Pular para o conteúdo principal

Ode aos detalhes do cotidiano

Foto: Marcelo Oliveira


Porto Alegre, 6 de julho de 2018.

Vinha distraída pelo caminho, como acontece sempre que caminho e foco o pensamento no que tenho que fazer em seguida e o tempo que disponho.

Cuidava o trânsito, desviava de pessoas e seus cães pelas calçadas úmidas ou irregulares. Engraçado! Um homem de seus 50 anos levava um cão na coleira pelo caminho estreito de pedras. Não sei se ele pensou que iria parar para deixa-los à vontade. Mas, fui condicionada a ser gentil com o próximo. E naquele momento, eu era essa próxima.

Nesta sociedade machista que estamos inseridas, o normal seria o homem e seu cão dar passagem, ao invés de manter seu ritmo firme. Irritada, pensei: se fosse loira e magra, ele até pisaria no barro com seu amigo, sorriria e daria bom dia.

Fiquei chateada com o que cogitava: soberba feminina ou falta de educação alheia?

Alguns diriam que isso é mimimi. Eu chamo de educação. Em algumas situações, poderia conceituar como bom senso. Enfim, segui. Esqueci-me do que só eu percebi e senti naquele momento, assim que dobrei a esquina.

Depois de um tempo em vida, de perdas e ganhos, passei a dar importância a pequenos detalhes do dia-a-dia. O que, dependendo das circunstâncias pode ser entendida como coisa de gente de meia idade [sim, eu tenho quase 44 anos], ranzinza, talvez cansada, e, certamente, sem paciência.

Talvez essas minhas reflexões sejam apenas a influência dos astros sobre mim, desde o momento em que abri os olhos neste mundo, às 3h35min de um dia 7 de setembro. E agora isso esteja mais acentuado, ao ponto de fazer comparativos de minhas análises ambientais com meu comportamento em situações semelhantes, mas em momentos antigos.

E na maioria das vezes, agradeço por não ser o que mais recrimino em outras pessoas, nem ontem, nem hoje. Ogro. Gente mal educada ou mal amada. Boçais!

Dava passos rápidos e largos para forçar a caminhada. Não estava a passeio. Era o exercício do dia, além do fato de estar atrasada. Então o sinal abre para o pedestre e sigo em frente, mas tenho que parar por que um condutor apressadinho precisava passar para aproveitar a via livre de outros veículos. Claro, só estava livre por que o sinal estava fechado para motores. Só por isso.

Trânsito é algo que gera muita controversa em mim, mas sou pelo respeito às leis e à vida. Hoje não tenho carro e também não tenho dirigido – o que me alivia o humor consideravelmente. Minha carteira está até vencida e nem sei se vou renovar. Sinto um alívio quando saio a pé ou utilizando transporte coletivo. Tenho outras percepções de vida quando ando distraída de cuidados ao volante.

Vejo outros detalhes do cotidiano... Como nesta quinta-feira, em que minha alma se encheu de sentimentos tão controversos enquanto caminhava até a nutricionista, cerca de três quilômetros de casa.

Sensível, distante 614 metros do meu destino, ouvi uma sirene de ambulância, normal de ocorrer em cidades grandes ou lugares próximos a hospitais. Há pouco tempo, este som me alertava da urgência em dar espaço na via para a oportunidade da vida passar. Como as circunstâncias são outras, só conseguia pensar que alguém poderia estar triste ou agoniado naquele momento.

Torci por melhoras ao estranho e comecei a correr.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…