na minha incompreensão, ofender o podo desta terra. Apenas não me habituei com alguns costumes daqui e sim e isso creio que seja normal. É uma questão de respeitar as diferenças e isso acredito que faço.

Sobre a felicidade, teve um momento em que era bem feliz aqui, tanto quanto era na minha cidade. Agora, na comparação, lembro do que tenho lá e não estou usufruindo e do que tenho aqui e não sou valorizada. Nessa balança, desculpe, mas estou perdendo. E, por incrível que pareça (analisando bem agora), não tem relação direta com as pessoas ou os lugares de quem é daqui, na verdade. Muito pelo contrário.

Enfim, também não sei quem és e este assunto já está se delongando por demais. Mas, confesso, que tu fostes o primeiro a me expulsar da cidade e ainda teve elegância, hehehe.

Inté

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe