Pular para o conteúdo principal

Agora, a Bri é mais gata!

Vou contar a história de uma gata. Melhor! Vou contar a história de uma família transformada por uma gata. A Brigitte Bardot. A nossa gata vaquinha do coração. A nossa mais nova estrela guia.

Uma publicação compartilhada por Elaine Barcellos de Araújo (@corderosaecarvao) em


Ela veio pequena para nós. Na ocasião, minha mãe cuidava da vó em sua terra natal. Enquanto eu estava em Porto Alegre com meu pai. A mana já morava no Rio de Janeiro e meu irmão ainda era casado. Morava em outra casa aqui na capital.

Eu estava no ano derradeiro da minha formatura. Fazendo o tão temido TCC (trabalho de conclusão de curso) pela segunda vez - sim, tive um processo de rejeição na primeira vez. E numa tarde daquela primavera de 2001 minha amiga Mirela veio visitar-me. Eram tardes de muita conversa, comes e bebes. Ela, também apaixonada por gatos, trouxe a informação de uma feira de animais na igreja perto de casa, caminho que fazia quando vinha me ver.

Devia ser terça-feira, dia de Santo Antônio, para tanto movimento para a reza...

Foi de uma feira da zoonose da prefeitura da cidade que ela veio, ainda pequena, mas já destruidora e peralta. Bastante carente.

A princípio eu não a quis. Estava de olho num gato amarelo que havia na mesma gaiola. Mas ele já tinha dono(a), que estava na missa. Fiquei esperando a ladainha terminar, acariciando outros bichanos, dois irmãos bem parecidos: pelagem branca com manchas pretas pela cabeça e poucas pelo corpo. Um macho e uma fêmea, mas foi ela que me quis. E foi ela que eu trouxe, feliz, para casa.

Por três dias eu a escondi pela casa. Meu pai, distraído, passava por ela sem nem se quer a perceber. Com três meses de idade, a gata passou despercebido pelo Paiaço. Até que houve a revelação. E a negativa. Mas fui insistente, argumentativa e a Bri, carinhosa. Conquistou mais um.

Pelo telefone íamos preparando a mãe. Que nem em pensamento queria saber de bicho em casa, que não fosse passarinho. E no Natal levamos a Brigitte Bardot para Cruz Alta. No carro, ficou escondida embaixo do banco, bem próxima de uma tia, que temia gatos desde pequena. Cinco horas depois, descíamos do veículo, nós quatro: pai, eu, tia e a Brigitte. Que sem saber tinha adquirido mais uma aliada.

"Em terra", a gata da cidade ficou louca com o pátio cheio de árvores frutíferas para subir. Mas foram as bolas da árvore de natal que a deixou mais contente. Ela vinha do pátio, numa corrida furiosa, cruzava a cozinha e em linha reta, e já em alta velocidade, pulava o presépio e escalava a árvore ornamentada. Só se ouvia e via bolas rodando pelo piso de madeira. E, às vezes, os galhos em movimento.

Pronto! E a família Barcellos já era toda dela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe