Pular para o conteúdo principal

É saudade que chama?



Saudades desta amiga que nunca me deixou só – até 90 dias atrás. 
Se viva, ela teria enviado uma mensagem dizendo: "Nega, tô com saudades. Mas já passou!" E ainda assim sairíamos para tomar uma ceva em um boteco qualquer perto de casa. A gente sempre tinha assunto.
Era tipo casamento, sabe? Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença.
Talvez, se a gente falasse menos bobagens, se divertisse menos, trocasse menos confidências, desse menos palpite na vida uma da outra, e até brigasse menos, não doesse tanto agora. Mas também não seríamos amigas. Não seríamos nós, que juntas, era sempre pra somar. Era mais!
Nossa amizade era bacana. Um misto de amiga-irmãs. Quando um modo ficava chato, ou a situação exigia, automaticamente a gente virava a chave pro outro sistema. E tocava o baile. E mesmo assim discordávamos, às vezes.
Vocês não sabem, mas a gente tinha planos de vida. Eu ia comprar uma casa na praia e ela teria um quarto. Nem eu e nem a Jana pensávamos viver sem estar na vida da outra. Era pra gente tomar muita champa, curtir muita praia. E samba. E contatinhos...
O plano era pra gente morrer bem velhinhas. Tipo a canção Baladas do Nei Lisboa: Eu, bebendo vinho (ela ceva) e olhando a bunda de alguém.

#TBT #TBTdesaudade #amizade #irmãdecoração

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.