Pular para o conteúdo principal

Agora, a Bri é mais gata!

Vou contar a história de uma gata. Melhor! Vou contar a história de uma família transformada por uma gata. A Brigitte Bardot. A nossa gata vaquinha do coração. A nossa mais nova estrela guia.

Uma publicação compartilhada por Elaine Barcellos de Araújo (@corderosaecarvao) em


Ela veio pequena para nós. Na ocasião, minha mãe cuidava da vó em sua terra natal. Enquanto eu estava em Porto Alegre com meu pai. A mana já morava no Rio de Janeiro e meu irmão ainda era casado. Morava em outra casa aqui na capital.

Eu estava no ano derradeiro da minha formatura. Fazendo o tão temido TCC (trabalho de conclusão de curso) pela segunda vez - sim, tive um processo de rejeição na primeira vez. E numa tarde daquela primavera de 2001 minha amiga Mirela veio visitar-me. Eram tardes de muita conversa, comes e bebes. Ela, também apaixonada por gatos, trouxe a informação de uma feira de animais na igreja perto de casa, caminho que fazia quando vinha me ver.

Devia ser terça-feira, dia de Santo Antônio, para tanto movimento para a reza...

Foi de uma feira da zoonose da prefeitura da cidade que ela veio, ainda pequena, mas já destruidora e peralta. Bastante carente.

A princípio eu não a quis. Estava de olho num gato amarelo que havia na mesma gaiola. Mas ele já tinha dono(a), que estava na missa. Fiquei esperando a ladainha terminar, acariciando outros bichanos, dois irmãos bem parecidos: pelagem branca com manchas pretas pela cabeça e poucas pelo corpo. Um macho e uma fêmea, mas foi ela que me quis. E foi ela que eu trouxe, feliz, para casa.

Por três dias eu a escondi pela casa. Meu pai, distraído, passava por ela sem nem se quer a perceber. Com três meses de idade, a gata passou despercebido pelo Paiaço. Até que houve a revelação. E a negativa. Mas fui insistente, argumentativa e a Bri, carinhosa. Conquistou mais um.

Pelo telefone íamos preparando a mãe. Que nem em pensamento queria saber de bicho em casa, que não fosse passarinho. E no Natal levamos a Brigitte Bardot para Cruz Alta. No carro, ficou escondida embaixo do banco, bem próxima de uma tia, que temia gatos desde pequena. Cinco horas depois, descíamos do veículo, nós quatro: pai, eu, tia e a Brigitte. Que sem saber tinha adquirido mais uma aliada.

"Em terra", a gata da cidade ficou louca com o pátio cheio de árvores frutíferas para subir. Mas foram as bolas da árvore de natal que a deixou mais contente. Ela vinha do pátio, numa corrida furiosa, cruzava a cozinha e em linha reta, e já em alta velocidade, pulava o presépio e escalava a árvore ornamentada. Só se ouvia e via bolas rodando pelo piso de madeira. E, às vezes, os galhos em movimento.

Pronto! E a família Barcellos já era toda dela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…