Pular para o conteúdo principal

Adeus ano velho, a Deus ano novo




A vida é como uma gangorra. Um sobe e desce rápido demais para quem gosta de aproveitar os bons momentos. Por isso nunca gostei deste brinquedo.
Uma hora se está feliz. Em outro instante, triste. E a merda nesse vai e vem é que nem dá tempo para sentir aquele arrepio da instabilidade. É num rompante que tudo acontece.
2016 foi uma gangorra para mim. Como os momentos de baixa foram muito fortes, passei muito tempo perto do chão. E não é isso que almejei para mim. Queria estar mais perto da copa das árvores, sentindo a brisa fresca que passeia pelos galhos a tocar minhas bochechas rechonchudas.
Dona Morte visitou minha família duas vezes nesses 365 dias. Em fevereiro, quando minha mãe teve alta hospitalar, os médicos pediram para que começássemos a nos despedir dela. Levei oito meses após sua partida para acostumar com sua ausência. Para que a dor virasse saudade, ainda que intensa.
No meio desse período, meu irmão ficou dois meses hospitalizado. Antes disso teve crises de dores, de tristeza profunda e emagreceu mais de 40 quilos. E eu fazendo força para subir na gangorra.
Tentei sorrir, e em alguns momentos consegui. Afastei-me de alguns amigos e me aproximei de outros. Acontece. Viajei. Fui ao Uruguai, país que gosto demais, e quis ficar morando em Colônia do Sacramento. Mas voltei para casa. Para a família, que é tudo na vida da gente.
Consegui um freela bacana, com pessoas inteligentes e interessantes, e no meio de tantas ligações de escritórios de cobrança, consegui saldar parte das dívidas.  Outros amigos me indicaram para um trabalho e fui empregada. Estava leve. Era o momento de estar em cima, com a gangorra. Planejei, então, uma viagem ao Rio de Janeiro. A tour do samba, como denominou uma amiga e minhas novas parceiras de trip.
Nem mesmo um pequeno acidente de trânsito me abalou. Dano material não deve preocupar a gente.
Os meses foram passando e tudo se encaixando, aos poucos.  A gangorra subia e descia sem paradas extensas no nível da terra. Eu sorria mais freqüentemente e voltava ao contato social com todos meus amigos.
Estava no leme da minha vida, conduzindo tudo com parcimônia. Resolvendo problemas, ou, ao menos, encaminhando-os para que findassem. Eu, era então, um ser organizado. E feliz.
Novembro chegou e a viagem ao Rio não me empolgava, até sua véspera. Dia 21 fui indenizada e a grana serviu para custear meus prazeres na cidade maravilhosa, dois dias depois. Eram quatro dias com minhas amigas e três com minha irmã. Fiquei  devendo $15 ao Uber, mas não perdi o vôo. 10:05 da manhã do dia 23 de novembro, quarta-feira, embarcava, feliz. Estava de fato, nos ares. Gangorra parada em brancas nuvens.
Minha irmã me esperava para o almoço. Até motorista mandou para me buscar, enquanto ela trabalhava no horário do almoço para ficar comigo mais tarde. Trocamos várias mensagens engraçadas até ver o seu sorriso amarelo da nicotina e sentir seu abraço carinhoso. Então já não estava sozinha na felicidade. O reencontro mostrou isso.
Conheci os amigos dela. Que passaram a ser meus amigos também. Naquela quarta-feira fui mimada o tempo todo. Ela sabia do que gostava.
Na quinta, fui encontrar minhas amigas. A Trip do Samba começava. Fui na Escadaria Selaron e na Lapa, onde dancei e bebi e me diverti. E de tudo a Elenara pedia fotos. Pedia para me cuidar. Na sexta subi o morro da comunidade de Santa Marta – e quase me caguei de medo. Sambei mais à noite na Pedra do Sal e depois na Lapa. No sábado, peguei uma insolação na praia de Copacabana, subi o morro da comunidade do Vidigal (me caguei pela segunda vez), bebi várias caipirinhas preparadas por um gaúcho, dancei mais um pouco. E tudo a mana queria saber.
À noite, a festa seria no Salgueiro, mas fui ao encontro da minha irmã. Embora retornasse apenas na terça-feira 29 para Porto Alegre, só teria o domingo de folga com ela. Chamei o motorista - sim, minha irmã tinha um “uber particular” – e mesmo que tarde, pude vê-la, de relance, ao chegar, caminhando tranquilamente. Foi o tempo de despedida. Dona Morte veio pela segunda vez nos visitar e em pouco tempo a gangorra desabou no chão. Era o momento da tristeza.
Dezembro começou, sem que no dia 1º pudesse ligar para cumprimentá-la pelo aniversário. O Natal passou e estávamos, nós, caminhando sem amparo novamente. Capengas. Sozinhos. E hoje, só quero que 2016 se despeça levando todas as agruras e sentimentos menos nobres para o passado. Por que em 2017 não quero mais brincar de gangorra. Prefiro carrossel. Ou até roda gigante.

Feliz 2017 a todos!

Que seja uma ano de Deus em nossas vidas, em todos os instantes. E que sejamos capazes de entender - e aceitar - seus mandamentos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…