Pular para o conteúdo principal

Não entendo...




Estou triste demais hoje.

Quando se está doente, ou em torno de ente enfermo, se fica mais sensível às mazelas do mundo. A gente se torna imã, também, de notícias que não queríamos ter.

Dá para optar em não assistir telejornais. Eles são cheios de fatos ruins, da maldade humana, tristes, do desfortuno de alguém. Eu sei, sou jornalista. E por isso peguei gosto por ler notícias pela internet. Assim faço a minha seleção.

Mas não dá para fugir da vida. E da morte. Essa última está sempre no topo, aliás. Chega até nós pela boca de amigos, parentes, médicos, desconhecidos...

Nesta segunda, por exemplo, uma amiga querida comunicou a partida de sua avó. Chorei por ela, por sua mãe, que é um doce de pessoa, e por mim também. Que, lamentavelmente, posso não estar longe de enfrentar tal situação.


Ontem, uma jornalista global também desencarnou. E uma retrospectiva, breve, sobre seus amores em vida foi feita. Mas seu recado aos amigos é que me tocou.

Pessoas demais têm morrido este ano. De câncer. Essa doença maldita, adjetivo que lhe cai bem, põe a prova crianças, jovens, adultos e velhinhos. Ela não tem preconceito de idade. Não mexe apenas com a nossa saúde, envolve também a nossa crença ou fé, nossa família e amigos, atinge nosso humor, a nossa psique. Ou o que resta dela. Põem-nos a prova em vários sentidos.

Não consigo entender por que ela sempre vence, se reafirmamos nossa crença e fé – e se não as temos, adquirimo-las -, unimos nosso núcleo familiar, fortificamos as amizades, evoluímos nosso senso de humor e descobrimos a força da nossa mente e situações de crise e caóticas. Temos períodos em baixa sim, mas bem mais frágeis dos que os de alta. E mesmo com a saúde fragilidade, enfrentamos tratamentos agressivos só para garantir de que mais uma batalha será vencida. E muitas vezes vencemos.


Só não dá para entender por que tudo isso não é suficiente...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe