Pular para o conteúdo principal

Dois reencontros, duas despedidas

Comemoração do meu aniversário, em 2015, com amigos

Este ano eu completei 45 anos. Mas a foto do post é de 2015, quando comemorava mais um aniversário ao lado de amigos do peito.
A Jana, escondidinha ali atrás, é mais do que amiga. É irmã! Certamente fingiria surpresa e me perguntaria com tom de deboche: “Ué, não era 29 anos?” Depois reclamaria de expor a imagem dela nas redes sociais, sem a sua autorização. Por fim, registro aqui outra pergunta, recorrente antes mesmo de setembro chegar: “E aí nega, o que vamos fazer este ano no teu aniversário?”
Engraçado... Ela não gostava de comemorar o seu aniversário, mas estava sempre presente no meu. Aliás, amiga irmã é assim: tá sempre presente em todos os principais momentos da vida da gente. E sou grata por isso.
Tem o Luiggi também. Que tá bem ao lado da Jana, o carequinha. Um querido... Foi uma surpresa enorme quando numa conversa de bar, e a gente foi em alguns nessa convivência, ele falou do ano que estudou em um coléginho no Partenon. Foi nosso primeiro encontro na vida. Meu, dele e da jana (e do Arlen, que tá ali na ponta também). O segundo momento foi em Viamão, já adultos, quando éramos estagiários de jornalismo. Maktub. Tinha que acontecer! E foi lindo.
Com o Luiz aprendi que ética profissional, sensibilidade, criatividade e simplicidade são qualidades possíveis de adquirir, mas carisma não. É da gente! Obrigada por isso também, querido. Sou uma pessoa e uma jornalista bem melhor depois que te reencontrei.
Esse #tbt de hoje (texto publicado no Insta e FB na quinta, 26), coisa rara por aqui, é para esses dois amigos, que em menos de um mês foram habitar em outra esfera. Caminhar na espiritualidade. Ou simplesmente foram embora, porque fizeram bonito por aqui, o que tinham que fazer, cada um do seu jeitinho único. Já sinto saudades! Muita... 💕
Em   
Em tempo:
Sempre me questionei sobre o que aguça a curiosidade das pessoas a respeito da morte de amigos ou familiares. Eu não pergunto a causa. O amado já morreu, foi embora, desencarnou, ou a expressão que preferir. A dor da separação aconteceu. Para alguns em maior intensidade do que para outros.

Queria eu ser evoluída o suficiente para aprender a dizer adeus a essas pessoas, sem ser egoísta, achar que fui traída, ou que poderia ter feito alguma coisa para perpetuar a presença deles ao meu lado, a qualquer preço. Então, me refaço na fé. Às vezes leva um tempo para aceitar. Às vezes leva muito tempo para amenizar o sentimento da separação. E nesse processo, desculpa se a sua dor pode ser amenizada com motivos ou causas, comigo, o tempo e a mudança de comportamento é que são fatores relevantes.

Sigamos, humano!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe