Pular para o conteúdo principal

Não entendo...




Estou triste demais hoje.

Quando se está doente, ou em torno de ente enfermo, se fica mais sensível às mazelas do mundo. A gente se torna imã, também, de notícias que não queríamos ter.

Dá para optar em não assistir telejornais. Eles são cheios de fatos ruins, da maldade humana, tristes, do desfortuno de alguém. Eu sei, sou jornalista. E por isso peguei gosto por ler notícias pela internet. Assim faço a minha seleção.

Mas não dá para fugir da vida. E da morte. Essa última está sempre no topo, aliás. Chega até nós pela boca de amigos, parentes, médicos, desconhecidos...

Nesta segunda, por exemplo, uma amiga querida comunicou a partida de sua avó. Chorei por ela, por sua mãe, que é um doce de pessoa, e por mim também. Que, lamentavelmente, posso não estar longe de enfrentar tal situação.


Ontem, uma jornalista global também desencarnou. E uma retrospectiva, breve, sobre seus amores em vida foi feita. Mas seu recado aos amigos é que me tocou.

Pessoas demais têm morrido este ano. De câncer. Essa doença maldita, adjetivo que lhe cai bem, põe a prova crianças, jovens, adultos e velhinhos. Ela não tem preconceito de idade. Não mexe apenas com a nossa saúde, envolve também a nossa crença ou fé, nossa família e amigos, atinge nosso humor, a nossa psique. Ou o que resta dela. Põem-nos a prova em vários sentidos.

Não consigo entender por que ela sempre vence, se reafirmamos nossa crença e fé – e se não as temos, adquirimo-las -, unimos nosso núcleo familiar, fortificamos as amizades, evoluímos nosso senso de humor e descobrimos a força da nossa mente e situações de crise e caóticas. Temos períodos em baixa sim, mas bem mais frágeis dos que os de alta. E mesmo com a saúde fragilidade, enfrentamos tratamentos agressivos só para garantir de que mais uma batalha será vencida. E muitas vezes vencemos.


Só não dá para entender por que tudo isso não é suficiente...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…